paint-brush
Tudo o que você precisa saber sobre segurança cibernética MSPpor@alextray
508 leituras
508 leituras

Tudo o que você precisa saber sobre segurança cibernética MSP

por Alex Tray9m2023/06/13
Read on Terminal Reader

Muito longo; Para ler

Muitas pequenas e médias empresas dependem de provedores de serviços gerenciados (MSPs) para serviços e processos de TI. As soluções MSP podem ser integradas às infraestruturas do cliente para permitir a prestação adequada de serviços. Uma única vulnerabilidade em uma solução MSP pode se tornar um motivo de falhas.
featured image - Tudo o que você precisa saber sobre segurança cibernética MSP
Alex Tray HackerNoon profile picture
0-item
1-item

Muitas pequenas e médias empresas hoje dependem de provedores de serviços gerenciados (MSPs) com suporte para serviços e processos de TI devido a orçamentos limitados e ambientes totalmente carregados. As soluções MSP podem ser integradas às infraestruturas do cliente para permitir a entrega de serviços adequada, trazendo assim certas desvantagens junto com benefícios funcionais.


Neste post, focamos na segurança cibernética do MSP, incluindo os principais desafios, ameaças e práticas. Leia mais para descobrir:

  • Por que um MSP deve se preocupar com a segurança cibernética
  • Quais ameaças você precisa combater mais
  • Como proteger os dados e infraestruturas seus e dos clientes de possíveis falhas

Segurança MSP: Por que é importante?

Provedores de serviços gerenciados (MSPs) geralmente são conectado aos ambientes de vários clientes . Esse fato por si só torna um MSP um alvo desejado para hackers. A oportunidade de desenvolver rapidamente um ataque cibernético e espalhar as infecções por um grande número de organizações torna difícil superestimar os riscos de segurança do MSP. Uma única vulnerabilidade em uma solução MSP pode se tornar um motivo para falhas em várias infraestruturas, resultando em vazamento ou perda de dados. Além da perda de ativos valiosos, multas graves por descumprimento podem ser aplicadas a organizações vítimas de ataques cibernéticos.


Um MSP que falha em construir e dar suporte à segurança adequada pode não apenas ser forçado a pagar fundos significativos. O ponto principal aqui é a perda de reputação que normalmente você não consegue recuperar. Assim, o risco não é apenas financeiro: a falha na cibersegurança pode custar-lhe lucros futuros e a própria existência da sua organização.

Principais ameaças de segurança cibernética MSP em 2023

Apesar de tipos de ameaças de cibersegurança online para MSPs são incontáveis, algumas ameaças são mais frequentes do que outras. Abaixo está a lista das ameaças mais comuns que um sistema de segurança MSP deve ser capaz de identificar e combater.

Phishing

O phishing pode ser considerado um método ultrapassado de ataque cibernético, especialmente quando você presta atenção às competências e possibilidades dos hackers contemporâneos. No entanto, o phishing ainda permanece entre as principais ameaças de dados para indivíduos e organizações em todo o mundo.

Simplicidade é a chave aqui: um e-mail de phishing é fácil de construir e enviar para milhares de vítimas em potencial, incluindo MSPs. E mesmo que um hacker tenha uma abordagem mais completa e crie e-mails individuais e direcionados para enganar os funcionários ou clientes das organizações, as táticas de phishing ainda não exigem muito esforço para conduzir um ataque.

ransomware

Com centenas de milhões de ataques ocorrendo todos os anos, o ransomware tem sido uma ameaça emergente para pequenas e médias empresas e organizações empresariais há pelo menos uma década. Ransomware é um malware que se infiltra sorrateiramente no ambiente de uma organização e começa a criptografar todos os dados ao seu alcance. Depois que um número significativo de arquivos é criptografado, o ransomware exibe uma notificação sobre esse fato junto com um pedido de resgate. Muitas organizações foram vítimas de ransomware. O incidente da Colonial Pipeline nos EUA também foi um caso de ransomware.

Um Provedor de Serviços Gerenciados deve prestar atenção especial a essa ameaça, pois a conexão entre um MSP e os clientes pode causar rápida disseminação de tensão e perda global de dados dentro de toda a rede do cliente.

Ataques de negação de serviço (DoS)

Ataques de negação de serviço (DoS) e negação de serviço distribuído (DDoS) também são táticas de hacking simples e eficazes da “velha escola” usadas desde meados dos anos 90. O objetivo de um ataque DoS ou DDoS é causar uma carga anormal na infraestrutura de uma organização (um site, uma rede, um centro de dados etc.), resultando em uma falha do sistema. Um ataque DoS provavelmente não será o motivo da perda ou dano de dados, mas o tempo de inatividade do serviço pode se tornar uma fonte de desconforto operacional, perdas financeiras e reputacionais que representam riscos para o futuro de uma organização.


Um ataque DoS é conduzido com o uso de dispositivos controlados por hackers (rede bot) que enviam enormes quantidades de dados para os nós de uma organização alvo e sobrecarregam as capacidades de desempenho de processamento e/ou largura de banda. Novamente, um ataque DoS em um MSP pode se espalhar nos ambientes dos clientes e resultar em uma falha em todo o sistema.

Ataques Man-in-the-Middle (MITM)

Esse tipo de ameaça cibernética é um pouco mais complicado e complicado de conduzir do que ataques diretos à infraestrutura. Um ataque man-in-the-middle (MITM) envolve a invasão de um hacker, por exemplo, em um roteador de rede ou em um computador, com o objetivo de interceptar o tráfego. Após uma invasão de malware bem-sucedida, um hacker pode monitorar o tráfego de dados que passa pelo nó comprometido e roubar dados confidenciais, como informações pessoais, credenciais, informações de pagamento ou cartão de crédito, etc. Essa também pode ser uma tática adequada para espionagem corporativa e roubo de know-how empresarial ou segredos comerciais.


Zonas de risco para se tornar vítima de ataques MITM são, por exemplo, redes Wi-Fi públicas. Uma rede pública raramente tem um nível adequado de proteção, tornando-se assim uma noz fácil de quebrar para um hacker. Os dados roubados do tráfego de usuários descuidados podem ser vendidos ou usados em outros ataques cibernéticos.

Criptojacking

O cryptojacking é um tipo de ciberameaça relativamente novo que surgiu junto com o boom da mineração criptográfica. Dispostos a aumentar os lucros da mineração de criptomoedas, os cibercriminosos criaram agentes maliciosos que invadem computadores e começam a usar o poder de processamento da CPU e/ou GPU para minerar criptomoedas, que são transferidas diretamente para carteiras anônimas. Os cibercriminosos podem obter lucros maiores porque não precisam pagar contas de eletricidade por seus equipamentos de mineração neste caso ilegal.


As soluções MSP são alvos desejados para cryptojackers. Essa solução pode ser um único ponto de acesso às redes de várias organizações com todos os servidores e outros dispositivos de computação à sua disposição. Assim, um ataque cibernético pode trazer muitos recursos para cryptojacking para um hacker.

8 práticas que as organizações MSP de segurança cibernética devem usar

Em relação à frequência e ao nível progressivo das ameaças, um MSP deve ter um sistema de cibersegurança confiável e atualizado. os 8 Práticas de segurança cibernética MSP abaixo pode ajudá-lo a reduzir o risco de falhas de proteção.

Comprometimento de credenciais e prevenção de ataques direcionados

Um provedor de serviços gerenciados deve saber que sua infraestrutura estará entre os alvos prioritários para ataques cibernéticos e construir sistemas de segurança de forma adequada. Proteger nós e ferramentas vulneráveis para acesso remoto (por exemplo, redes privadas virtuais) é o primeiro passo para evitar o comprometimento de credenciais e de todo o ambiente como resultado.


Examine o sistema em busca de possíveis vulnerabilidades regularmente, mesmo quando seu software de produção diário e aplicativos da web estiverem online. Além disso, considere definir medidas de proteção padrão para serviços de área de trabalho remota (RDP) conectados à web. É assim que você pode reduzir o impacto de campanhas de phishing, força bruta de senha e outros ataques direcionados.

Higiene cibernética

Promover a higiene cibernética entre funcionários e clientes é uma maneira eficiente, mas frequentemente subestimada, de melhorar a segurança cibernética do MSP. Embora os usuários e até os administradores tendam a presumir que confiar nas medidas usuais de proteção de TI é suficiente, um Relatório de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial afirma que até 2022, 95% de todos os problemas de segurança cibernética envolverão erro humano . Um funcionário ou usuário que simplesmente permanece inconsciente de uma ameaça é a ameaça mais significativa em ambientes digitais.


Garantir que funcionários e clientes saibam quais e-mails não abrir, quais links não clicar e quais credenciais não fornecer, independentemente dos motivos, é uma das medidas de segurança cibernética mais eficientes para qualquer organização, incluindo MSPs. A educação da equipe e a promoção de uma abordagem completa em relação ao ciberespaço entre os clientes exigem muito menos investimento em comparação com outras medidas e soluções de proteção, mas podem aumentar visivelmente o nível de segurança cibernética de uma organização.

Software antimalware e antiransomware

A necessidade de um software especializado que possa impedir que o malware se infiltre no ambiente de TI (e também expulse agentes maliciosos do sistema) pode parecer inevitável. No entanto, as organizações às vezes tendem a adiar a integração de tais soluções em seus sistemas. Isso não é uma opção para um MSP.


Um provedor de serviços gerenciados é a primeira linha de defesa para os clientes, e o software para rastrear malware e ransomware deve ser integrado e atualizado adequadamente em um circuito de segurança cibernética MSP. A licença corporativa para tal software pode ser cara, mas é quando o investimento compensa em dados seguros, disponibilidade de produção estável e reputação limpa entre a comunidade mundial de TI.

Separação de redes

Como qualquer SMB ou organização corporativa, um MSP deve se preocupar com a segurança da rede interna não menos do que com o perímetro externo. Configurar firewalls internos e separar espaços virtuais de departamentos pode exigir tempo e esforço, mas uma rede interna protegida representa um sério desafio para um intruso passar pelas barreiras sem ser detectado. Além disso, mesmo que os firewalls internos não consigam parar um hacker de uma só vez, a detecção precoce de ameaças pode dar à organização mais tempo para reagir e combater com sucesso um ataque cibernético.

Fluxos de trabalho completos de desativação

Para garantir uma produção estável e fornecer desempenho adequado, os MSPs usam soluções de software de terceiros. Sempre que uma solução não for mais necessária devido, por exemplo, a uma otimização do fluxo de trabalho, essa solução desatualizada deve ser devidamente excluída do ambiente de uma organização. Para evitar deixar backdoors não detectados, o processo de offboarding deve ser configurado para eliminar completamente os elementos da solução da infraestrutura.


A mesma recomendação é relevante para as contas de ex-funcionários e clientes. Essa conta não utilizada pode permanecer fora do radar de uma equipe de TI, dando ao hacker espaço adicional para manobrar tanto no planejamento quanto na condução de um ataque cibernético.

Confiança zero e princípio do menor privilégio

Confiança zero e o princípio do menor privilégio (também conhecido como PoLP) são dois métodos de segurança cibernética que um MSP deve aplicar. Ambos os métodos são chamados para limitar o acesso a dados críticos e elementos do sistema tanto quanto possível.


O PoLP prescreve conceder a cada usuário dentro de um ambiente apenas o acesso necessário para realizar bem seu trabalho. Ou seja, deve ser proibido qualquer acesso que possa ser proibido sem prejudicar a eficiência do funcionário ou o conforto do cliente.


O método de confiança zero, por sua vez, é focado na autorização. Aqui, todos os usuários e máquinas devem se autenticar antes de obter acesso a recursos e ações conhecidas. Além disso, a confiança zero pode ajudar a aumentar a eficiência da segmentação da rede.


Esses dois métodos não se excluem ou substituem um ao outro e podem ser usados simultaneamente para aumentar ainda mais a segurança cibernética do MSP.

Autenticação multifator

Hoje em dia, uma senha considerada confiável ainda pode não ser suficiente para proteger contas e dados de acessos não autorizados. Adicionar uma autenticação de dois fatores a uma infraestrutura MSP pode fortalecer a proteção de todo o ambiente, pois apenas a senha não será suficiente para efetuar login.


A autenticação de dois fatores (2FA) exige que o usuário confirme um login com um código SMS ou outra frase de autorização antes de poder acessar sua conta, alterar dados e manipular funções. O código adicional é gerado aleatoriamente no momento do login e tem um período de relevância limitado, tornando-se assim um desafio para um hacker recuperar e usar a tempo.

Monitoramento contínuo de ameaças

As ameaças estão evoluindo para se tornarem mais sofisticadas e romperem as camadas de segurança com mais eficiência. Assim, o monitoramento ativo do ambiente 24 horas por dia, 7 dias por semana, pode ajudá-lo a detectar violações e vulnerabilidades antes que causem falhas incorrigíveis. Com software de monitoramento atualizado, você pode ter mais controle sobre seu ambiente de TI e mais tempo para reagir adequadamente a ataques cibernéticos.

Backup para MSP: sua rede de segurança quando tudo mais falhar

O intenso desenvolvimento ininterrupto de ameaças cibernéticas significa que, mais cedo ou mais tarde, um hacker pode encontrar uma chave para qualquer sistema de segurança. A única solução que pode ajudá-lo a salvar os dados e a infraestrutura da sua organização após um grande incidente de perda de dados é o backup.


Um backup é uma cópia dos dados que são armazenados de forma independente. Caso os dados originais no site principal sejam perdidos após uma violação, um backup pode ser usado para recuperação. A quantidade de dados a gerar, processar e armazenar para garantir o bom funcionamento de uma organização torna os backups manuais e legados inadequados para a realidade do MSP.

Conclusão

Em 2023 e além, os provedores de serviços gerenciados continuarão sendo os alvos desejados para ataques cibernéticos de phishing e tentativas de ataque DoS a infecção por ransomware e cryptojacking.


Para garantir a segurança cibernética do MSP, essas organizações devem:

  • Criar sistemas de proteção trabalhando contra ataques direcionados e malware,
  • Promover a higiene cibernética entre funcionários e clientes,
  • Aplique segmentação de rede, PoLP e monitoramento ininterrupto a todo o ambiente.


Além disso, os MSPs podem considerar a integração da autenticação multifator e fluxos de trabalho completos de desativação para soluções e funcionários. No entanto, um backup MSP funcional é a única maneira sólida de manter o controle sobre os dados de uma organização no caso de um grande incidente de perda de dados.


Também publicado aqui.