O Senhor do Espaço by@astoundingstories
10,368 leituras

O Senhor do Espaço

2022/10/15
38 min
por @astoundingstories 10,368 leituras
tldt arrow
PT
Read on Terminal Reader

Muito longo; Para ler

"No dia da próxima lua cheia, todos os seres vivos da Terra serão eliminados da existência - a menos que você tenha sucesso em sua missão, Lee." Nathaniel Lee olhou para o rosto de Silas Stark, presidente dos Estados Unidos do Mundo, e acenou com a cabeça severamente. "Farei o possível, senhor", respondeu ele.
featured image - O Senhor do Espaço
Astounding Stories HackerNoon profile picture

@astoundingstories

Astounding Stories

Dare to dream. Dare to go where no other has...

Aprender mais
LEARN MORE ABOUT @ASTOUNDINGSTORIES'S EXPERTISE AND PLACE ON THE INTERNET.
react to story with heart

Astounding Stories of Super-Science, agosto de 1930, por Astounding Stories faz parte da série de postagens de blog de livros do HackerNoon. Você pode pular para qualquer capítulo deste livro aqui . VOL. III, No. 2: O Planeta do Pavor VOL. III, nº 2: O Senhor do Espaço

image

O Senhor do Espaço

Por Victor Rousseau

"No dia da próxima lua cheia, todos os seres vivos da Terra serão eliminados da existência - a menos que você tenha sucesso em sua missão, Lee."

Nathaniel Lee olhou para o rosto de Silas Stark, presidente dos Estados Unidos do Mundo, e acenou com a cabeça severamente. "Farei o possível, senhor", respondeu ele.

image

"Você tem os fatos. Sabemos quem é esse autodenominado César Negro, que declarou guerra à humanidade. Ele é um dinamarquês chamado Axelson, cujo pai, condenado à prisão perpétua por resistir à nova ordem mundial, conseguiu obter a posse de um transatlântico interplanetário.

"Ele o encheu com a gangue de homens desesperados que se associaram a ele em sua fuga bem-sucedida da penitenciária. Juntos, eles navegaram para o espaço. Eles desapareceram. Supunha-se que de alguma forma eles encontraram a morte no éter, além do alcance do conhecimento humano.

"Trinta anos se passaram, e então este filho de Axelson, nascido, de acordo com sua própria história, de uma mulher que o meu pai havia persuadido a acompanhá-lo ao espaço, começou a nos comunicar pelo rádio. A princípio pensamos que era algum brincalhão que estava se intrometendo.

image

Era como lutar com algumas criaturas vampíricas em um sonho hediondo.

"Quando nossos eletricistas demonstraram, sem sombra de dúvida, que a voz vinha do espaço sideral, supôs-se que alguém em nossa colônia lunar havia adquirido uma máquina transmissora. Então, as naves que enviamos à colônia lunar em busca de ouro não retornaram. Como você sabe, por sete semanas não houve comunicação com a Lua. E na última lua cheia o golpe caiu.

"O mundo depende de você, Lee. Os raios invisíveis que destruíram todos os seres vivos da China à Austrália - um quinto da raça humana - cairão sobre a costa leste da América quando a lua estiver cheia novamente. Essa foi a essência das repetidas comunicações de Axelson.

"Aguardaremos seu retorno, seja com o arquiinimigo da raça humana como seu prisioneiro, seja com a boa notícia de que a humanidade foi libertada da ameaça que paira sobre ela.

"Deus te abençoe, meu menino!" O Presidente dos Estados Unidos do Mundo agarrou a mão de Nat e desceu a escada que conduzia ao local de aterrissagem da grande nave espacial interplanetária.

O imenso campo de pouso reservado para as naves da Linha Interplanetária estava situado a trezentos metros acima do coração da cidade de Nova York, no condado de Westchester. Era um espaço plano situado no topo de cinco grandes torres, salpicado de areia eletrificada, cujo brilho tinha a propriedade de dispersar as névoas do mar. Ali, repousando sobre o que parecia nada mais do que garras de ferro, a longa forma cinza do voador a vácuo crescia.

Nat espirrou enquanto observava as operações de seus homens, pois o resfriado comum, ou coriza, parecia ser a última das doenças causadas por germes que cederiam à ciência médica, e ele pegou uma grave no Capitol, enquanto ouvia o debate no Senado sobre a ameaça à humanidade. E fazia frio no desembarque, em contraste com o verão perpétuo da cidade com telhado de vidro abaixo.

Mas Nat esqueceu o frio enquanto observava os preparativos para a partida do navio. Gás néon e nitrogênio estavam sendo bombeados sob pressão para a casca externa, onde uma carga minúscula de leucon, o elemento recém-descoberto que ajudava a neutralizar a gravidade, combinava-se com eles para fornecer a energia que ergueria a nave acima das regiões da estratosfera.

Nos prédios baixos que cercavam o palco havia uma cena de tremenda atividade. Os discos de selênio estavam piscando sinais e os receptores de rádio gritavam as últimas notícias; nos grandes painéis de potência, mostradores e sinais de luz se destacavam no brilho dos tubos de amilita. Em um palco giratório a trezentos pés acima do navio, um holofote gigante, visível por mil milhas, movia seu raio de luminosidade deslumbrante através dos céus.

Agora o revestimento externo de aluminita da nave ficou mais brilhante com o brilho vermelho do néon. Outro navio, da China, baixou lentamente para seu palco próximo, e os descarregadores enxamearam os tubos pneumáticos para receber a correspondência. O telerrádio gritava a notícia da quebra da safra de trigo da Manchúria. O oficial chefe de Nat, um cockney baixinho chamado Brent, aproximou-se dele.

"Pronto para começar, senhor", disse ele.

Nat virou-se para ele. "Suas ordens estão claras?"

"Sim senhor."

"Mande Benson aqui."

"Estou aqui, senhor." Benson, o artilheiro encarregado da bateria que compreendia o armamento da embarcação, um Yankee magro de Connecticut, deu um passo à frente.

"Você conhece suas ordens, Benson? Axelson conquistou a Lua e as minas de ouro de lá. Ele está planejando destruir a Terra. Temos que entrar como cães loucos e atirar para matar. Não importa se matarmos todos os seres vivos lá, até mesmo o nosso próprio povo que está preso no assentamento penal da Lua, temos que prestar contas de Axelson."

"Sim senhor."

"Não podemos adivinhar como ele conseguiu aquelas naves de ouro que voltaram com néon e argônio para os colonos lunares. Mas ele não deve nos pegar. Que os homens entendam isso. Isso é tudo."

"Muito bem, senhor."

O telerrádio de repente começou a balbuciar: AAA, chamou. E instantaneamente todos os sons cessaram no palco de pouso. Pois esse foi o chamado de Axelson, em algum lugar na Lua.

"Axelson falando. Na próxima lua cheia, toda a província americana da Federação Mundial será aniquilada, como foi a província chinesa no passado. Não há esperança para vocês, boa gente. Enviem seus forros de vácuo. Posso usar alguns mais deles. Dentro de seis meses, seu mundo estará despovoado, a menos que você me dê o sinal de rendição.

A orgulhosa velha Terra teria que chegar a isso? Diariamente aquelas ameaças sinistras se repetiam, até que os temores populares se tornaram frenéticos. E Nat estava sendo enviado como última esperança. Se ele falhasse, não haveria nada além de se render a este homem, armado com uma superforça que lhe permitia devastar a Terra desde a Lua.

Em uma hora, aqueles raios invisíveis e mortíferos destruíram tudo o que inalava oxigênio e exalava carbono. O raio com o qual o forro estava equipado era um mero brinquedo em comparação. Mataria a menos de 500 milhas, e sua ação era bem diferente.

Como um prelúdio para a rendição da Terra, Axelson exigiu que o presidente mundial Stark e vários outros dignitários partissem para a Lua como reféns. Cada fortaleza de raios do mundo deveria ser desmantelada, cada tesouro deveria enviar seu ouro para ser empilhado em uma grande pirâmide no cais de Nova York. A Terra deveria reconhecer Axelson como seu mestre supremo.

As garras de ferro giravam com um movimento de parafuso, estendendo-se e erguendo lentamente a nave interplanetária até que ela se parecesse com um grande peixe de metal com pernas de metal terminando em discos semelhantes a ventosas. Mas ela já estava flutuando livremente enquanto os motores ronronando suavemente a mantinham em equilíbrio. Nat subiu a pequena escada que levava ao seu convés. Brent aproximou-se dele novamente.

"Aquela mensagem de telerrádio de Axelson..." ele começou.

"Sim?" Nat explodiu.

"Não acredito que tenha vindo da Lua."

"Você não acha? Você acha que é alguém pregando uma farsa na Terra? Você acha que a eliminação da China foi apenas uma piada da Terra?"

"Não senhor." Brent manteve-se firme sob o sarcasmo de seu superior. "Mas eu era operador-chefe de telerrádio em Greenwich antes de ser promovido à Província da América. E o que eles não sabem em Greenwich, não sabem em lugar nenhum."

Brent falava com aquela autoconfiança do cockney nato que nem mesmo os séculos conseguiram remover, embora tivessem removido o sotaque cockney.

"Bem, Brent?"

"Eu estava com o eletricista-chefe na estação de recepção quando Axelson estava transmitindo pelo rádio na semana passada. E notei que as ondas de som estavam sob um leve efeito Doppler. Com a imensa ampliação necessária para transmitir da Lua, tal deflexão pode ser interpretada como uma mera extensão em forma de leque. Mas havia dez vezes a ampliação que se esperaria da Lua; e calculei que essas ondas sonoras foram deslocadas para algum lugar."

"Então qual é a sua teoria, Brent?"

"Esses sons vêm de outro planeta. Em algum lugar da Lua há uma planta interceptadora e retransmissora. Axelson está desviando seus raios para dar a impressão de que está na Lua e para atrair nossas naves para lá."

"O que você aconselha?" perguntou Nath.

"Eu não sei, senhor."

"Nem eu. Defina seu curso em direção à Lua e diga ao Sr. Benson para manter os olhos abertos."

A Colônia da Lua, descoberta em 1976, quando Kramer, de Baltimore, provou pela primeira vez a viabilidade de misturar néon com o novo gás inerte, o leucon, e assim conquistar a gravitação, provou ser exatamente o que se suspeitava ser - um líquido seco, desolação sem ar. No entanto, dentro das profundezas das crateras, uma certa quantidade da antiga atmosfera da Lua ainda permanecia, suficiente para sustentar a vida dos estranhos trogloditas, com enormes caixas pulmonares, que sobreviveram ali, pastando como bestas sobre a vegetação atrofiada e semelhante a aloés.

Meio homem, meio macaco, e muito diferentes de ambos, esses vestígios de uma espécie em um globo em ruínas mostraram-se tratáveis e passíveis de disciplina. Eles se tornaram os trabalhadores do assentamento de condenados que surgiu na Lua.

Para lá foram transportados todos aqueles que se opuseram ao estabelecimento da Federação Mundial, juntamente com todas as pessoas condenadas pela quarta vez por um crime, para supervisionar os esforços desses estúpidos e inumanos habitantes da Lua. Pois havia sido descoberto que as crateras da Lua eram extraordinariamente ricas em ouro, e o ouro ainda era o meio de troca na Terra.

Para complementar a atmosfera vestigial, enormes estações foram instaladas, que extraíam o oxigênio das águas subterrâneas cinco milhas abaixo da crosta lunar e o recombinavam com o nitrogênio com o qual a camada superficial estava impregnada, criando assim uma atmosfera que era bombeada para os trabalhadores.

Então uma descoberta curiosa foi feita. Era impossível para os seres humanos existirem sem a adição daqueles elementos existentes no ar em quantidades mínimas - néon, criptônio e argônio. E as naves que trouxeram as barras de ouro da Lua transportaram esses elementos gasosos para lá.

O zumbido dos dezesseis motores atômicos ficou mais alto e se misturou ao zumbido dos giroscópios. A escada foi puxada e a escotilha selada. Na ponte fechada, Nat acionou o interruptor de bronze duro que liberou o obturador não condutor que acionou os dezesseis grandes ímãs. Rapidamente, o grande navio disparou para a frente no ar. O zumbido dos motores tornou-se um gemido estridente e, então, tornando-se estridente demais para os ouvidos humanos acompanhá-lo, deu lugar ao silêncio.

Nat ajustou a alavanca de velocidade para quinhentas milhas por hora, o máximo possível ao atravessar a atmosfera terrestre, devido à resistência, que tendia a aquecer a nave e danificar os delicados motores atômicos. Assim que o éter fosse alcançado, a velocidade aumentaria para dez ou doze mil. Isso significava uma corrida de vinte e duas horas até a Colônia da Lua - mais ou menos o tempo normalmente gasto.

Ele apertou uma alavanca, que fez sinos tocarem em todas as partes do navio. Por meio de um mecanismo complicado, o ar era exaurido de cada compartimento por vez e depois substituído e, quando os sinos tocavam, os homens que trabalhavam saíam consecutivamente desses compartimentos. Isso foi criado com o propósito de destruir qualquer vida perigosa para o homem que pudesse ter sido importada involuntariamente da Lua, mas em uma ocasião resultou na descoberta de um clandestino.

Então Nat desceu a ponte para o convés superior. Aqui, em uma plataforma, estavam as duas baterias de três canhões de raios cada, montados em articulações e disparando em qualquer direção a bombordo e a estibordo, respectivamente. As armas eram encerradas em uma fina bainha de ósmio, através da qual os raios letais penetravam inalterados; sobre eles, espessos escudos de chumbo protegiam os artilheiros.

Ele conversou com Benson por um tempo. "Não deixe Axelson pular em cima de você", disse ele. "Esteja alerta a cada momento." Os artilheiros, homens de aparência perspicaz, formados na escola de artilharia de Annapolis, sorriram e assentiram. Tinham orgulho de seu ofício e de suas tradições; Nat sentiu que o navio estava seguro em suas mãos.

O imediato apareceu à frente do companheiro, acompanhado de uma moça. "Passageiro clandestino, senhor", relatou ele laconicamente. "Ela caiu do anexo da oficina quando soltamos o ar!"

Nat olhou para ela consternado, e a garota olhou para ele. Ela era uma garota muito bonita, com pouco mais de vinte e dois ou três anos, vestida com um traje profissional que consistia em uma jaqueta de couro, calcinhas e perneiras pretas em espiral que haviam entrado em moda na última década. Ela se adiantou descaradamente.

"Bem, quem é você?" disparou Nat.

"Madge Dawes, do Universal News Syndicate", ela respondeu, rindo.

"O diabo!" murmurou Nat. "Vocês acham que comandam a Federação Mundial desde que elegeram o presidente Stark."

"Com certeza", respondeu a garota, ainda rindo.

"Bem, você não dirige este navio", disse Nat. "Você gostaria de uma longa queda de pára-quedas de volta à Terra?"

"Não seja tolo, meu caro", disse Madge. "Você não sabe que vai ficar com rugas se ficar carrancudo assim? Sorria! Ah, assim está melhor. Agora, honestamente, Capitão, nós apenas tivemos que superar todos os outros ao entrevistar Axelson. Isso significa muito para mim ."

Pouts sucediam sorrisos. "Você não vai ficar zangado com isso, vai?" ela implorou.

"Você percebe o risco que está correndo, jovem?" Nat exigiu. "Você está ciente de que nossas chances de voltar à Terra são menores do que você deveria ter sonhado?"

"Oh, tudo bem", respondeu a garota. "E agora que somos amigos de novo, você se importaria de pedir ao mordomo para me trazer algo para comer? Estou enfiado naquele quarto lá embaixo há quinze horas e estou simplesmente morrendo de fome."

Nat encolheu os ombros desesperadamente. Ele se virou para o imediato. "Leve a Srta. Dawes até o salão e certifique-se de que Wang Ling lhe dê uma boa refeição", ele ordenou. "E colocá-la na cabine do almirante. Isso é bom o suficiente para você?" ele perguntou satiricamente.

"Oh, tudo bem", respondeu a garota com entusiasmo. "E vou contar com você para me manter informado sobre tudo o que está acontecendo. E um pouco mais tarde vou tirar fotos de raio-X de você e de todos esses homens." Ela sorriu para os sorridentes artilheiros. "Essa é a nova moda, você sabe, e vamos oferecer prêmios para os esqueletos mais desenvolvidos da Província Americana, e escolher um Rei e uma Rainha da Beleza!"

"Um rádio, senhor!"

Nat, que havia tirado um breve intervalo de sono, levantou-se quando o homem de plantão lhe entregou a mensagem. A nave esteve constantemente em comunicação com a Terra durante sua viagem, agora quase concluída, mas o temido AAA que precedeu esta mensagem disse a Nat que veio de Axelson.

"Parabéns por sua tentativa", dizia a mensagem, "tenho observado sua carreira com o maior interesse, Lee, por meio de fragmentos de informações que pude captar na Lua. Quando você for meu convidado amanhã, espero poder oferecer-lhe um alto cargo no novo Governo Mundial que estou planejando estabelecer. Eu preciso de bons homens. Fraternalmente, o César Negro."

Nat se virou. Madge Dawes estava atrás dele, tentando ler a mensagem por cima de seu ombro.

"Espionando, hein?" disse Nat amargamente.

"Meu caro, isso não é da minha conta?"

"Bem, leia isso, então", disse Nat, entregando-lhe a mensagem. "É provável que você se arrependa desse seu truque maluco antes de irmos muito mais longe."

E ele apontou para o skiagraph de raios cósmicos da Lua na cúpula de vidro curvo acima. Eles estavam se aproximando do satélite rapidamente. Preenchia toda a cúpula, as crateras grandes depressões negras, as montanhas destacando-se claramente. Abaixo da cúpula estavam o aparelho de rádio que emitia os raios pelos quais o satélite era fotografado cinematograficamente, e o aparelho de direção do giroscópio pelo qual o curso do navio era dirigido.

De repente, uma campainha soou um aviso. Nat saltou para o tubo.

"Interferência gravitacional X40, aberrância giroscópica um minuto 29", ele chamou. "Descarregue a eletricidade estática do casco. Sr. Benson, aguarde."

"O que isso significa?" perguntou Madge.

"Significa que ficarei agradecido se você se abster de falar com o homem nos controles", disparou Nat.

"E o que é isso?" gritou Madge com uma voz mais estridente, apontando para cima.

Uma cruz na superfície padronizada da Lua, mostrada no skiagraph, uma forma preta em forma de charuto estava passando. Parecia um dos dirigíveis antiquados, e a velocidade com que se movia era evidente pelo fato de estar perceptivelmente atravessando a superfície da Lua. Talvez estivesse viajando a uma velocidade de oitenta mil milhas por hora.

Brent, o oficial chefe, explodiu o companheiro. Seu rosto estava lívido.

"Nave negra se aproximando de nós da Lua, senhor", ele gaguejou. "Benson está treinando suas armas, mas deve estar a vinte mil milhas de distância."

"Sim, nem mesmo nossas armas de raios disparam a essa distância", respondeu Nat. "Diga a Benson para manter suas armas apontadas o melhor que puder e abrir fogo contra quinhentos."

Brent desapareceu. Madge e Nat estavam sozinhos na ponte. Nat gritava ordens incompreensíveis pelo tubo. Ele parou e olhou para cima. A sombra da nave que se aproximava cruzou o disco lunar e desapareceu.

"Bem, mocinha, acho que seu ganso está cozido", disse Nat. — Se não me engano, aquele navio é de Axelson, e ele está a caminho para nos levar para o oeste. E agora, faça-me o favor de sair da ponte.

"Eu acho que ele é um personagem perfeitamente encantador, a julgar pela mensagem que ele enviou a você", respondeu Madge, "e..."

Brent apareceu novamente. "A triangulação indica dez mil milhas, senhor", informou a Nat.

"Assuma o controle", disse Nat. "Mantenha-se no curso giroscópico, permitindo aberrância, e vá para a Cratera de Pytho. Eu assumirei o comando dos canhões." Ele apressou o companheiro, com Madge em seus calcanhares.

Os artilheiros ficaram ao lado das armas de raios, três em cada. Benson empoleirado em um banquinho giratório acima das baterias. Ele estava observando um instrumento periscópico que se conectava com a cúpula da ponte por meio de um tubo, um espelho plano à sua frente mostrando todos os pontos cardeais. Em uma borda, a sombra do navio negro avançava lentamente.

"Oito mil milhas, senhor", disse ele a Nat. "Mil é o nosso alcance extremo. E parece que ela está indo para o nosso ponto cego acima."

Nat foi até o tubo de fala. "Tente bater nela", ele gritou para Brent. "Vamos abrir com todas as armas, apontando para a frente."

"Muito bem, senhor", respondeu o cockney.

A sombra negra estava agora quase no centro do espelho. Moveu-se para cima, desapareceu. De repente, os motores atômicos começaram a chiar novamente. O chiado tornou-se um gemido, um zumbido.

"Caímos para duas mil milhas por hora, senhor", disse Brent.

Nat saltou para o companheiro. Ao chegar ao topo, ouviu o aparelho de telerrádio na sala sem fio acima começar a tagarelar:

"AAA. Não tente interferir. Estou levando você para a Cratera de Pytho. Devo renovar minha oferta lá. Qualquer resistência será fatal. Axelson."

E de repente o zumbido dos motores voltou a ser um gemido, depois o silêncio. Nat olhou para o painel de instrumentos e soltou um grito.

"Qual é o problema?" perguntou Madge.

Nat se virou para ela. "A matéria?" ele berrou. "Ele neutralizou nossos motores por algum meio infernal próprio e está nos rebocando para a Lua!"

A enorme esfera da Lua há muito cobria toda a cúpula. A enorme Cratera de Pytho agora a preenchia, uma depressão negra a oitenta quilômetros de diâmetro, na qual eles estavam gradualmente se acomodando. E, ao se acomodarem, a pálida luz da Terra, branca como a da Lua na Terra, mostrou as massas magras de rocha nua, nas quais nada crescia, e as longas estalactites de lava vítrea que pendiam delas.

Então, das profundezas abaixo, emergiu a forma sombria do cais.

"Você está prestes a pousar", tagarelava o rádio. "Não tente nenhum truque; eles serão inúteis. Acima de tudo, não tente usar seu raio insignificante. Você é indefeso."

O navio estava quase parado. Podiam-se ver pequenas figuras fervilhando no cais, prontas para ajustar as garras de ferro para prender o casco. Com um gesto de impotência, Nat deixou a ponte e desceu para o convés principal onde, obedecendo às suas ordens, toda a tripulação estava reunida.

"Homens, estou colocando isso para vocês", disse ele. "Axelson, o César Negro, nos aconselha a não tentar usar as armas de raios. Não vou mandar. Vou deixar a decisão com você."

"Tentamos quinze minutos atrás, senhor", respondeu Benson. "Eu disse a Larrigan para disparar o canhão de popa de estibordo para ver se estava funcionando bem, e não estava!"

Nesse momento, a vasilha pousou com um leve abalo nas pinças. Mais uma vez o telerrádio começou a gritar:

"Abra o porão de bombordo e saia lentamente. Resistência é inútil. Eu deveria virar meu raio sobre você e destruí-lo imediatamente. Reúna-se no palco de pouso e espere por mim!"

"É melhor você obedecer", Nat disse a seus homens. "Temos um passageiro a considerar." Ele olhou para Madge enquanto falava, e o sorriso de Madge estava um pouco mais trêmulo do que antes.

"Esta é a experiência mais emocionante da minha vida, capitão Lee", disse ela. "E eu nunca vou descansar até que eu tenha uma fotografia de raio-X do esqueleto do Sr. Axelson para o Universal News Syndicate."

Um por um, finalmente, a tripulação desceu a escada para o palco de pouso, ofegando e sufocando no ar rarefeito que jazia como um cobertor no fundo da cratera. E a razão para isso ficou muito aparente para Nat assim que ele estava no palco.

Acima, a uma altitude de cerca de uma milha, o navio negro pairava, e de sua proa um holofote estupendo brincava de um lado para o outro sobre o fundo da cratera, tornando-o tão claro quanto o dia. E onde estivera o maquinário de mineração, os grandes prédios que haviam abrigado os condenados e o povo da Lua, e o enorme edifício que continha a estação de bombeamento, não havia... nada.

O diabólico raio de Axelson não apenas os destruiu, como também apagou todos os vestígios deles, e a tripulação do transatlântico estavam respirando os restos da atmosfera que ainda estava no fundo da Cratera de Pytho.

Mas ao lado das plataformas gêmeas, construídas pela Federação Mundial, surgiu outro edifício, com a frente aberta. E aquela frente era um enorme espelho, agora cintilante sob o holofote da nave negra.

"É isso, senhor!" gritou Brent.

"Isso é o que?" disparou Nat.

"O espelho defletor de que eu estava falando. Foi o que desviou o raio que varreu a China. O raio não veio da Lua. E esse é o espelho que desvia as ondas de telerrádio, os raios super-hertzianos que carregam o som."

Nath não respondeu. Desgostoso com o fracasso de sua missão, ele observava o enxame de homens lunares que trabalhavam na plataforma de pouso, girando os grampos de aço e regulando o mecanismo que controlava o aparelho. Criaturas anãs e simiescas, com membros minúsculos e peitos que se projetavam como barris, eles se agitavam, tagarelando em vozes estridentes que pareciam o pio de pássaros.

Era evidente que Axelson, embora tivesse eliminado os condenados da Lua e o povo da Lua na cratera, reservou vários deles para uso pessoal.

A nave negra estava caindo em sua posição no segundo estágio de pouso, conectado ao primeiro por uma ponte curta. O porão de estibordo se abriu e uma fila de formas cobertas e encapuzadas apareceu, homens mascarados, respirando ar condensado de receptáculos em seus peitos e olhando com olhos esbugalhados para seus cativos. Cada um segurava na mão um tubo letal contendo o raio e, como que por ordem, tomavam posição em torno de seus prisioneiros.

Então, a um sinal de seu líder, eles repentinamente tiraram suas máscaras.

Nat olhou para eles com espanto. Ele não sabia se estes seriam habitantes da Terra ou habitantes de algum outro planeta. Mas eles eram homens da Terra. E eles eram velhos.

Homens de sessenta ou setenta anos, com longas barbas grisalhas e rostos enrugados, e olhos que olhavam por baixo de coberturas de sobrancelhas desgrenhadas. Rostos nos quais estavam impressos o desespero e a desesperança.

Então o primeiro homem tirou a máscara e Nat viu um homem de caráter diferente.

Um homem no auge da vida, com uma massa de cabelo preto como azeviche e uma barba preta que chegava à cintura, um nariz de falcão e um par de olhos azuis escuros que se fixaram nos de Nat com um olhar de orgulho luciferiano.

"Bem-vindo, Nathaniel Lee", disse o homem, em um tom profundo que tinha um sotaque curioso que Nat não conseguiu identificar. "Eu deveria saber o seu nome, já que seus telerrádios na Terra o gritam há três dias como o do homem que deve salvar a Terra da ameaça de destruição. E você me conhece!"

"Axelson, o César Negro," Nat murmurou. No momento, ele foi pego de surpresa. Ele havia antecipado qualquer tipo de pessoa, exceto este homem, que se levantava, parecia e falava como um viking, esta encarnação de orgulho e força.

Axelson sorriu - e então seus olhos pousaram sobre Madge Dawes. E por um momento ele ficou como se petrificado em um bloco de granito maciço.

"O que... quem é esse?" ele rosnou.

"Ora, sou Madge Dawes, do Universal News Syndicate", respondeu a garota, sorrindo para Axelson com seu jeito irreprimível. "E eu tenho certeza que você não é um pirata tão ousado e mau como as pessoas pensam, e você vai deixar todos nós irmos livres."

Instantaneamente Axelson pareceu se transformar em um maníaco. Ele se virou para os velhos e gritou em alguma linguagem incompreensível. Nat e Madge, Brent e Benson e dois outros que usavam uniformes de oficiais foram apreendidos e arrastados pela ponte até o cais onde o navio negro estava atracado. O resto da tripulação foi ordenado em uma linha dupla.

E então o massacre começou.

Antes que Nat pudesse lutar para se livrar dos tagarelas homens da Lua a quem ele e os outros prisioneiros haviam sido consignados, a velha tripulação do Black Caesar havia começado seu trabalho de destruição quase instantânea.

Raios de luz vermelha e roxa dispararam das pistolas de raio que eles carregavam, e diante deles a tripulação do transatlântico simplesmente murchou e desapareceu. Tornaram-se meras massas de destroços humanos empilhados no cais, e sobre essas massas também os velhos viraram seus implementos, até que apenas alguns montes de carvão carbonizado permaneceram no cais, impalpáveis como papel queimado, e lentamente subindo na baixa pressão atmosférica até que flutuassem sobre a cratera.

Nat gritou de horror com a visão e tentou se livrar das garras dos anões da lua que o seguravam. Assim como o resto. Nunca a luta foi tão inútil. Apesar de seus braços e pernas curtos, os anões da Lua os seguravam em um aperto inabalável, tagarelando e guinchando enquanto os comprimiam contra seus peitos em forma de barril até que a respiração fosse quase expelida de seus corpos.

"Diabo!" gritou Nat furiosamente, quando Axelson se aproximou dele. "Por que você não nos mata também?" E ele lançou insultos furiosos e abusos contra ele, na esperança de incitá-lo a dar o mesmo fim comparativamente impiedoso a seus prisioneiros.

Axelson olhou para ele calmamente, mas não respondeu. Ele olhou para Madge novamente, e suas feições estavam convulsionadas por alguma emoção que lhe dava o aspecto de um demônio. E só então Nat percebeu que era Madge a responsável pela loucura do Black Caesar.

Axelson falou novamente, e os prisioneiros foram empurrados escada acima e embarcados na embarcação negra.

"O Kommandant-Kommissar vai vê-lo!" A porta de sua prisão se abriu, deixando entrar um feixe de luz e revelando um dos barbas grisalhas, que estava ali, apontando para Nat.

"A WHO?" Nat exigiu.

"O Kommandant-Kommissar, camarada Axelson", rosnou o barba grisalha.

Nat sabia o que aquele estranho jargão significava. Ele havia lido livros sobre a seita política conhecida como socialistas que floresceu nos séculos XIX e XX e, de fato, ainda não foi extinta em todos os lugares. E com isso um lampejo de intuição explicou a presença desses velhos a bordo.

Esses eram os homens que haviam sido presos na juventude, com o pai de Axelson, e haviam escapado e feito o seu caminho para o espaço, e supostamente mortos há muito tempo. Em algum lugar eles devem ter sobrevivido.

E lá estavam eles, falando um jargão de gerações passadas, e ignorando que o mundo havia mudado, relíquias do passado, mortos como a lua morta de onde a nave negra voava pelo éter.

"Não vá, capitão", implorou Madge. "Diga a ele que iremos todos juntos."

Nath balançou a cabeça. "Talvez eu consiga fazer um acordo com ele", respondeu ele, e saiu para o convés do navio.

O barba grisalha bateu a porta e riu selvagemente. "Você não fará acordos com o César Negro", disse ele. "Este é o reinado do proletariado. Os burgueses devem morrer! Assim decretou Lênin!"

Mas ele parou de repente e passou a mão na testa como quem acorda de um sonho.

"Certamente o proletariado já triunfou na terra?" ele perguntou. "Muito tempo se passou e diariamente esperamos a convocação para retornar e estabelecer a nova ordem mundial. Que ano é este? Não é 2017? É tão difícil contar com Eros."

"Em Eros?" pensou Nat. "Este é o ano de 2044", respondeu ele. "Você tenho sonhado, meu amigo. Nós tivemos nossa nova ordem mundial, e não é nem um pouco como o que você e seus amigos esperavam."

"Gott!" gritou o velho. "Gott, você está mentindo para mim, burguês! Você está mentindo, eu te digo!"

Então Eros era o destino deles! Eros, um dos asteróides, aqueles minúsculos fragmentos de um planeta quebrado, situado fora da órbita de Marte. Alguns desses pequenos mundos, dos quais se sabe que existem mais de mil, não são maiores do que a propriedade rural de um cavalheiro; alguns são meras rochas no espaço. Eros, Nat sabia, se distinguia entre eles pelo fato de ter uma órbita excêntrica, que às vezes o aproximava mais da Terra do que qualquer outro corpo celeste, exceto a Lua.

Também que só era conhecido há trinta anos, e que deveria ser um planeta duplo, tendo um companheiro sombrio.

Isso estava na mente de Nat enquanto ele subia a ponte para onde Axelson estava nos controles, com um dos barbas grisalhas ao lado dele. A porta de seu camarote estava aberta e, de repente, saiu de lá um dos objetos mais bestiais que Nat já vira.

Era uma mulher da Lua, uma figura anã, vestida com uma vestimenta disforme de celulose fiada, e em seus braços ela segurava um bebê lunar de cabeça pesada, cujo enorme peito se erguia como uma pirâmide, enquanto os minúsculos braços e pernas pendiam para baixo. .

"Aqui está o burguês, Comandante", disse o captor de Nat.

Axelson olhou para Nat, olhos se encontrando em um olhar lento. Então ele cedeu os controles para o barba grisalho ao lado dele, e fez um gesto para que Nat o precedesse na cabine.

Nath entrou. Era um quarto comum, muito parecido com o do capitão do transatlântico agora encalhado na Lua. Havia um beliche, cadeiras, uma escrivaninha e um receptor de rádio.

Axelson fechou a porta. Ele tentou falar e não conseguiu dominar sua emoção. Finalmente ele disse:

"Estou preparado para lhe oferecer condições, Nathaniel Lee, de acordo com minha promessa."

"Não vou fazer acordo com assassinos", respondeu Nat amargamente.

Axelson ficou olhando para ele. Seu grande peito subia e descia. De repente, ele estendeu a mão enorme e deu um tapinha no ombro de Nat.

"Homens sábios", disse ele, "reconhecem os fatos. Dentro de três semanas serei o governante indiscutível da Terra. Seja de um deserto ou de uma população submissa e submissa, cabe aos homens da Terra. Nunca estive na Terra , pois nasci em Eros. Minha mãe morreu no meu nascimento. Nunca vi outra mulher humana até hoje.

Nat olhou para ele, tentando seguir o que se passava na mente de Axelson.

"Meu pai fugiu para Eros, um pequeno planeta de dezessete milhas de diâmetro, como descobrimos. Ele o chamou de paraíso celestial. Era sua intenção fundar ali uma colônia daqueles que estavam em rebelião contra os tiranos da Terra.

"Seus seguidores viajaram para a Lua e trouxeram mulheres lunares para esposas. Mas não houve filhos dessas uniões. Mais tarde houve dissensões e guerra civil. Três quartos da colônia morreram em batalha uns com os outros.

"Eu era um homem jovem. Tomei as rédeas do poder. Os sobreviventes - esses velhos - estavam desiludidos e dóceis. Tornei-me absoluto. Trouxe homens e mulheres da Lua para Eros para nos servir como escravos. Mas em poucos anos terá morrido o último dos antigos compatriotas de meu pai, e assim foi concebido conquistar a Terra e ter homens que me obedecessem.Há quinze anos venho experimentando e construindo aparelhos, com os quais agora tenho a Terra à minha mercê.

"Mas precisarei de ajuda, homens inteligentes que me obedecerão e me ajudarão em meus planos. É por isso que salvei você e os outros oficiais de suas linhas de éter. Se você se juntar a mim, você terá o posto mais alto da Terra abaixo de mim, Nathaniel Lee, e os outros estarão abaixo de você."

Axelson fez uma pausa e, embora odiasse o homem, Nat estava consciente de um sentimento de pena por ele que não conseguia controlar. Ele viu sua vida solitária em Eros, cercado por aqueles humanos fantasmas do passado, e entendeu seu desejo de governar a Terra - ele o exilado planetário, o único ser humano de todo o sistema planetário fora da Terra, talvez, exceto por sua companhia cada vez menor. de homens idosos.

“Hoje, Nathaniel Lee,” Axelson continuou, “minha vida foi reformulada em um novo molde quando vi a mulher que você trouxe com você. Eu não sabia antes que as mulheres eram bonitas de se olhar. que criaturas como ela existiam. Ela deve ser minha, Nathaniel Lee.

"Mas isso é irrelevante. Qual é a sua resposta à minha oferta?"

Nat estava tentando pensar, embora a paixão distorcesse as imagens mentais à medida que surgiam em seu cérebro. Para Axelson era evidentemente incompreensível que houvesse qualquer objeção a ele levar Madge. Nat percebeu que deveria contemporizar pelo bem de Madge.

"Vou ter que consultar meus companheiros", respondeu ele.

"Claro", respondeu Axelson. "Isso é razoável. Diga-lhes que, a menos que concordem em se juntar a mim, será necessário que morram. Os homens da Terra se importam com a morte? Nós a odiamos em Eros, e os homens da Lua também a odeiam, embora tenham uma lenda estranha. que algo na forma de um homem invisível ressurge de suas cinzas. Meu pai me disse que essa superstição também existia na Terra em seu tempo. Vá falar com seus companheiros, Nathaniel Lee.

A voz do César Negro era quase amigável. Ele deu um tapinha no ombro de Nat novamente e chamou o barba grisalha para conduzi-lo de volta à prisão.

"Oh, capitão Lee, estou tão feliz que você voltou!" exclamou Madge. "Tivemos medo por você. Ele é um homem tão terrível, esse César Negro?"

Nat zombou, então sorriu malevolamente. "Bem, ele não é exatamente a idéia antiquada de um professor de escola dominical", respondeu ele. Claro que ele não poderia contar à garota sobre a proposta de Axelson.

O pequeno grupo de prisioneiros ficou no convés superior do navio negro e observou os homens da Lua correndo pelo cais enquanto ela pairava em sua posição.

O pai de Axelson não se enganou ao chamar o minúsculo planeta Eros de paraíso celestial, pois nenhum outro termo poderia descrevê-lo.

Eles estavam em uma atmosfera tão semelhante à da Terra que podiam respirar com total liberdade, mas parecia haver uma leveza e um vigor em seus membros que indicavam que o ar estava sobrecarregado com oxigênio ou ozônio. A presença disso em grandes quantidades era indicada pelo intenso azul do céu, através do qual flutuavam nuvens lanosas.

E naquele céu o que parecia ser sessenta luas circulavam com extraordinária rapidez. De trinta a quarenta luas cheias, de todos os tamanhos, de um sol a um planeta brilhante, e cavalgando preto contra o azul.

O sol, pouco menor do que quando visto da Terra, brilhava no zênite, e a Terra e Marte pairavam no leste e no norte, respectivamente, cada um como um sol vermelho-sangue.

As luas eram alguns dos milhares de outros asteróides, tecendo seus padrões rendados entre si. Mas, por mais estupenda que fosse a visão, foi para a cena terrestre que a comitiva voltou os olhos quando a nave negra pousou.

Um mar azul-safira banhava areias prateadas e se desfazia em suaves linhas de espuma. À beira d'água estendia-se um gramado do mais brilhante verde, e atrás este braço de mar se estendia no que parecia ser uma floresta tropical. A maioria das árvores eram parecidas com palmeiras, mas se elevavam a alturas imensas, sua folhagem balançando com uma brisa suave. Aparentemente não havia elevações e, no entanto, a pequena esfera era tão pequena que a curva ascendente dava a ilusão de alturas distantes, enquanto o horizonte, em vez de parecer subir, parecia perfeitamente plano, produzindo uma sensação extraordinária de insegurança.

Perto da beira da água, uma mansão palaciana, construída com troncos talhados e de um único andar, ficava em um jardim de flores brilhantes. Mais perto, além do alto cais, ficavam as grandes obras de construção naval, e perto delas um espelho imenso e ligeiramente côncavo refletia a luz do sol.

"O raio da morte!" sussurrou Brent para Nat.

Axelson veio para a festa quando o navio se acalmou. "Bem-vindo a Eros", disse ele cordialmente. "Meu pai me disse que em alguma língua da Terra esse nome significava 'amor'."

Nunca, talvez, um banquete tenha sido tão estranho como aquele com o qual Axelson entreteve seus convidados naquele dia. Homens anões da Lua distribuíam iguarias e uma espécie de vinho de palma no grande salão de banquetes, que se assemelhava singularmente a um daqueles interiores do início do século XX exibidos em museus. Apenas a presença de uma dúzia de guardas idosos, armados com bastões de raios, emprestava uma severidade à cena.

Madge sentou-se à direita de Axelson e Nat à esquerda. A despreocupação da moça a abandonara; seu rosto ficou tenso quando os motivos de Axelson - que Nat não ousara revelar a ela - revelaram-se em suas maneiras.

Certa vez, quando ele encostou o dedo por um momento em seu pescoço branco, ela se assustou e, por um momento, pareceu que a tempestade que se aproximava iria começar.

Pois Nat havia conversado com seus homens, e todos concordaram que não se tornariam traidores, embora pretendessem contemporizar o máximo possível, na esperança de pegar o César Negro desprevenido.

Então, lentamente, um crepúsculo sombrio começou a cair e Axelson se levantou.

"Vamos caminhar nos jardins durante o reinado de Erebos", disse ele.

"Érebo?" perguntou Nath.

"O mundo negro que nos ofusca a cada período de sono", respondeu Axelson.

Nat sabia o que ele queria dizer. O companheiro sombrio de Eros gira em torno dele a cada seis horas; o dia de Eros, portanto, nunca teria mais de seis horas, isso sem contar a revolução de Eros em torno do sol. Mas, devido ao seu pequeno tamanho, era provável que estivesse banhado por um sol quase perpétuo.

O doce aroma das flores, muito mais forte do que qualquer flor da terra, enchia o ar. Atravessaram o gramado verde e entraram em uma trilha na selva, com bambus e plantas rasteiras de ambos os lados e enormes palmeiras. Atrás deles vinham os guardas com seus bastões de raios.

Um lago do mais profundo negro se revelou. De repente, Madge soltou um grito e se agarrou a Nat. "Olhe olhe!" ela chorou. "É horrível!"

De repente, Nat percebeu que o lago estava repleto de monstros. Eles tinham a forma de um crocodilo, mas tinham o dobro do tamanho do maior crocodilo, e se espalhavam um sobre o outro na parte rasa ao lado da margem. À medida que o grupo se aproximava, um enorme monstro começou a caminhar bamboleando em suas patas com garras na direção deles.

Uma boca com metade do comprimento da criatura se abriu, revelando uma língua arroxeada e presas horríveis. Madge gritou novamente.

"Ah, então o medo também existe na Terra?" perguntou Axelson brandamente. "Isso torna minha conquista certa. Eu suspeitava, mas não tinha certeza de que a ciência não a havia conquistado. Mas não há motivo para medo. Um campo magnético nos protege. Veja!"

Para o monstro bamboleante de repente parou como se puxado abruptamente pelas barras de uma jaula e recuou.

Axelson virou-se e ofegou na língua da lua — se é que a tagarelice dos anões poderia ser chamada de fala — e um dos guardas respondeu.

"Esses habitantes primitivos de Eros eu preservei", disse Axelson, "como um meio de disciplina. Os animais lunares têm medo deles. Eu mantenho um estoque daqueles que transgrediram minhas leis para alimentá-los. Veja!"

Ele se virou e apontou. Dois guardas traziam consigo um homem da Lua que gritava, gritava e lutava. Apesar de sua força, ele parecia incapaz de oferecer qualquer resistência, mas todo o seu corpo tremia e seu rosto hediondo estava contorcido pela agonia do terror.

A uma distância de cerca de quinze metros, eles desviaram-se para um pequeno atalho através da selva, reaparecendo perto do lago em uma plataforma elevada. E o que aconteceu a seguir foi tão rápido que Nat não pôde fazer nada para evitar.

Os guardas desapareceram; o homem da lua, como se impulsionado por alguma força invisível, avançou aos solavancos até a beira do lago. Instantaneamente, um dos sáurios o agarrou em suas mandíbulas, e outro arrancou metade do corpo, e toda a massa lutando e se contorcendo desapareceu nas profundezas.

E de longe veio o canto estridente dos homens da Lua, como se fosse uma invocação a alguma divindade hedionda.

E, movendo-se perceptivelmente, a enorme orbe negra do satélite escuro de Eros rastejou sobre o céu, cobrindo-o completamente.

Axelson deu um passo à frente para onde Nat estava, apoiando Madge em seus braços. A menina desmaiou de horror na cena.

"Sua resposta Nathaniel Lee," ele disse suavemente. "Eu sei que você tem adiado a decisão. Agora vou levar a garota, e você deve me dar sua resposta. Você e esses homens vão se juntar a mim ou vão morrer como o homem da Lua morreu?" Ele falava ofegante, como se ele, como Nat, estivesse resfriado.

E ele colocou o braço em torno de Madge.

No momento seguinte, algo aconteceu com ele que nunca havia acontecido em sua vida antes. O Black Caesar caiu com um golpe bem direcionado na mandíbula.

Ele se levantou de um salto, tremendo de fúria, e gritou uma ordem. Instantaneamente, os velhos guardas se lançaram para a frente. E atrás deles uma horda de homens da lua veio, caminhando.

Enquanto os guardas cobriam seus prisioneiros com seus bastões de raios, dois homens da Lua agarraram cada um deles, aprisionando-os em suas garras inquebráveis.

Axelson apontou para cima. "Quando o reinado de Erebos terminar", disse ele, "você se tornará alimento para os habitantes do lago, a menos que tenha concordado em me servir."

E ele ergueu Madge em seus braços, rindo enquanto a garota lutava e lutava para resistir a ele.

"Mada!" gritou Nat, tentando correr em sua direção.

Tão furiosas foram suas lutas que por um momento ele conseguiu se livrar das garras dos homens lunares. Então ele foi pego novamente e, lutando desesperadamente, foi levado pelos anões através das sombras.

Atravessaram a margem do lago até que uma pequena construção de pedra se revelou. Nat e os outros foram empurrados para dentro na escuridão total. A porta bateu; em vão eles se lançaram contra ela. Era de madeira, mas tão sólida quanto a própria pedra, e não cedeu um centímetro por toda a luta.

"Onde está o seu Comandante?" O sussurro parecia na própria cabana de pedra. — Seu Nathaniel Lee. Preciso falar com ele. Sou o guarda que o trouxe até o Black Caesar a bordo do navio.

"Estou aqui", disse Nat. "Onde você está?"

"Estou na casa da arraia. Estou de guarda lá. Estou falando no telefone que vai apenas para onde você está. Você pode falar em qualquer lugar da cabana e eu o ouvirei."

"Bem, o que você quer?" perguntou Nath.

"Você ama a mulher da Terra. Lembro-me, quando eu era menino, costumávamos nos amar. Eu tinha esquecido. Havia uma garota em Stamford... Diga-me, é verdade que este é o ano de 2044 e que o proletariado ainda não triunfou?"

"É verdade", disse Nat. "Esses sonhos acabaram. Estamos orgulhosos da Federação Mundial. Conte-me sobre Madge Dawes, a mulher da Terra. Ela está segura?"

"Ele a levou para sua casa. Eu não acho que ela foi ferida. Ele está doente. Ele está sendo vigiado de perto. Há rumores em andamento. Eu não sei."

"O que voce quer entao?"

"Se o César Negro morrer, você me levará de volta à Terra novamente? Anseio pela velha vida na Terra. Serei seu escravo, se ao menos puder colocar os pés na Terra antes de morrer."

"Você pode nos resgatar?" Nat prendeu a respiração.

"Os homens da Lua estão de guarda."

"Eles não têm armas de raios e você tem."

"A penalidade seria terrível. Eu deveria ser jogado aos monstros."

"Você pode conseguir uma arma de raios para cada um de nós? Você arriscaria, para voltar para a Terra?" perguntou Nath.

Uma pausa. Então, "Meu amigo, estou indo."

Nat ouviu Benson sussurrar em seu ouvido: "Se pudermos surpreendê-los, podemos tomar posse do navio negro e voltar."

"Precisamos pegar Madge Dawes."

"E quebrar o espelho", interveio Brent.

Depois disso, não havia nada a fazer a não ser esperar.

A porta se abriu. Uma forma indistinta estava na entrada. Já estava amanhecendo; o satélite escuro que eclipsava Eros estava passando.

"Silêncio! Trouxe bastões de raios!" Era o velho com quem Nat havia falado no barco. Sob o braço ele segurava cinco hastes metálicas, com pontas de vidro luminoso. Ele entregou um para cada um dos prisioneiros. "Você sabe como usá-los?" ele perguntou.

Nat examinou o dele. "É uma vara de estilo antigo que foi usada na Terra cinquenta anos atrás", disse ele a seus homens. "Eu os vi em museus. Começou a ser usado na Segunda Guerra Mundial de 1950 ou por aí. Você abre a trava de segurança e aperta este botão, mirando como se faz com uma pistola. Vocês já viram pistolas?"

"Meu pai tinha um antigo", disse o imediato, Barnes.

"Quantas vezes eles podem ser disparados sem recarregar?" Nat perguntou à velha guarda.

"Dez vezes; às vezes mais; e todos foram carregados ontem."

"Leve-nos para onde Axelson está."

"Primeiro você deve destruir os guardas. Mandei o de plantão aqui embora com algum pretexto. Mas os outros podem estar aqui a qualquer momento. Fale mais baixo. Você vai matá-los?"

"Devemos", disse Nat.

O velho começou a soluçar. "Fomos companheiros juntos. Eles nos agarraram e nos prenderam juntos, os capitalistas, anos atrás. Eu pensei que o proletariado teria vencido, e você diz que é tudo diferente. Eu sou um homem velho e a vida é triste e estranha."

"Ouça. Axelson está em casa?" exigiu Nat.

"Ele está em seu quarto secreto. Não sei o caminho. Nenhum de nós jamais entrou nele."

- E Madge?

"Ela estava com ele. Não sei de mais nada." Ele caiu, gemendo, quebrado.

Nat passou por ele. A luz crescia rapidamente agora. Um raio de sol disparou por baixo da borda da esfera escura acima, que ainda preenchia quase todo o céu. Naquele momento, o rosto hediondo e o corpo atarracado de um dos homens da Lua surgiram no final do caminho. A criatura parou, balbuciando de surpresa, e então correu para frente, miando como um gato.

Nat apontou seu bastão de raios e apertou o botão. O raio de luz, não exatamente direcionado, na excitação de Nat, cortou um lado do rosto do homem da lua.

A criatura balançou onde estava, levantou a voz em um guincho e correu para frente novamente, agitando os braços. E desta vez Nat chegou em casa. A faixa passou direto pelo corpo do monstro, que desabou em uma pilha de carbono calcinado.

Mas seu guincho trouxe os outros anões correndo para a cena. Em um momento o caminho foi bloqueado por um grupo de monstros hediondos, que, percebendo o que estava acontecendo, avançaram em um bando de gritos.

Os bastões de raios riscaram sua mensagem de morte no meio deles. No entanto, a corrida foi tão feroz que algumas peças chegaram em casa. Braços, pernas e peitos de barril, metades de homens, cobrindo os cinco com aquele impalpável pó preto em que seus corpos se dissolviam. Nat lembrou-se depois do horror de um rosto sorridente, aparentemente solto no ar, e um braço agitado que açoitava seu peito.

Por quinze segundos, talvez, foi como lutar com algumas criaturas vampíricas em um sonho hediondo. E então, quando parecia a Nat que estava enlouquecendo, ele encontrou o caminho livre, e os restos amontoados dos homens da Lua se amontoaram ao seu redor por todos os lados.

Ele esvaziou mais dois raios na massa contorcida e a viu parar de tremer e então se dissolver no pó preto. Ele se virou e olhou para seus companheiros. Eles também mostraram o horror da tensão que sofreram.

"Devemos matar os guardas agora", Nat ofegou. "E então encontre Madge e salve-a."

"Estamos com você", respondeu Brent, e juntos os cinco correram para a luz do sol e ao ar livre.

Não havia guardas de plantão na entrada da casa e a porta estava escancarada. Nat correu pela porta à frente de seus homens. Um único guarda estava no corredor, mas ele apenas ergueu os olhos quando eles entraram. E era evidente que ele não estava em condições de resistir, pois estava acometido de alguma doença terrível.

Suas feições estavam tão inchadas que eram quase irreconhecíveis, e respirações roucas e ofegantes saíam de seus pulmões. Ele estava tão longe que mal registrou surpresa com o advento dos cinco.

"Onde está Axelson?" exigiu Nat.

O guarda apontou para o final do corredor e deixou cair o braço. Nat conduziu seus homens ao longo da passagem semi-escura.

No final do corredor, mais dois guardas estavam de plantão, mas um caiu no chão, aparentemente inconsciente, e o outro, fazendo uma débil tentativa de sacar sua vara de raios, desfez-se em cinzas quando Brent atirou. Os cinco irromperam pela porta.

Eles se encontraram no salão de banquetes. Os restos da refeição ainda estavam sobre a mesa, e três homens da Lua, parecendo envenenados, contorciam-se no chão. No final do corredor havia outra porta.

Este dava para um corredor central, com uma porta em cada um dos quatro lados, e um raio de sol entrando pelo teto de cristal. Os cinco pararam, perplexos. Então, de repente, a voz de Axelson quebrou o silêncio - sua voz mudou quase irreconhecível, rouca, quebrada e ofegante:

"Experimente as portas, Nathaniel Lee. Experimente cada porta por sua vez, e então volte. E saiba que em um instante eu posso explodi-lo em nada onde você estiver!"

E de repente veio a voz de Madge: "Ele não pode! Ele não pode, Nat. Ele está morrendo, e ele sabe disso. Eu não vou deixar, e ele não tem forças para se mover."

"Qual porta?" gritou Nat em desespero.

"Nenhuma das portas. Elas são um truque", veio a voz de Madge. "Vá em frente e pressione o painel ranhurado na parede à sua frente."

Nat deu um passo à frente, encontrou o painel e o pressionou. A parede se abriu, como duas portas dobradas, revelando outra sala dentro, perfeitamente circular.

Continha vários aparelhos, alguns brilhando com luz, outros escuros, e um aparelho transmissor de rádio; era evidentemente o covil secreto do César Negro. E lá estava ele, finalmente preso pela doença mortal que o havia dominado!

Ele estava deitado no sofá, sua grande forma esticada, suas feições horrivelmente inchadas pela mesma doença que atacara os guardas.

Nat ergueu o bastão de raios, mas Axelson ergueu a mão debilmente e Nat baixou a arma. E, enquanto os cinco se reuniam em torno do moribundo, Nat novamente sentiu aquela estranha sensação de emoção e pena dele.

Ele nunca conheceu a vida na Terra e não deveria ser medido pelos padrões comuns aplicáveis na Terra.

"Não atire, Nat", disse Madge com a voz trêmula. Ela estava sentada ao lado de Axelson e — o que era incrível — ela estava limpando a espuma de seus lábios e umedecendo sua testa. Ela ergueu um cristal que continha algum líquido até os lábios dele, e ele o sorveu avidamente.

"Então, a Terra vence, Nathaniel Lee", sussurrou Axelson com a voz rouca. “Estou morrendo.

"Meu pai me disse que na Terra não é mortal. Ele chamou de 'frio' - mas eu estou queimando quente."

Só então Nat entendeu, e a ironia disso o fez prender a respiração e cerrar os dentes para conter o riso histérico. O César Negro, o terror da Terra, estava morrendo de um resfriado comum que ele mesmo havia contraído.

O germe da coriza, quase inofensivo na Terra, entre uma população a ele habituada por incontáveis gerações, assumira a potência de uma praga aqui, onde nunca se conheceram resfriados — entre os homens da Lua, e mesmo entre os guardas, depois de suas vidas. no clima sem germes de Eros.

"Eu falhei, Nathaniel Lee," veio a voz do Black Caesar. "E, no entanto, isso dificilmente me preocupa. Há algo mais que não entendo. Ela é uma criatura como nós - com vontade e razão. Ela não é como as mulheres da Lua. Ela me disse que não desejava ser rainha de a Terra porque ela não me amava. Eu não entendo. E então - estou feliz em ir."

Um suspiro saiu da garganta de Axelson quando ele levantou a cabeça e tentou falar, mas o estertor já estava em sua garganta. Uma leve luta, e a forma maciça sobre o sofá não passava de argila inanimada.

Madge se levantou ao lado dele, e as lágrimas escorriam por seu rosto.

"Ele não era um homem mau, Nat", disse ela. "Ele foi... gentil comigo. Ele não entendeu; isso foi tudo. Quando eu recusei ser sua rainha, ele foi dominado pela perplexidade. Oh, Nat, eu nunca, nunca poderei escrever esta história para o Universal News Syndicate. "

Nat a conduziu, soluçando, para fora da sala.

Logo ele conseguiu entrar em comunicação por telerrádio com a Terra. Ele transmitiu a notícia de que o César Negro estava morto e que seu poder para o mal havia acabado para sempre.

Então, nas poucas horas de luz do dia que restavam, ele colocou seus homens para trabalhar para destruir a unidade de raios que havia destruído a China. Havia algum princípio envolvido que ele não entendia completamente, embora Brent afirmasse ter uma pista para isso, mas era evidente que, exceto pelo raio, Axelson não possuía nenhum conhecimento superior ao dos cientistas da Terra.

Dos guardas, alguns já estavam se recuperando, principalmente os de idade comparativamente mais jovem. Nenhum homem lunar, por outro lado, havia sobrevivido à epidemia. Assim que Nat tirou os guardas da casa, ele a reduziu a cinzas com a ajuda de uma velha caixa de fósforos fosfóricos.

Como o satélite escuro estava novamente rastejando sobre Eros, o navio negro zarpou.

Mas da viagem de volta à Lua, onde foram transferidos para sua própria nave, de seu desembarque em Nova York e da recepção triunfal que lhes foi concedida, este não é o lugar para falar. A jornada de Nat com Madge do centro da cidade, no que era o antigo bairro de Westchester, até sua casa no subúrbio de Hartford, foi uma ovação contínua.

Multidões se alinhavam na rota aérea e, a cada poucos quilômetros, o tráfego aéreo era tão denso que ele era forçado a pairar e se dirigir às multidões que aplaudiam. A própria Hartford estava em festa, e do outro lado da estrada principal os chefes da cidade penduraram uma faixa antiquada, amarrada de casa em casa de cada lado, com a legenda: Para presidente mundial: NATHANIEL LEE!

Nat virou-se para Madge, que estava sentada ao lado dele em silêncio. "Já ouviu falar em 'se casar?'", ele perguntou.

"Claro que já ouvi falar disso", respondeu a garota indignada. "Você acha que sou tão burro assim, Nat Lee? Ora, esses romances antiquados fazem parte do currículo das escolas públicas."

"Pena que esses dias não podem voltar. Você deveria ser uma presidente mundial, sabe", disse Nat. "Eu estava pensando, se nos registrássemos como acompanhantes, eu poderia levá-lo à Casa Branca, e você se divertiria muito tirando raios-X nos dias de visita."

"Bem," respondeu Madge lentamente. "Nunca pensei nisso. Pode valer a pena tentar."

Sobre a série de livros HackerNoon: trazemos a você os livros técnicos, científicos e de domínio público mais importantes. Este livro faz parte do domínio público.

Histórias Surpreendentes. 2009. Astounding Stories of Super-Science, agosto de 1930. Urbana, Illinois: Projeto Gutenberg. Recuperado em maio de 2022 dehttps://www.gutenberg.org/files/29768/29768-h/29768-h.htm#Page_158

Este eBook é para uso de qualquer pessoa em qualquer lugar, sem nenhum custo e quase sem restrições. Você pode copiá-lo, doá-lo ou reutilizá-lo sob os termos da Licença do Project Gutenberg incluída neste eBook ou online em www.gutenberg.org , localizado em https://www.gutenberg.org/policy/license. . _

HISTÓRIAS RELACIONADAS

L O A D I N G
. . . comments & more!
Hackernoon hq - po box 2206, edwards, colorado 81632, usa