paint-brush
O raio abatido e esquadrões de aviões frisados como mariposas no arpor@astoundingstories
18,103 leituras
18,103 leituras

O raio abatido e esquadrões de aviões frisados como mariposas no ar

por Astounding Stories39m2022/11/06
Read on Terminal Reader
Read this story w/o Javascript

Muito longo; Para ler

Na solidão escaldante do grande deserto do Arizona, cerca de três quilômetros ao sul de Ajo, um jovem cientista estava prestes a realizar um experimento que poderia ter resultados de longo alcance para a humanidade. O cientista era Gordon Kendrick — um sujeito alto, bronzeado e robusto que mais parecia um garimpeiro em busca de ouro do que um professor de física da Universidade Estadual de Tucson.
featured image - O raio abatido e esquadrões de aviões frisados como mariposas no ar
Astounding Stories HackerNoon profile picture

Astounding Stories of Super-Science, agosto de 1930, por Astounding Stories faz parte da série de postagens de blog de livros do HackerNoon. Você pode pular para qualquer capítulo deste livro aqui . VOL. III, No. 2: A Cidade Voadora

O raio disparou - e esquadrões de aviões frisaram como mariposas no ar.

Astounding Stories of Super-Science, agosto de 1930: VOL. III, nº 2 - A Cidade Voadora

Por H. Thompson Rico

Na solidão escaldante do grande deserto do Arizona, cerca de três quilômetros ao sul de Ajo, um jovem cientista estava prestes a realizar um experimento que poderia ter resultados de longo alcance para a humanidade.

O cientista era Gordon Kendrick — um sujeito alto, bronzeado e robusto que mais parecia um garimpeiro em busca de ouro do que um professor de física da Universidade Estadual de Tucson.

Na verdade, ele era, de certa forma, um garimpeiro, já que era ouro o que procurava — algum método prático de explorar o vasto tesouro radioenergético do sol — e era um aparato projetado para realizar exatamente isso que ele estava prestes a testar.

A unidade primária do mecanismo compreendia um tubo de vácuo esferoidal medindo pouco mais de um pé em seu longo eixo, montado em um suporte de aço que o mantinha horizontal ao solo. Para baixo, através de seu eixo curto, corria uma haste na qual estava centralizada uma leve cruz de fio de alumínio, carregando quatro palhetas de mica, uma rosto de cada um revestido com lampblack. Um cabo flexível conduzia do fundo desse eixo até a base do suporte, onde era acionado por um pequeno motor elétrico acionado por duas células secas. Um reostato para fornecer e controlar a corrente foi montado nas proximidades.

No arco largo do tubo em forma de ovo havia um cátodo de platina côncavo, no arco estreito uma ponta de algum tipo, terminando em um soquete. A partir dessa tomada, dois pesados fios isolados estendiam-se cerca de dezoito pés através da areia até a unidade secundária do mecanismo, que era mais ou menos uma série de bobinas de resistência, semelhantes às de um aquecedor elétrico comum.

Enquanto Kendrick se preparava para testar este delicado aparato que representava tanto de seu tempo e pensamento, guardava tanto de sua esperança encerrada nele, um turbilhão estava em seu coração, embora seu rosto moreno estivesse calmo.

Se suas teorias estivessem corretas, aquela cruz giratória tocaria e atrairia para suas palhetas ondas de força radioenergéticas, assim como a armadura giratória de um dínamo atrai para suas bobinas ondas eletromagnéticas de força. Pois os lados escurecidos das palhetas, absorvendo mais radiação do que os lados claros, fariam com que as moléculas ricocheteassem das superfícies mais quentes com maior velocidade, estabelecendo uma pressão alternada e trazendo os raios para um foco no cátodo, onde seriam refletidos na pena como ondas de calor, para usar a palavra que ele havia cunhado.

Essas eram as teorias de Kendrick, e agora ele se moveu para colocá-las à prova suprema. Ligando a corrente, ele acionou o motor. Em resposta, a cruz começou a girar, lentamente a princípio — depois cada vez mais rápido, à medida que ele abria mais o reostato.

Com os olhos fixos em suas bobinas de resistência, ele soltou um súbito grito de triunfo. Sim, não havia dúvida sobre isso! Eles estavam ficando vermelhos, brilhando intensamente, brancos, acima da intensa luz do sol do deserto.

Aqui estava um meio de converter a radiação solar em calor, então, que oferecia tremendas possibilidades comerciais!

Mas, enquanto ele exultava, houve um clarão ofuscante - e as bobinas sobrecarregadas explodiram em chamas.

Protegendo os olhos do clarão, ele pegou o reostato, desligou a corrente e correu para sua unidade secundária - onde contemplou uma visão incrível. Não apenas essa parte do aparelho se desintegrou completamente, mas também a areia do deserto sob ela. No local estremeceu um lago em miniatura de vidro derretido!

Enquanto Kendrick estava tristemente ao lado daquela poça de fogo, meditando sobre os resultados espetaculares, mas não totalmente gratificantes de seu experimento, um peculiar zumbido baixo chegou a seus ouvidos. Correndo de volta para sua unidade principal, pensando que talvez por algum acaso não tivesse fechado totalmente o reostato, ele olhou para a cruz. Mas não, as palhetas estavam paradas.

O zumbido aumentou, no entanto - cresceu em uma vibração que fez seus tímpanos doerem.

Intrigado, ele olhou em volta. O que poderia ser? Seu experimento indisciplinado colocou em jogo alguma força tremenda e insuspeita do universo. Ele iria arruinar o mundo, como resultado de sua busca cega por esse novo gigante de poder?

Tais previsões muitas vezes foram feitas pelos ignorantes, para serem rejeitadas pelos cientistas como o mais absurdo. Mas havia alguma verdade no medo universal, afinal? Seria ele o Prometeu que roubou o fogo do Olimpo, o Sansão que derrubou o templo?

Gelado, tonto com a dor da vibração cada vez maior, ele cerrou os dentes, esperando não sabia o quê.

Então veio - um espetáculo tão impressionante que ele ficou rígido de admiração ao contemplá-lo, toda a força de movimento totalmente entorpecida no momento. A vibração cessou. A coisa apareceu.

Era uma cidade — uma cidade no ar — uma cidade voadora!

Enquanto Kendrick estava olhando para este fenômeno, ele mal podia acreditar em seus sentidos.

Se o tapete mágico de Bagdá tivesse subitamente se materializado diante dele, ele não teria ficado mais surpreso. E, de fato, era de certa forma um tapete mágico - um grande objeto em forma de disco, com vários quilômetros de diâmetro, suas miríades de torres e pináculos brilhando como ouro sob o sol do meio-dia, enquanto sua vasta sombra caía através do deserto como a mortalha de um eclipse.

A parte inferior, ele notou, ficava no apartamento principal, embora várias protuberâncias verrugosas se projetassem dela, ejetando uma pálida emanação violeta. Fosse o que fosse, parecia ter o efeito de manter a coisa imóvel no ar, pois pairava ali com bastante facilidade, cerca de cem metros acima do solo.

Mas o que foi? De onde era? O que o trouxe?

Essas eram as perguntas que ele queria ver respondidas; e eles seriam, mais cedo do que ele imaginava.

Enquanto ele estava lá especulando, um dispositivo como um alçapão se abriu na base do disco, e criaturas semelhantes a seres humanos começaram a descer. Começou a flutuar para baixo.

Diante disso, Kendrick fez o que qualquer homem sensato teria feito, em circunstâncias semelhantes. Ele reagiu em movimento. Em suma, ele correu.

Olhando para trás por cima do ombro depois de um minuto ou dois, no entanto, ele parou timidamente. Daquela estranha aparição e dos que dela desceram não havia vestígio, nem sombra!

Mas o zumbido peculiar havia recomeçado, ele percebeu na próxima respiração - e no mesmo instante sentiu-se agarrado por mãos invisíveis.

Houve uma luta, mas foi breve e inútil. Quando acabou, seus captores tornaram-se visíveis mais uma vez. Eram pequenos seres singulares com cerca de um metro e meio de altura, com rostos estranhos, sábios e coriáceos, suas cabeças grotescamente carecas.

O zumbido havia cessado novamente. O disco também estava mais uma vez visível.

O que aconteceu a seguir foi algo ainda mais surpreendente, se é que poderia haver mais graus de admiração possíveis para o jovem cientista totalmente perplexo. Ele se sentiu levantado, deixando o chão do deserto, girando em direção àquele incrível fenômeno que pairava ali.

Mais um ou dois momentos e ele foi carregado pela abertura do alçapão, parado em um espaço escuro delimitado por sólidas paredes de metal. Então ele foi lançado em um cilindro com vários de seus guardas minúsculos, disparados rapidamente para cima.

Uma porta se abriu quando eles pararam, e ele foi levado para um vasto pátio de cristal âmbar brilhante. Algo como um táxi deslizou para cima, com planos iridescentes, e ele foi jogado dentro dele, girado novamente.

Eles passaram por avenidas largas e reluzentes, onde tráfego semelhante fluía densamente, mas sob controle maravilhoso. Arranha-céus imponentes apareciam à direita e à esquerda. Filas e mais filas de avenidas superiores e inferiores se revelaram, todas lotadas de atividades automotivas e de pedestres.

Por fim, um concurso estupendo foi alcançado. Milhares desses táxis e veículos similares estavam estacionados ao longo de seus flancos largos, enquanto literalmente enxames de indivíduos diminutos circulavam de um lado para o outro.

Assistido do veículo que o trouxe para este centro óbvio das atividades do disco. Kendrick foi levado a uma estrutura monumental de pedra verde-jade que se elevava cem andares acima do nível da rua. Lá ele foi escoltado para outro daqueles elevadores semelhantes a projéteis, disparado para cima, para cima - até finalmente parar. A porta se abriu e ele foi levado para um pequeno saguão do mesmo cristal âmbar que havia observado antes.

A essa altura, seus guardas haviam diminuído para dois, mas ele não fazia mais nenhum esforço para escapar. Onde quer que essa incrível aventura o levasse, ele estava decidido a segui-la.

Um dos guardas havia avançado para uma porta com joias e estava apertando um botão. Em resposta, a porta se abriu. Uma criatura régia vestida de ouro estava lá.

Embora diminuísse um metro e meio, como seu companheiro, ele era obviamente seu superior mental em um grau prodigioso. Não apenas sua careca simétrica era de grande conteúdo cerebral, mas as feições finamente esculpidas de seu rosto de pergaminho traziam a marca inconfundível de um intelecto poderoso.

"Ao-chaa!" comandou este evidente monarca do disco, dirigindo-se aos guardas.

Eles se curvaram e partiram abruptamente.

"Meu querido Kendrick!" o personagem real disse agora, em um inglês fino e preciso. "É realmente um prazer recebê-lo em meus humildes aposentos. Por favor, entre e fique à vontade."

Em seguida, ele o conduziu a um apartamento deslumbrante que era um vasto mosaico de pedras preciosas, indicou uma cadeira ricamente esculpida, na qual o jovem cientista caiu maravilhado.

"Então, professor", continuou o pequeno e poderoso anão, quando se sentou em uma cadeira ainda mais suntuosa, "suponha que tenhamos uma pequena discussão amigável. , em particular, foi muito absorvente. Você chegou a um princípio científico bastante profundo, não é?

"Possivelmente", admitiu Kendrick, bastante consciente de que estava sendo tratado com condescendência.

"Oh, não seja modesto, meu caro amigo!" sorriu o anão. "Eu sou o último um para menosprezar sua conquista. Na verdade, é por isso que eu o convidei aqui hoje. Permita-me apresentar-me e esclarecer um ou dois assuntos possivelmente desconcertantes. Então, tenho certeza de que teremos uma conversa muito agradável."

Seu nome era Cor, disse ele, e ele era na verdade o monarca deste estranho reino. Seu povo veio do outrora planeta de Vada, muito distante no universo. Mil anos atrás, este planeta foi condenado pela aproximação de uma estrela alienígena. Seu grande cientista, Ravv, enfrentou a emergência inventando o disco, em cuja construção eles despejaram todos os seus recursos. A escolha de sua população foi resgatada neste gigantesco bote salva-vidas. O resto pereceu quando aquela estrela destruidora caiu sobre o condenado Vada.

Desde então, esses sobreviventes e seus descendentes viajaram pelo espaço em seu maravilhoso disco. Por centenas de anos eles não pensaram no futuro, contentando-se em vagar no vazio interestelar, respirando uma atmosfera produzida artificialmente. Mas finalmente o inevitável aconteceu. Esta soberba peça de mecanismo concebida por seu supergênio, Ravv, estava começando a mostrar sinais de desgaste. Alguns de seus poderosos motores estavam chegando ao ponto de exaustão. Ou eles devem encontrar em breve um planeta comparável ao que conheceram, onde poderiam fazer uma pausa e reabilitar suas máquinas, ou devem se desintegrar e cair no esquecimento.

Diante dessa crise, Cor há muito procurava um planeta assim. Ele o havia encontrado, finalmente, na terra - e havia resolvido que era ali que eles iriam pousar e transplantar a civilização da antiga Vada, aguardando o tempo que eles poderiam levar para o espaço novamente.

Há alguns meses eles pairavam sobre várias partes da terra, estudando sua geografia e seus povos, e como resultado concluíram que os Estados Unidos ofereciam o ponto mais lógico para lançar o ataque. Uma vez que este país foi subjugado, eles estavam de posse da seção mais rica e avançada do planeta. A conquista do resto poderia aguardar seu lazer.

Com tal invasão em vista, seus cientistas dominaram a língua do país. Isso foi feito com muita facilidade, pois além de seu poder de se misturar com a população de forma invisível, eles tinham os princípios do rádio desenvolvidos em alto grau e podiam sintonizar qualquer estação que quisessem.

Kendrick ficou sentado, atordoado, enquanto Cor seguia sua surpreendente revelação de sua origem com este plano calmo para a conquista da América, do mundo. Por que, de todas as pessoas na terra, ele foi o único escolhido para esta revelação?

Ele fez a pergunta agora.

"Meu caro professor, você não consegue realmente adivinhar?" respondeu Cor, com aquele sorriso de couro. "Não ficou claro que você estava um pouco perto demais de nosso próprio campo com aquela sua máquina? Um pouco mais de pesquisa, uma aplicação ligeiramente diferente - e você teria se tornado um inimigo perigoso."

— Você... você quer dizer...?

"Quero dizer, não há muita diferença entre os experimentos que você tem feito e aqueles que nosso grande Ravv já fez. Por exemplo, se você tivesse transmitido sua caloricidade, como você a chama, em vez de tentar transmiti-la por fios... bem, imagine um aparelho receptor em cada casa da terra, como seus aparelhos de rádio comerciais. Você teria se tornado um bilionário, não vê?

Kendrick viu de fato. Era simples, tão simples! Tolo - por que ele não pensou nisso?

"Mas sua invenção nunca o tornará rico agora, meu caro amigo", continuou Cor, zombando. "Você será nosso convidado, aqui, até que tenhamos conquistado seu país interessante. Depois disso, se houver necessidade de irradiação de calor, nós mesmos forneceremos. Temos essas instalações, entre outras, totalmente desenvolvidas. Gostaria de ver nossa fábrica?"

Kendrick naturalmente admitiu que sim, então o anão o conduziu por uma porta dos fundos e subiu um lance de escada sinuoso. Eles logo emergiram em um grande laboratório alojado no pináculo com teto de vidro da torre.

Lá ele viu uma visão que o deixou sem fôlego. Nunca antes ele tinha visto tal conjunto de aparatos científicos. Sua vastidão e estranheza eram bastante avassaladoras, mesmo para um homem tão versado em parafernália físico-química quanto ele.

Antes que seus olhos pudessem captar uma décima parte do espetáculo, Cor o conduziu até a parede esquerda.

"Lá", disse ele, "você observará o desenvolvimento de seu gerador de calor."

Kendrick olhou - para ver um longo banco de grandes tubos de vácuo, cada um com cerca de um metro de altura e um pé de largura, conectados por um eixo central que fazia com que uma série de pequenas palhetas em cada um deles girasse na velocidade da luz.

Ao redor do aparelho moviam-se numerosos pequenos atendentes, lubrificando, enxugando, ajustando suas muitas partes delicadas.

"Bem, o que você acha agora?" perguntou Cor.

Kendrick não respondeu, embora estivesse pensando bastante.

"Veja bem, é sua invenção, meu caro professor", o anão continuou em sua voz zombeteira, "apenas adiantado por mil anos - e bem mais perfeito, você deve admitir."

Ele caminhou agora para o centro do laboratório, onde havia um enorme mostrador de cristal branco, enfileirado com muitas alavancas e interruptores, tudo encimado pelo mesmo material.

"Ver!" ele disse, jogando mais um.

Instantaneamente, veio novamente aquele peculiar zumbido baixo que tanto o confundira alguns minutos antes - e toda a sala, seus motores, seus atendentes, o próprio Cor, saltou para a invisibilidade. Apenas Kendrick permaneceu, de frente para o mostrador de cristal levemente visível.

Então ele viu um interruptor se mover, como se fosse automático. Mas não, pois a mão do anão estava sobre ela agora. A visibilidade havia retornado. A vibração cessou.

"Esse é o controle central", disse Cor. "Nossa cidade e todos os seus habitantes tornam-se invisíveis quando esse interruptor é acionado. Apenas o mostrador permanece, para a orientação do operador, e mesmo isso não pode ser visto a uma distância de mais de quinze metros. Mas agora vejam!"

Ele levantou a mão, tocou um dispositivo semelhante a um relógio preso ao pulso - e ficou instantaneamente invisível. Mas o laboratório e todas as máquinas e pessoas nele permaneceram à vista. Nem houve qualquer vibração agora.

No momento seguinte, tendo tocado novamente aquele curioso dispositivo, Cor reapareceu.

"Esse é o controle local", disse ele. "Cada um de nossos habitantes, exceto aqueles sob disciplina, tem um desses pequenos mecanismos. Ele nos permite ficar invisíveis à vontade. Uma conveniência às vezes, você deve admitir."

"Decididamente," Kendrick concordou. "E o princípio?"

"Muito simples. Um desses, de fato, está por trás de suas pesquisas. Sem dúvida, você mesmo o teria descoberto a tempo. Seu próprio cientista, Faraday, você deve se lembrar, sustentava a opinião de que as várias formas sob as quais as forças de a matéria se manifesta tem uma origem comum. Nós do disco, graças ao nosso grande Ravv, encontramos essa origem comum."

Era a origem da própria matéria, disse Cor, que estava no éter do espaço interestelar — energia bruta, cósmica — vibrações, raios.

Aproveitando e controlando esses vários raios, seu povo foi capaz de realizar seus aparentes milagres - milagres que as pessoas da Terra também estavam começando a realizar - como a eletricidade, por exemplo, e sua aplicação posterior, o rádio.

Mas o povo de Vada há muito dominava esses raios simples e agora, de posse de outros muito mais poderosos, tinha as forças elementais do universo à sua disposição.

O disco foi impulsionado através do espaço por raios curtos de frequência tremendamente alta, acima do ultravioleta. Os mesmos raios, direcionados para baixo em vez de para fora, permitiam que eles superassem a força da gravidade quando estavam sob a influência de um planeta, como no presente. E os raios da escada rolante, pelos quais eles podiam entrar e sair do disco, também eram de alta frequência, assim como seus raios de invisibilidade.

"Mas você, professor, está mais interessado em raios de baixa frequência, os longos abaixo do infravermelho", continuou Cor. "Você viu nosso desenvolvimento do princípio do dínamo de calor. Ele utiliza, devo acrescentar, não apenas a radiação solar, mas também a das estrelas. Há um bilhão e meio delas no universo, muitas delas mil vezes ou mais tão grande quanto o seu próprio sol, naturalmente temos uma pequena usina de aquecimento bastante eficiente aqui. Ela nos fornece nossa arma de guerra, além de nos manter aquecidos. Permita-me demonstrar."

Ele abriu caminho para um círculo brilhante de vidro como um telescópio invertido, com cerca de um metro de diâmetro, montado no chão.

"Olhar!" disse o anão.

Kendrick o fez - e lá, espalhado abaixo dele, estava o chão do deserto. Seu acampamento, seu aparato, estavam exatamente como ele os havia deixado.

Cor agora se moveu em direção ao mostrador.

"Ver!" disse ele, puxando uma alavanca.

Instantaneamente a cena abaixo era um inferno. Atingida por uma explosão de calor estupendo, toda a área se fundiu, tremendo como um lago de lava na cratera de um vulcão ativo.

"Suponha, meu caro professor", sorriu o anão, afastando-se do mostrador, "suponha, por exemplo, que em vez do acampamento solitário de um obscuro cientista, sua orgulhosa cidade de Nova York estivesse lá embaixo!"

Kendrick estremeceu.

Bem, ele agora conhecia o terrível poder, a terrível ameaça desse estranho invasor.

"Eu preferiria não fazer tal suposição", disse ele, calmamente, com um último olhar pensativo para o caldeirão das bruxas abaixo.

"Então vamos pensar em coisas mais agradáveis. Você é meu convidado de honra, senhor - a principal cientista da América, embora ela nunca perceba isso", com uma risada estridente. "Esta noite haverá um grande banquete em sua homenagem. Enquanto isso, suponha que eu lhe mostre seus aposentos."

Irritado, furioso, embora aparentemente calmo, Kendrick se permitiu ser escoltado do laboratório para um apartamento ornamentado em um dos andares inferiores.

Lá Cor o deixou, com a educada insinuação de que encontraria muitos atendentes à mão caso precisasse de alguma coisa.

Sozinho agora, no meio desta vasta metrópole de pesadelo, ele andava de um lado para o outro, para frente e para trás - conhecendo o destino hediondo que ameaçava o mundo, mas impotente para emitir uma palavra de advertência, muito menos evitá-lo.

Kendrick ainda estava pensando e meditando sobre essas linhas quando viu a porta do apartamento abrir e fechar rapidamente.

Alguém havia entrado, invisível!

Afastando-se, ele esperou, tenso. Então, de repente, seu visitante se materializou. Com um suspiro, ele viu diante dele uma linda garota.

Ela era uma mulher jovem, na casa dos vinte anos. Tampouco um desses pigmeus do disco, mas uma criatura alta e esguia de seu próprio mundo.

Seu cabelo era escuro, cortado à moda. Seus olhos eram de um castanho profundo e claro, sua pele de uma azeitona quente. E ela estava vestida como se tivesse acabado de sair Quinta Avenida - o que de fato ela tinha, não muito tempo atrás, como ele logo descobriria.

"Espero não tê-lo assustado muito, Sr. Kendrick," ela disse, em um rico e rouco murmúrio, "mas... bem, não havia outra maneira."

"Oh, acho que vou superar isso", ele respondeu com um sorriso. "Mas você tem vantagem sobre mim, já que sabe meu nome."

O dela era Marjorie Blake, ela disse a ele então.

"Não é a filha de Henderson Blake?" ele engasgou.

"Sim", com um tremor, "sua única filha."

Foi então que Kendrick descobriu a solução de um mistério que confundia a polícia há semanas. Os jornais estavam cheios disso na época. Essa linda garota, cujo pai era um dos homens mais ricos da América e presidente de seu maior banco, havia desaparecido como se a terra a tivesse engolido. Ela havia deixado sua propriedade de verão em Great Neck, Long Island, em uma brilhante manhã de junho, com destino a Nova York para fazer compras - e simplesmente desapareceu.

Suicídio foi sugerido por alguns dos jornais, mas não foi levado a sério, já que ela não tinha nenhum motivo aparente para acabar com sua vida. O rapto parecia ser a explicação mais lógica, e enormes recompensas foram oferecidas por seus pais frenéticos - tudo em vão.

O que aconteceu, ela explicou agora, foi que depois de visitar várias lojas e fazer várias compras, ela entrou no Central Park no Plaza para tomar um pouco de ar fresco antes de almoçar no Sherry-Netherlands, onde planejava encontrar alguns amigos.

Mas antes de avançar cem metros ao longo do caminho isolado, ela foi agarrada por mãos invisíveis - sentiu algo amarrado em seu pulso, antes que alguém aparecesse - e então, invisível também, foi levantada, rodopiando em um vasto, vibração sussurrante que soava pelo ar.

Uma vez no disco, ele se lançou no espaço a uma velocidade incrível, parando apenas algumas centenas de quilômetros acima da Terra e invisível por baixo sem ajuda mecânica. Quando sua vibração finalmente cessou, aquela incrível cidade saltou diante de seus olhos.

Então, com sua própria visibilidade restaurada, ela foi levada à presença daquele pequeno e poderoso monarca, Cor, que explicou que ela havia sido tomada como refém e seria mantida como um ás na manga, aguardando a conquista de seu país. Desde quando ela era uma prisioneira a bordo do disco.

Ao saber da captura de Kendrick, por fofocas entre as mulheres, ela aproveitou a primeira oportunidade para procurá-lo, na esperança de que entre eles pudessem encontrar algum meio de fuga.

Na verdade, essa era sua maior esperança - a necessidade imperiosa deles, se o povo da América e da Terra fosse salvo dessa terrível ameaça. Mas que base havia para uma esperança tão fantástica? Apenas um, que ele pudesse ver.

"Essa coisa no seu pulso", disse ele, expressando-o. "Estou surpreso que eles deixaram você usar um desses."

"Eles não", ela sorriu. "Eu roubei! De uma das empregadas do meu apartamento. Era a única maneira de chegar aqui sem ser visto. Achei que precisava vê-lo imediatamente. Temos que fazer alguma coisa, logo, ou... Vai ser tarde demais. Achei que, como cientista, você pode ter alguma ideia de como poderíamos escapar.

"Como as próprias pessoas escapam?" ele perguntou. "Aquele raio da escada rolante - você sabe como eles o usam?"

"Não, nunca consegui descobrir. Não me deixam chegar perto dessa parte da cidade."

Kendrick refletiu por um momento.

"Vamos dar uma olhada nesse caso de invisibilidade", disse ele.

Ela o tirou do pulso e o entregou a ele. Um tanto admirado, ele o examinou.

A parte do mecanismo, ligada por uma tira de metal elástico, parecia apenas superficialmente com um relógio, ele viu agora. Em vez disso, parecia um delicado interruptor elétrico. De forma retangular, era dividido em duas metades por uma faixa de cristal branco. Em cada uma dessas metades havia dois pequenos botões do mesmo material, os de um lado redondos, do outro quadrado.

"Quais botões controlam a invisibilidade?" ele perguntou.

"Os quadrados", ela respondeu. "Um foi empurrado agora, sabe. Se você empurrasse o outro, o primeiro sairia - e você sairia de cena, por assim dizer."

Kendrick ficou meio tentado a tentar a coisa naquele momento, mas adiou o impulso.

"Para que servem os botões redondos?" ele perguntou em vez disso.

Marjorie não sabia, mas achou que provavelmente eram um par de emergência, caso algo desse errado com os quadrados. De qualquer forma, nada aconteceu quando você os empurrou.

Kendrick empurrou um, só para ver. Era verdade. Nada aconteceu - mas ele pareceu sentir uma vibração fraca e peculiar e uma onda de vertigem o invadiu. Ao empurrar o outro, que soltou o primeiro, parou.

Ele devolveu o dispositivo a Marjorie.

"Aí está o seu bracelete. Agora, se eu conseguir um igual, acho que vamos cair no chão."

"Oh, Sr. Kendrick!" Seus olhos se iluminaram ansiosamente. "Então você pensou em uma maneira?"

"Não exatamente. Acho que descobri o caminho deles. Não posso ter certeza, mas estou disposto a apostar nisso, se você estiver."

"Então você... você acha que esses botões redondos estão conectados com os raios da escada rolante?"

"Exatamente! Acho que eles controlam a descida e a ascensão individuais, assim como os quadrados controlam a visibilidade e a invisibilidade individuais. De qualquer forma, é o palpite que vou seguir agora, se você estiver comigo."

"Ah, estou com você!" ela respirou. "Qualquer coisa, quase a morte, seria preferível a isso."

"Então espere, invisível. Vou chamar um dos meus carcereiros aqui e livrá-lo de seu relógio de pulso."

Marjorie tocou sozinha naquele pequeno botão quadrado. Ela instantaneamente se tornou invisível.

Kendrick apertou um botão também, um botão que ele havia notado ao lado da porta. Como ele supôs, trouxe um dos Vadans.

Fechando a porta silenciosamente, ele agarrou o sujeito antes que ele pudesse mover a mão para o pulso. Frustrado em sua tentativa de desaparecer de vista, o diminuto guarda tentou gritar. Mas Kendrick prontamente o estrangulou.

Marjorie já havia reaparecido e juntos o amarraram a uma cadeira com uma corda dourada arrancada da cortina.

Removendo o precioso mecanismo de seu pulso, Kendrick o deslizou por conta própria.

"Agora vamos!" ele disse, pressionando o botão quadrado saliente do dispositivo. "Não temos um minuto para... meu Deus, que sensação peculiar!"

"É bastante estranho, não é?" ela riu, apertando a sua e se juntando a ele naquele reino invisível.

"Parece uma combinação de massagem elétrica e banho frio! Onde você está, afinal? Não consigo ver você."

"Claro que não pode!" veio um tilintar invisível. "Aqui!"

Ele a sentiu roçá-lo.

"Melhor dar as mãos", ele sugeriu, então deu um rubor invisível que ele estava feliz por ela não poder ver.

"Tudo bem. Uma boa ideia."

Sua mão delicada entrou na dele, suave, quente. Com o coração vibrando ainda mais rápido que seu corpo, todo o seu ser estremecendo com uma estranha exaltação, Kendrick abriu a porta e eles deixaram o apartamento.

A meia hora seguinte foi a mais tensa que qualquer um deles já havia experimentado. Cada passo do caminho estava repleto de perigos.

Eles não apenas tinham que evitar cuidadosamente os enxames visíveis de pessoas pequenas que corriam por toda parte, mas também tinham que estar em guarda contra qualquer um que pudesse estar se movendo como eles sob a cobertura da invisibilidade.

Eles também não podiam usar nenhum elevador ou transporte público, mas eram obrigados a descer até o saguão por sabe Deus quantos lances de escada, e cruzar Deus sabe quantas ruas movimentadas a pé, antes de chegarem ao pátio âmbar, abaixo do qual o alçapão e sua esperança de liberdade.

Eles finalmente chegaram lá, porém, desceram e olharam para baixo daquela borda escancarada no chão do deserto - para recuar com suspiros de desânimo. Pois a área ainda brilhava semi-derretida da explosão estupenda que destruiu o acampamento de Kendrick.

"O-o que é?" ela engasgou.

Rapidamente ele disse a ela.

"Mas não há como contornar isso? Olhe, ali à esquerda. Uma borda da cratera parece terminar quase embaixo de nós."

Era verdade que o centro do caldeirão estava bem à direita de onde eles estavam e que a borda esquerda estava apenas um pouco dentro da linha direta de descida. Mas pousar um pé sequer dentro daquele inferno seria tão fatal quanto pousar bem no meio dele.

Kendrick estava pensando rápido.

"Há apenas uma chance", disse ele. "Tudo depende da largura da zona desses raios da escada rolante e se podemos sintonizar neles. Pelo menos, provavelmente posso responder à última pergunta."

Apertando o botão redondo protuberante em seu bracelete misterioso enquanto falava, ele se inclinou sobre a borda do alçapão e esperou os resultados.

Eles não demoraram a chegar. A vibração que ele já estava sob os raios de invisibilidade parecia dobrar. Ondas alternadas de vertigem e depressão, de empurrões e puxões, varreram-no.

Um minuto disso foi o suficiente. Ele apertou o botão redondo que agora se projetava, acabando com essa influência, e encarou Marjorie, afirmando:

"Agora tenho certeza de que essas coisas controlam a descida e a subida. Tanto quanto posso imaginar, os raios funcionam com base no princípio de um cinturão sem fim. Se você está aqui em cima, é carregado para baixo e vice-versa. Quanto a quão largo é o cinturão e se você pode se mover lateralmente nele, resta saber. De qualquer forma, vou arriscar. Vou primeiro. Se meu palpite estiver errado, você... bem, não precisa Segue."

"Não, eu vou com você!" ela declarou resolutamente. "Chegamos até aqui juntos. Não vou ficar sozinho agora. Vamos!"

E novamente sua mão macia e quente estava na dele.

Senhor, que menina! Quantos seriam corajosos o suficiente para fazer uma aposta como essa, na mera suposição de um sujeito?

"Tudo bem - vá!" ele disse. "Aperte o botão redondo, assim." Ele mostrou a ela o caminho que achava certo, empurrou o seu próprio. "Preparar?"

"Preparar!"

Suas vozes eram graves. Era uma perspectiva sombria, pisar no espaço assim, com apenas um palpite entre eles e a morte.

"Então pule!"

Eles pularam, segurando as mãos um do outro com força e, em vez de cair como prumos, foram pegos por um poderoso campo de força e rodopiaram suavemente para baixo.

"Ah, você estava certo!" exclamou Marjorie, maravilhada. "Veja, nós-"

Então ela parou, horrorizada, pois era óbvio que eles iriam descer naquele lago de vidro derretido, a menos que pudessem mudar seu curso de uma vez.

"Rápido!" ele chamou. "Segure firme! Agora - corra!"

Sem fôlego, eles correram para a esquerda, atravessando aquele cinturão descendente invisível.

Longe demais, Kendrick sabia, e eles mergulhariam fora de sua zona, cairiam esmagados e mutilados. Não longe o suficiente, e eles encontrariam a cremação. Era um risco terrível, de qualquer maneira, mas tinha que ser assumido.

Eles estavam quase caindo, agora, e ainda não muito longe o suficiente para a esquerda. O calor daquela cratera escancarada subiu na direção deles.

"Rápido rápido!" ele gritou, arrastando-a com ele.

Uma última investida - um instante sem fôlego - e eles ficaram parados no chão, a menos de um metro do limite da destruição.

Desmaiando com o calor, Marjorie balançou contra ele, murmurou uma oração incoerente.

"Animem-se!" ele sussurrou, levantando-a e levando-a a alguns metros de distância. "Estamos caídos - a salvo!"

A segurança deles era relativa, no entanto, Kendrick bem sabia. Até que pudessem colocar milhas entre eles e este disco monstruoso, eles não estariam realmente seguros. Não há como dizer em quanto tempo sua fuga pode ser descoberta. Não se pode dizer que meios terríveis Cor pode usar para conter sua fuga.

Então, assim que Marjorie se recuperou o suficiente para prosseguir, eles atravessaram o deserto em uma caminhada rápida em direção a Ajo, onde ele esperava pegar o trem da tarde para Gila Bend. De lá, eles poderiam embarcar no limitado para Tucson e apontar para o leste, quando viesse de Yuma naquela noite.

Eles haviam sintonizado os raios da escada rolante, mas continuaram ainda invisíveis - pois o disco pairava acima deles à vista e teria sido suicídio se deixarem ver.

Mesmo assim, Kendrick logo começou a ter uma sensação incômoda de estar sendo seguido. Ele olhou ao redor de vez em quando, mas não conseguia ver nada. Algumas daquelas criaturinhas invisíveis estavam em seu encalço?

Ele não disse nada a Marjorie sobre sua ansiedade, mas logo ela também começou a olhar para trás, inquieta, a cada poucos passos.

"Eles estão perto de nós!" ela disse por fim, em um sussurro. "Eu posso senti-los."

Era mais do que bom senso, eles logo descobriram. Pequenos ruídos tornaram-se bastante audíveis, e uma ou duas vezes eles viram a areia levantada, a menos de seis metros de distância, como se um pé passasse sobre ela.

Enquanto isso, eles escalavam uma elevação de terreno, quebrada por muitos pequenos montes e pontilhada de arbustos espinhosos. Do outro lado, ao pé de uma longa encosta, ficava Ajo.

Assim que chegaram ao cume, Kendrick teve certeza de que conseguiriam se distanciar de seus perseguidores na descida. Já, se seu relógio estivesse certo, o trem estava se preparando para partir. Seria uma corrida sem fôlego, mas ele estava confiante de que conseguiriam.

Assim, tranquilizou Marjorie o melhor que pôde e ajudou-a a subir a encosta.

Estavam praticamente no cume e já à vista da pequena estação ferroviária e do amontoado de casebres lá embaixo - quando de repente ele sentiu que tropeçou e foi arremessado violentamente ao chão. No mesmo instante, sua companheira soltou um grito, ao sentir-se agarrada por mãos invisíveis.

Levantando-se de um salto, Kendrick se debateu com os punhos sólidos em seus atacantes. Os gemidos responderam aos impactos e ele sabia que seus golpes estavam surtindo efeito.

Livre por um momento, ele correu para Marjorie, tateando os anões que a rodeavam. Agarrando uma das formas invisíveis, ele a ergueu e a jogou no chão. Outro, igualmente, e outro.

Então ele debulhou as pernas, onde duas das criaturas se agarraram, tentando arrastá-lo para baixo novamente. Eles voaram pelo ar, com gritos de medo.

"Bem, até agora, tudo bem!" ele exclamou. "Não vamos esperar para ver se há mais. Vamos, vamos!"

"Certo!"

Alcançando as mãos um do outro, eles correram encosta abaixo.

No meio do caminho, eles viram uma explosão de vapor subindo do motor, seguida por um apito.

"Eles estarão saindo em um minuto agora!" ele engasgou, aumentando a velocidade. "Temos que conseguir! — nossa única chance!"

"Nós vamos conseguir!" ela soluçou com os dentes cerrados, encontrando seu ritmo.

Olhando por cima do ombro, depois de mais quinze segundos, Kendrick viu que o disco não estava mais visível. Como não havia vibração, ele percebeu com alívio que agora estava escondido atrás da encosta que desciam.

"Rápido - aperte o botão!" ele disse, empurrando o seu próprio.

Eles saíram da influência dos raios de invisibilidade, correram sem fôlego ladeira abaixo — chegaram à plataforma da estação no momento em que o trem estava partindo.

Ajudando a garota exausta a embarcar, ele próprio subiu os degraus e conduziu-a pelo vestíbulo até o único vagão de passageiros.

Deixando-se cair em um assento, eles ficaram sentados ofegantes enquanto o trem ganhava velocidade.

No momento em que o pequeno local decrépito, mas salva-vidas, chegou a Gila Bend, eles já haviam se recuperado um pouco de sua experiência angustiante.

Marjorie ainda estava pálida, entretanto, quando Kendrick a ajudou a sair do trem.

"Posso me recuperar", disse ela com um sorriso pálido, "mas nunca serei a mesma! Um velho ditado, mas agora sei o que significa."

Ele pensou melhor em um súbito impulso de dizer a ela que ela parecia muito bem para ele. Em vez disso, ele disse severamente:

"Agora eu sei o que muitas coisas significam!"

O Tucson Limited não terminaria por mais de uma hora, eles aprenderam. Isso lhes daria tempo para caçar as autoridades e soar um alerta sobre o sinistro invasor que estava nas proximidades. Talvez, por meio de uma ação militar imediata, ela possa ser destruída ou, pelo menos, aleijada.

Mas primeiro eles foram ao escritório do telégrafo, onde Marjorie transmitiu uma mensagem que traria alegria para sua família enlutada.

Enquanto estavam do lado de fora da janela gradeada, odores de comida flutuavam até eles de um refeitório próximo.

"Um-m!" ela fungou. "Isso me cheira bem! Não como comida terrena há séculos. Tudo naquele disco horrível era sintético."

"Então sugiro que comamos presunto e ovos de uma vez", disse ele. "Ou você prefere um bife?"

"Acho que vou querer os dois!"

Enquanto caminhavam para o refeitório, Kendrick contou a ela sobre o banquete em sua homenagem que Cor havia prometido para aquela noite.

"Acho que não perdi muito", finalizou.

"Você certamente não fez isso!" ela assegurou-lhe, com um sorriso. "Ele abriria com um purê de sopa de moléculas divididas, continuaria com uma entrada de elétrons empanados e fecharia com um café iônico."

Ele riu.

"Estou muito satisfeito. Não pude comparecer! Por mais humilde que seja, acho que esta será uma comida muito mais saudável."

A noite caíra quando eles deixaram o refeitório. Olhando para o relógio, Kendrick viu que eles ainda tinham mais de meia hora antes do prazo limitado, então eles se dirigiram para a delegacia.

Ficava a apenas um quarteirão de distância e, conseqüentemente, não demoraram a alcançá-lo.

O chefe tinha ido para casa, o oficial da recepção os informou, mas se houvesse algo que desejassem relatar, ele ficaria feliz em anotá-lo.

Um ocidental grande e ossudo, ele trocou sua libra enquanto falava e cuspiu ruidosamente em uma cuspideira a seus pés.

"Tudo bem, então - pegue seu lápis pronto!" disse Kendrick com um sorriso. "Esta é a Srta. Marjorie Blake, filha de Henderson Blake, de Nova York. Talvez você tenha lido sobre o desaparecimento dela, algumas semanas atrás. E eu...."

Quando ele se apresentou e contou brevemente sobre sua experiência surpreendente, os olhos do oficial se arregalaram de espanto.

"Diga, o que vocês estão tentando me dar?" ele bufou finalmente. "Você acha que nasci simples?"

"Aperte o botão!" sussurrou Marjorie. "Mostre a ele como o raio de invisibilidade funciona. Vai economizar muita discussão."

"Certo!"

Ele ergueu o pulso.

"Vê isso? Agora observe!"

Então ele apertou o botão. Mas, para sua consternação, nada aconteceu.

"Wa-al. Eu ainda estou assistindo!" disse o oficial. "Quem é louco agora?"

Kendrick examinou o mecanismo com impaciência, apertou aquele pequeno botão repetidamente: mas nada aconteceu.

"Experimente o seu!" disse finalmente a Marjorie.

Ela o fez, com resultados semelhantes - ou melhor, falta deles.

"Algo está errado", disse ele por fim. "O raio não está funcionando."

"Errado é certo!" declarou o oficial com uma enxurrada desdenhosa de suco de tabaco. "É melhor vocês pegarem o trem antes que vocês cheguem onde ele está."

Desgostosos, envergonhados, eles se despediram, voltando para a estação ferroviária.

"De todas as coisas totalmente tolas!" declarou Marjorie, enquanto caminhavam. "Por que você acha que não funcionou?"

Kendrick não respondeu de imediato. Quando o fez, sua voz era grave.

"Porque o disco se foi!" ele disse. "Estamos fora de sua zona de influência. Esse é meu palpite, pelo menos, e acho melhor agirmos de acordo."

"Você quer dizer...?"

"Quero dizer, nossa fuga provavelmente os fez apressar seus planos. Eles provavelmente estão sobre Nova York agora. Acho melhor chegarmos lá da maneira mais rápida possível."

O resultado foi que, quando o trem chegou, eles permaneceram nele apenas para Tucson. Lá eles fretaram um avião rápido e partiram para o leste imediatamente.

Ao pôr do sol do dia seguinte, o avião desceu do céu e deslizou para pousar no amplo terreno da propriedade Blake em Great Neck.

Quando Kendrick saiu da cabine e ajudou Marjorie a descer, um homem alto e distinto, com cabelos grisalhos e bigode curto, veio correndo na direção deles.

"Papai!" ela gritou, correndo para os braços dele. "Oh, papai - papai!"

Mesmo sem essa demonstração. Kendrick teria reconhecido Henderson Blake pelas fotos que vira recentemente nos jornais.

Agora ele foi apresentado, e Blake estava segurando sua mão calorosamente.

"Não sei bem do que se trata, professor", ouviu dizer o grande financista. — O telegrama de Marjorie ontem à noite foi tão enigmático quanto alegre. Mas sei que tenho uma profunda dívida de gratidão com você.

"Sim, e você deve ao nosso piloto cerca de mil dólares também!" colocou a filha da casa, agarrada ao braço de seu pai. "Por favor, dê a ele um cheque - então vamos entrar e eu vou explicar tudo sobre isso."

"Uma questão muito mais fácil de resolver do que minha dívida com o professor Kendrick", disse Blake, concordando.

O cheque era de dois mil, não de um, viu o piloto ao recebê-lo.

"Muito obrigado, senhor!" ele disse, saudando.

"Não mencione isso. Boa noite - e boa sorte para você!"

O piloto voltou para seu avião, ele decolou do gramado, zumbindo no crepúsculo.

Então eles se aproximaram da villa branca e fresca que se erguia convidativamente a cem metros ou mais além dos jardins submersos.

Ao se aproximarem, uma mulher bonita e bem conservada, cujo rosto refletia a beleza de Marjorie, aproximou-se deles. Linhas de sofrimento ainda eram evidentes ao redor de sua boca sensível, mas seus olhos escuros estavam radiantes.

"Mãe!"

"Meu pobre querido!"

Eles correram para os braços um do outro, agarrados, soluçando e rindo.

Kendrick ficou feliz quando essas saudações íntimas terminaram e ele conheceu a Sra. Blake.

Eles estavam na sala de estar agora, ouvindo um relato um pouco mais lúcido das experiências de sua filha e de seu salvador. Marjorie falava a maior parte do tempo, mas de vez em quando ela se voltava para Kendrick para verificação.

"Céus!" ofegou a Sra. Blake, finalmente. "Essas coisas podem ser possíveis?"

"Quase tudo parece possível hoje em dia, minha querida", disse-lhe o marido. "E você diz, professor, que trouxe amostras deste dispositivo de invisibilidade?"

"Sim, temos, mas não posso prometer que vão funcionar. Vou tentar, no entanto."

Ao que, com ceticismo, ele apertou aquele pequeno botão quadrado - e instantaneamente sumiu de vista.

"Bom Deus!" exclamou Blake, levantando-se de um salto. "Isso prova! Ora, isso é positivamente..."

Suas observações foram interrompidas por um grito de terror de sua esposa.

"Marjorie... Marjorie!" ela gritou.

Girando, ele encarou a cadeira onde sua filha estava sentada. Estava vazio, até onde os olhos humanos podiam ver.

"Não se preocupe, mamãe — papai!" veio uma voz calma dela. "Estou bem... voltando... firme."

E ela voltou, assim como Kendrick, da cadeira vazia ao lado dela.

Seu rosto estava grave. O sucesso da demonstração, que havia provado sua história para o prático Henderson Blake, provou para ele algo muito mais significativo. O disco, como ele havia presumido, havia corrido para o leste imediatamente ao saber de sua fuga e agora provavelmente pairava bem sobre Nova York.

"Maravilhoso - maravilhoso!" declarou Blake. "Mas aquele raio de calor, professor. Isso soa mal. Você está convencido de que é tão poderoso quanto dizem!"

"Positivamente! Aquela explosão que eles fizeram no deserto teria destruído completamente Nova York."

"Hm! Sim, sem dúvida você está certo. Eu percebo perfeitamente a terrível ameaça dessa coisa. Você acha que as autoridades militares serão capazes de lidar com isso?"

"Eu não sei. Talvez, se eles forem rápidos o suficiente."

"E não há outra maneira - nenhuma maneira científica?"

As observações de Ki foram interrompidas por um grito de terror de sua esposa.

"Marjorie... Marjorie!" ela gritou.

Girando, ele encarou a cadeira onde sua filha estava sentada. Estava vazio, até onde os olhos humanos podiam ver.

"Não se preocupe, mamãe — papai!" veio uma voz calma dela. "Estou bem... voltando... firme."

E ela voltou, assim como Kendrick, da cadeira vazia ao lado dela.

Seu rosto estava sério. O sucesso da demonstração, que havia provado sua história para o prático Henderson Blake, provou para ele algo muito mais significativo. O disco, como ele havia presumido, havia corrido para o leste imediatamente ao saber de sua fuga e agora provavelmente pairava bem sobre Nova York.

"Maravilhoso - maravilhoso!" declarou Blake. "Mas aquele raio de calor, professor. Isso soa mal. Você está convencido de que é tão poderoso quanto dizem!"

"Positivamente! Aquela explosão que eles fizeram no deserto teria destruído completamente Nova York."

"Hm! Sim, sem dúvida você está certo. Eu percebo perfeitamente a terrível ameaça dessa coisa. Você acha que as autoridades militares serão capazes de lidar com isso?"

"Eu não sei. Talvez, se eles forem rápidos o suficiente."

"E não há outra maneira - nenhuma maneira científica?"

Na manhã seguinte, Blake levou Kendrick de carro até o Brooklyn Laboratory da Consolidated Electric Utilities Corporation e o instalou lá.

Então ele partiu - para retornar ao meio-dia com a prometida delegação de generais, almirantes, estadistas e financistas.

Todos estavam francamente céticos, embora percebessem que Henderson Blake não era um homem dado a exageros. Nem o ceticismo deles desapareceu completamente quando Kendrick encerrou sua história bizarra com uma demonstração do dispositivo de invisibilidade.

Murmúrios de espanto correram pelo laboratório, é verdade, mas os mais teimosos de seus espectadores o acusaram de ter inventado ele mesmo o aparelho. Embora eles não tenham dito isso diretamente, eles pareciam insinuar que ele estava buscando publicidade.

Irritado, Kendrick tentou refutar suas acusações. Mas mesmo quando ele estava convocando palavras, a refutação total e completa veio do ar.

Uma vibração baixa e sussurrante soou, cresceu em volume até encher a sala - e cessou repentinamente: a luz do meio-dia desapareceu no crepúsculo.

"O disco!" ofegou Kendrick, correndo para as janelas do oeste.

Eles o seguiram, tensos de admiração. E ali, entre a terra e o sol, suas miríades de torres e pináculos refratando uma radiância estranha, pairava aquela vasta cidade voadora.

"Meu Deus!" murmurou um general famoso, olhando como se tivesse visto um fantasma.

Um grande estadista abriu os lábios, mas nenhuma palavra saiu.

"Terrível! Incrível!" explodiu de outros daquela assembléia atordoada.

Seus comentários foram interrompidos por uma voz transmitida, fina e clara, tremendamente amplificada, uma voz que Kendrick reconheceu imediatamente como a de Cor.

"Povo da América!" disse. "Nós, do planeta Vada, viemos para conquistar seu país. Você terá 48 horas para depor as armas. Se a rendição completa não for feita até o meio-dia, daqui a dois dias Nova York será destruída."

A voz cessou. O zumbido recomeçou - diminuiu de volume até morrer. O crepúsculo virou mais uma vez para o meio-dia.

Olhando fixamente pelas janelas do lado oeste do laboratório, a pequena assembléia viu o disco ser engolido pelo céu azul claro.

Então eles se viraram, se encarando gravemente.

Lá fora, nas ruas, reinava a confusão. Nas fábricas de jornais, as impressoras estavam girando. Nos escritórios do telégrafo e da TV a cabo, as chaves funcionavam. Das torres de rádio, as ondas eram rápidas.

Em uma hora, a nação e o mundo sabiam desse invasor planetário e seu ultimato surpreendente.

Naturalmente, o governo de Washington se recusou a cumprir esses termos vergonhosos. As forças militares e navais foram levadas às pressas para a metrópole ameaçada. A Frota do Atlântico partiu de Hampton Roads sob calado forçado e se reuniu no porto externo. Milhares de aviões se reuniram em Mitchell Field e outros aeródromos próximos.

Mas onde estava o inimigo? Ele devia estar a quilômetros de distância no espaço, Kendrick sabia, enquanto trabalhava febrilmente no laboratório sobre seu experimento depois de uma noite sem dormir. Pois se aquela cidade voadora estivesse mais perto da Terra, não poderia ter mantido a invisibilidade sem aquela peculiar vibração sussurrante.

Aviões de reconhecimento incitados por comandantes de esquadrão impacientes, escalaram até atingirem seus tetos, procurando em vão. Eles não podiam encontrar nada, não ver nada do invasor.

Assim passou uma manhã de crescente tensão.

Mas ao meio-dia daquele dia, com uma faltando vinte e quatro horas para o término do ultimato, o disco desceu, mostrou-se corajosamente.

Seguiram-se desastres impressionantes.

Uma salva e o raio caiu - a Frota do Atlântico, o orgulho da América, explodiu e derreteu em um inferno de fogo. Esquadrões de aviões, carregando toneladas de bombas, frisavam como mariposas no ar. Projéteis poderosos lançados por baterias terrestres foram desviados em trajetórias selvagens.

Consternados, a nação e o mundo acompanharam em lúgubres extras essas derrotas esmagadoras.

Ao anoitecer daquele dia, tudo parecia perdido. Toda a oposição havia sido obliterada. A América deve capitular ou perecer. Tinha até o meio-dia seguinte para decidir qual.

Enquanto isso, naquele grande laboratório do Brooklyn, Kendrick trabalhava contra o tempo, cercado por frenéticas delegações de líderes nacionais. Eles sabiam agora que sua única esperança estava nele. Ele estava conseguindo? Havia mesmo alguma esperança?

Com o rosto abatido, os olhos injetados pela falta de sono, ele os dispensou com um gesto e continuou seu trabalho.

"Eu vou te dizer, assim que eu souber."

Isso era tudo o que ele diria.

Seguiu-se uma noite que foi a mais negra de toda a história, embora a miríade de estrelas do céu brilhasse de forma provocante no céu de verão.

Por fim, quando amanheceu. Kendrick fez uma pausa em seus trabalhos.

"Lá!" disse ele, sombrio, examinando um aparato que parecia envolver todas as instalações do laboratório. "Está feito! Agora então - vai funcionar?"

A delegação foi chamada para testemunhar o teste.

Henderson Blake estava entre eles, assim como Marjorie. Ela deu um passo à frente, enquanto ele se preparava para fazer a demonstração.

"Eu sei, de alguma forma, você vai ter sucesso!" ela murmurou, apertando a mão dele, encontrando seus olhos com um sorriso de confiança.

"Espero que você esteja certo, Marjorie!" ele respondeu, deixando escapar a última palavra quase inconscientemente.

Seu rosto corou calorosamente quando ela deu um passo para trás e se juntou a seu pai.

O coração de Kendrick estava batendo rápido quando ele se virou para seus instrumentos. Como ele poderia falhar, com uma fé assim por trás dele? - amor, talvez! Ele não deve falhar - nem iria, se suas teorias fossem sólidas.

Dirigindo-se à assembléia, ele explicou brevemente o complicado aparato.

"Essas torres", disse ele, apontando para quatro estruturas de aço com cerca de três metros de altura, dispostas nos cantos de um quadrado de aproximadamente seis metros de diâmetro, "são mastros de rádio em miniatura. Nova York. Esse disco de metal suspenso acima da área representa o invasor. Ele contém um gerador de calor em miniatura, como eu estava experimentando recentemente no deserto do Arizona.

Ele fez uma pausa, ligou um interruptor. Em algum lugar do laboratório, um dínamo começou a girar.

"Agora estou enviando ondas eletromagnéticas das quatro torres", continuou ele. "Mas em vez de transmiti-los em todas as direções. Estou dobrando-os em cátodo côncavo de força sobre a cidade. Você pode imaginar este cátodo como um escudo invisível, se quiser, mas é mais do que isso. É um refletor. Se minhas teorias estão certas, o raio radioenergético que estou prestes a projetar sobre ele de meu disco em miniatura será arremessado de volta à sua fonte como se fosse um raio de luz caindo em um espelho. O sucesso do experimento depende do que o resultado será."

Kendrick parou, moveu-se em direção a um reostato.

Quando ele se preparou para tocá-lo, uma tensão ofegante se instalou na assembléia. Sobre o resultado do que estava para acontecer, repousava o destino da América - e do mundo.

Calmamente, embora cada fibra de seu ser estivesse quebrando o estresse, o jovem cientista abriu o reostato.

Por um instante, o raio queimou - então, quando voltou como um bumerangue, o disco explodiu em chamas, dissolveu-se, desintegrou-se. Uma poeira fina, como carbono, assentou-se lentamente no chão do laboratório.

Cortando a corrente das torres de rádio, Kendrick os encarou, com uma luz de triunfo em seus olhos cansados.

"Veja, funciona", disse ele.

Eles viram. Sem dúvida, funcionou!

E o que Kendrick viu, quando seus olhos encontraram os de Marjorie, o fez esquecer seu cansaço.

O resto foi uma corrida louca de preparação. Restavam apenas algumas breves horas e muito havia a ser feito.

A aplicação do princípio que acabava de ser demonstrado envolvia uma conexão do laboratório da Consolidated Electric com todas as estações de radiodifusão da área metropolitana, sendo a energia fornecida pelo comando de todas as usinas geradoras em um raio de oitenta quilômetros.

A cidade, além disso, teve que ser evacuada de todos, exceto das poucas e corajosas centenas que se ofereceram para permanecer em seus postos em estações de rádio e usinas geradoras.

Quanto a Kendrick, foi a manhã mais movimentada e agitada que ele já experimentou. Somente a realização do amor de uma garota e a confiança de uma nação o capacitaram a superar a exaustão de duas noites sem dormir.

Por fim, um pouco antes das onze, tudo estava pronto. Apenas duas perguntas perturbavam a mente do jovem cientista. As pessoas do disco souberam de seus preparativos para conter o ataque? E o aparato de transmissão improvisado da área suportaria a tensão estupenda que seria colocada sobre ele se o raio caísse?

A primeira dessas perguntas foi respondida, surpreendentemente, às onze e quinze.

"Kendrick - oh, meu Deus!" exclamou Blake, irrompendo no laboratório. "Marjorie... eles a pegaram de novo! Olhe! Leia isto!"

Ele estendeu um pedaço de papel. Kendrick pegou, leu:

Sua filha será minha rainha, depois deste meio-dia.

"Onde você conseguiu isso?" ele engasgou.

"Um dos demônios invisíveis colocou-o em minha mão bem na rua, não faz cinco minutos", explicou Blake, tremendo de angústia. "Você percebe o que isso significa, Kendrick? Ela está no disco agora - e em escassos três quartos de hora..."

"Sim, eu percebi!" sua voz veio severamente. "E percebo, também, que eles não sabem seu destino. Eles vão ficar. Ainda faltam 45 minutos. Não podemos abandonar nossa defesa contra a arraia, nem mesmo por causa de Marjorie. Mas eu irei, Vou resgatá-la ou morrer com ela!"

E mesmo quando Blake silenciosamente estendeu a mão para segurar a do jovem determinado que estava diante dele. Kendrick tocou seu mecanismo de pulso e ficou invisível.

Uma vez na rua, ele também apertou o botão da escada rolante - e pela força das vibrações que se seguiram, ele sabia que devia estar muito perto daquela misteriosa zona de elevação.

Correndo um quarteirão para oeste, ele percebeu que estava ficando mais forte.

Correndo bastante agora, ele continuou em direção ao rio, avançando sem obstáculos nas ruas desertas. De repente, com um arrepio de exultação, ele se sentiu arrebatado, girado em direção àquela grande massa brilhante contra o sol.

"Que esperança?" ele estava pensando. "Que esperança possível?" E veio a resposta: Cor!

Alcançando o disco, ele desligou a influência da escada rolante e apressou-se pela cidade até aquela estrutura monumental de pedra verde-jade.

O pequeno e poderoso anão estaria lá em cima em seu brilhante apartamento de mosaico, ou em seu laboratório de ponta, talvez, pronto para puxar a alavanca que liberaria aquela estupenda rajada de calor.

Alcançando finalmente a porta adornada com joias dos aposentos do monarca, depois de escapar da detecção por um fio de cabelo mais de uma vez, ele apertou o botão do lado de fora, exatamente como o guarda havia feito da primeira vez.

Em resposta, a porta se abriu - e lá estava Cor.

Ele ficou parado ali por um instante, isto é, enquanto a expressão em seu rosto coriáceo ia de indagação a alarme. Então, quando Kendrick invadiu a sala e fechou a porta, ele ficou invisível.

Nesse mesmo instante, os olhos do jovem cientista contemplaram uma visão que fez seu coração disparar. Lá estava Marjorie, amarrada a uma cadeira, com uma expressão meio esperançosa, meio abatida no rosto.

"Sou eu... Gordon!" ele chamou. "Tenha coragem!"

"Oh, eu rezei para que você viesse - e você veio!" ela murmurou enquanto seu rosto se iluminava. Então, tensa, ela acrescentou: "A porta - cuidado!"

Kendrick girou, e bem a tempo. A porta estava se abrindo.

"Não tão rápido!" ele chamou, avançando.

Suas mãos agarraram o anão, puxaram-no para trás, estrangularam-no antes que pudesse emitir um grito e fecharam a porta.

Cor lutou como um louco, mas foi inútil. As mãos de Kendrick cortaram sua garganta como um torno. Depois de um momento ou dois, ele engasgou, relaxado.

Liberando seu aperto então, Kendrick tateou seu pulso, tirou sua pulseira - e então o anão se tornou visível. Seu rosto estava branco como massa de vidraceiro. Ele estava morto ou inconsciente.

Restaurando então sua própria visibilidade, ele avançou para Marjorie, libertando-a rapidamente.

"Pegue isso!" disse ele, entregando-lhe o bracelete de Cor.

Ela o vestiu.

"Agora vamos amarrá-lo e sair daqui. Ele pode estar morto, mas não podemos correr nenhum risco."

O anão não estava morto, porém, pois gemeu e abriu os olhos quando o colocaram na cadeira.

"Você venceu, professor - mas isso não lhe valeu nada!" Ele sorriu maliciosamente. "Minha captura, até mesmo minha morte, não impedirá o raio. As ordens foram dadas. Ele será projetado às doze em ponto. Você, mas vá para o seu destino!"

"Isso", disse Kendrick, "é uma questão de opinião."

Rapidamente eles o amarraram, amordaçaram-no.

"E agora", acrescentou, "desejamos-lhe um bom dia - e o destino que você merece!"

Então, voltando-se para Marjorie:

"Sua mão de novo!"

Havia uma nova ternura em seu calor suave que o emocionou.

Eles tocaram seus botões, ficaram invisíveis.

Silenciosamente, então, eles roubaram do apartamento. Rapidamente eles desceram para o saguão, correram pela cidade até o pátio âmbar, desceram até o alçapão.

Deve ser quase meio-dia, Kendrick sabia. Ele não podia olhar para o relógio, pois ele, assim como ele, era invisível. De fato, enquanto eles estavam parados ali, prontos para o mergulho, um leve assovio veio de baixo.

Marjorie tremeu.

"Estável!" ele falou. "Alguns deles sempre explodem um ou dois minutos antes. Você está pronto?"

"Sim!"

"Então aperte o botão - pule!"

Mesmo enquanto saltavam, veio o pensamento doentio de que talvez o raio da escada rolante não estivesse mais funcionando. Mas o medo era injustificado. Eles foram apanhados, girados suavemente para baixo.

Deslocando-se lateralmente, ao descerem, conseguiram pousar sem dificuldade no meio de uma rua deserta perto do laboratório da Consolidated Electric.

"Graças a Deus!" ela suspirou, quando seus pés tocaram a terra firme. Eles apertaram os dois botões, tornando-se visíveis mais uma vez.

"Eco!" ele concordou. "Então vamos-"

Mas Kendrick nunca completou essa frase - pois agora apitos por toda a área metropolitana, vindos das usinas geradoras, anunciavam a hora sinistra.

Era meio-dia. O ultimato havia expirado.

Levantando rostos tensos para o disco, eles esperaram. Aquele raio estupendo seria lançado de volta sobre si mesmo? Ou destruiria sua defesa improvisada, mergulhando-os e toda a grande metrópole no esquecimento?

De repente, cataclismicamente, a resposta veio.

Explodiu um turbilhão fulminante do disco. Ele atingiu aquele poderoso cátodo côncavo de ondas entrelaçadas acima da cidade. Seguiu-se um choque instantâneo de forças titânicas. Então o cátodo triunfou, atirou-o de volta.

Balançado por uma comoção de dois mundos em impacto, cego por um clarão que fazia a luz do sol parecer fraca em comparação. Marjorie e Kendrick se agarraram, enquanto o disco se transformava em um satélite de fogo de cálcio no céu.

Logo, quando a conflagração diminuiu, eles abriram os olhos. Gravemente, mas com profundo agradecimento, eles examinaram o rosto um do outro. Nelas, eles também lêem um profundo entendimento e uma nova esperança.

"Acho melhor irmos procurar o papai", ela disse por fim, baixinho.

"Eu também acho!" ele concordou.

Enquanto se dirigiam para o laboratório, uma poeira fina e pulverulenta, como cinza vulcânica, estava caindo.

Continuou a cair até que as ruas da cidade estivessem cobertas a uma profundidade de uma polegada ou mais.

Assim passou a ameaça de Vada.

Sobre a série de livros HackerNoon: trazemos a você os livros técnicos, científicos e de domínio público mais importantes. Este livro faz parte do domínio público.

Histórias Surpreendentes. 2009. Astounding Stories of Super-Science, agosto de 1930. Urbana, Illinois: Projeto Gutenberg. Recuperado em maio de 2022 dehttps://www.gutenberg.org/files/29768/29768-h/29768-h.htm#Page_260

Este eBook é para uso de qualquer pessoa em qualquer lugar, sem nenhum custo e quase sem restrições. Você pode copiá-lo, doá-lo ou reutilizá-lo sob os termos da Licença do Project Gutenberg incluída neste eBook ou online em www.gutenberg.org , localizado em https://www.gutenberg.org/policy/license. . _