O Mestre da Alma by@astoundingstories

O Mestre da Alma

tldt arrow
PT
Read on Terminal Reader

Muito longo; Para ler

O trem estava diminuindo a velocidade para Keegan. Um apito da locomotiva à frente alertou os dois jovens alertas no fumante para esse efeito, e eles se levantaram para deixar o trem. Ambos estavam bem vestidos e discretamente. Um carregava uma câmera de tamanho médio com o tripé necessário e a bolsa de acessórios. O outro não carregava nenhum tipo de impedimento. Ambos fumavam charutos, evidentemente não de variedade cara, a julgar pela atmosfera pouco aromática que havia ali.

People Mentioned

Mention Thumbnail
Mention Thumbnail

Companies Mentioned

Mention Thumbnail
Mention Thumbnail

Coin Mentioned

Mention Thumbnail
featured image - O Mestre da Alma
Astounding Stories HackerNoon profile picture

@astoundingstories

Astounding Stories

Dare to dream. Dare to go where no other has...

Aprender mais
LEARN MORE ABOUT @ASTOUNDINGSTORIES'S EXPERTISE AND PLACE ON THE INTERNET.
react to story with heart

Astounding Stories of Super-Science, março de 1930, por Astounding Stories faz parte da série de postagens de blogs de livros de HackerNoon. Você pode pular para qualquer capítulo deste livro aqui . O Mestre da Alma

O Mestre da Alma

Por Will Smith e RJ Robbins

image

Uma força terrível emanava daquele globo diabólico acima.

O trem estava diminuindo a velocidade para Keegan. Um apito da locomotiva à frente alertou os dois jovens alertas no fumante para esse efeito, e eles se levantaram para deixar o trem. Ambos estavam bem vestidos e discretamente. Um carregava uma câmera de tamanho médio com o tripé necessário e a bolsa de acessórios. O outro não carregava nenhum tipo de impedimento. Ambos estavam fumando charutos, evidentemente não de variedade cara, a julgar pela atmosfera pouco aromática ao redor.

 Desperately O'Hara plunged into Prof. Kell's mysterious mansion. For his friend Skip was the victim of the eccentric scientist's de-astralizing experiment, and faced a fate more hideous than death.

“Não consigo entender por que Bland nos despachou para este lixão de um cavalo”, resmungou Skip Handlon, o único 351que carregava a câmera. Ele era o mais magro dos dois e talvez meia cabeça mais baixo que o outro. "Você sabe alguma coisa sobre isso?"

“Não muito”, confessou o outro ao descer do fumante. “Tudo o que posso dizer é que Bland me chamou esta manhã, me disse para arrancar uma história desse professor Kell e arrastá-lo junto. Depois que chegarmos lá, você deve fazer o que o julgamento ditar. Mas eu me lembro que o Chefe foi específico em uma coisa. Você deve pegar a caneca do professor. Não se esqueça. O velho pode rosnar e mostrar luta, mas cabe a você entregar a mercadoria – ou, neste caso, pegá-la. Não dependa de mim para obter ajuda. Espero ter meus próprios problemas. Assim ficou sombrio Horace Perry, repórter estrela do Journal.

image

“Este lugar Keegan” – Handlon estava usando seus olhos rápida e compreensivamente – “não vale muito. Não consigo ver como ele consegue classificar um nome. Algum lixo, tudo bem!

"Você disse algumas garfadas."

“Como está o serviço de trem, se houver?”

"Podre. Dois trens por dia. O outro era tudo menos entusiasmado. “Temos uma longa espera pelo próximo, pode apostar. Agora, basta adicionar a isso uma recepção difícil depois que chegarmos à toca do velho leão e você terá uma boa ideia do que Bland espera de seus homens.

Handlon fez uma careta ao ouvir isso. “O pássaro que primeiro aplicou as palavras 'Hard Boiled' ao apelido do chefe sabia de algo.”

“Você não sabe nem a metade”, retorquiu Perry, encorajando-o. “Apenas espere e veja que belo ataque ele pode fazer em seu benefício se você falhar em fazer suas coisas – e não quero dizer talvez.”

O velho Bland era dono do Journal, contratava e demitia sua equipe e fazia sua própria edição, com a ajuda de uma equipe de escritório tão capaz quanto possível. É bem possível que “Hard Boiled” Bland tenha exigido mais de seus homens do que qualquer outro editor antes ou depois. No entanto, ele obteve resultados, e nenhum de seus subordinados experientes jamais chutou, pois o pagamento era justo. Se um infeliz escriba tivesse a ousadia de entrar no santuário editorial com um relatório negativo, a resposta quase invariável era um olhar furioso e uma ordem peremptória: “Pegue a cópia”.

E conseguiram. Se uma pessoa recusasse uma entrevista, esses camaradas inteligentes geralmente conseguiam obter suas informações da próxima fonte mais confiável, e elas chegavam impressas da mesma forma.

De tal raça era Perry. Handlon, sendo uma aquisição mais recente para a equipe, ainda não era especialmente agressivo em seu trabalho. Por conta disso, o primeiro teve grande prazer em assustá-lo e fazê-lo exibir um pouco mais de areia.

O trem havia desaparecido em uma curva e os dois repórteres se sentiram abandonados. Keegan, sem dúvida, era um local de aparência desamparada. Uma cabana sombria, piorada pelo tempo, ficava ao lado da trilha. Na frente, algumas tábuas apodrecidas proclamavam que outrora o local ostentara uma verdadeira plataforma de carga. Provavelmente, em alguma época há muito esquecida, um agente da estação também havia resistido na frágil favela. Uma placa pendurada em cada extremidade da estrutura em ruínas na qual ainda podia ser decifrada a legenda “KEEGAN”. No lado oposto da pista havia um desvio antigo e abandonado. A única outra característica interessante por ali era uma estrada rural bastante movimentada que cruzava os trilhos perto da favela, serpenteava sinuosamente sobre uma colina coberta de pedras e se perdia nos labirintos de uma floresta montanhosa.

Não havendo nenhum tipo de placa indicando seu destino, os dois, após um momento de hesitação, partiram rapidamente em uma direção casual. O ar estava quente e abafado, e nos espaços abertos o sol batia impiedosamente sobre os dois infelizes. Enquanto avançavam para as profundezas da floresta, eles foram protegidos do pior do calor. Gradualmente, em suas narinas criadas na cidade, invadiu o odor de coníferas, acompanhado por uma miríade de outros odores da floresta. Ambos cheiraram o ar apreciativamente.

“Isto é a vida”, comentou Perry. “Se eu não estivesse com tanta sede agora...” Ele se perdeu em pensamentos tristes.

PASSOU UM TEMPO CONSIDERÁVEL. Os jornalistas caminharam com dificuldade até que finalmente outra curva os levou ao início de uma descida íngreme. A floresta havia se reduzido a nada.

“Parece que estou sentindo cheiro de fumaça”, disse Handlon de repente. “Deve ser porque estamos nos aproximando do covil do grupo antigo. Lembrar? Bland disse que ele...”

“Uh huh!” o outro grunhiu, quase inaudivelmente. Agora que pareciam estar chegando ao destino, algo lhe ocorrera. Ele havia tirado do bolso um maço de recortes e os examinava atentamente. “Bland disse, 'Pegue a cópia',” ele murmurou irrelevante e meio para si mesmo.

Todos os recortes relacionados diretamente ao professor Kell ou aos acontecimentos locais de Keegan. Alguns eram de interesse peculiar. A primeira tinha o seguinte título:

A peça continha uma descrição do homem desaparecido, um banqueiro bastante próspero que havia sido visto quatro dias antes dirigindo por Keegan em um pequeno roadster, e uma da garota, que estava no carro com ele. Dizia que o banqueiro e sua filha foram vistos pela última vez por um fazendeiro chamado Willetts, que morava em uma cabana na estrada East Keegan, fugindo de uma forte tempestade. Ele acreditava que a dupla estava tentando fazer a mansão Kell antes da chuva. Nada mais dos Manions ou de seu carro foi visto, e seus pertences pessoais permaneceram em seu hotel em um vilarejo próximo não reclamados. É claro que a chuva forte obliterou com eficácia todos os rastros das rodas.

Outro recorte era bastante longo, mas Perry olhou apenas para as manchetes:

KELL AINDA REALIZANDO SEUS ESTRANHAS EXPERIMENTOS

Há muito tempo é conhecido por ter teorias fantásticas. Recusa-se a divulgar os métodos exatos empregados ou a natureza dos resultados

Ainda outro parecia ser um trecho de um artigo em um jornal agrícola. Ele dizia:

Um touro premiado pertencente a Alton Shepard, um criador de gado Keegan, criou considerável sensação ao correr de forma muito peculiar. Embora aparentemente mais inteligente do que antes, desenvolveu características conhecidas por serem totalmente estranhas a esse tipo de animal.

Talvez a característica mais notável do caso seja a recusa do animal em comer sua comida habitual. Em vez disso, agora consome enormes quantidades de carne. O rugido terrível da voz do animal também sofreu uma mudança marcante, agora não se parecendo com nada terreno, embora alguns tenham observado que poderia ser comparado ao latido de um cão enorme. Algumas de suas ações posteriores aparentemente adicionaram mais atributos caninos, o que torna o assunto ainda mais misterioso. Os veterinários estão perguntando por que esse animal deveria perseguir automóveis e por que deveria carregar ossos em sua boca e tentar enterrá-los!

O último dizia em parte:

O professor Kell foi interrogado pelas autoridades de Keegan em relação ao desaparecimento de Robert Manion e sua filha na última terça-feira. Kell parecia incapaz de fornecer pistas de qualquer valor, mas os funcionários não estão totalmente satisfeitos com a atitude do homem em relação às perguntas.

Um tanto confuso com esses itens aparentemente não relacionados, o repórter permaneceu perdido em pensamentos por um bom tempo, enquanto se esforçava para mapear seu curso de ação quando deveria encontrar o temível Professor. Que muitas das ocorrências estranhas pudessem ser atribuídas de alguma forma à porta do último, evidentemente ocorreu a Bland. Além disso, o Velho contava implicitamente com Perry para obter resultados.

Deve-se dizer que, pela primeira vez, o repórter estrela não estava muito entusiasmado com a tarefa. Certos rumores, além dos recortes em sua mão, produziram em sua mente uma sensação de inquietação. No que diz respeito à sua preferência pessoal, ele ficaria muito satisfeito se algum repórter novato tivesse recebido o trabalho. Por mais que tentasse, no entanto, ele não conseguia oferecer nenhuma razão tangível para a repentina cautela.

Ele foi despertado de sua absorção por seu companheiro.

“Pensei ter sentido cheiro de fumaça por um tempo Voltei, e eu estava certo. Essa é a casa na beira dos pinheiros. Terrenos profundos na frente e todos sem sementes; se encaixa exatamente na descrição. Graças a Deus saímos da estação na direção certa. Este passeio já foi longo o suficiente. Saia dessa e vamos terminar esse trabalho.”

Adequando a ação às palavras, Handlon começou em um ritmo acelerado descendo a colina, seguido em um ritmo mais moderado por Perry. Por fim, eles chegaram à plena vista do terreno. Estendendo-se por uma distância considerável diante deles e envolvendo uma grande extensão de terra agora bem coberta com grama exuberante, havia uma parede de aparência formidável. Antigamente, um glorioso manto de hera cobria as pedras brutas; mas agora havia pouco sobrando, e o que havia parecia lamentavelmente decrépito. Eles continuaram seu progresso ao longo dessa barreira, finalmente chegando a um enorme portão de ferro agora muito pior pela ferrugem. Estava bem aberto.

A estrada que levava à casa há muito estava coberta de grama alta e ervas daninhas. Vagamente rastreável através da massa verde, podia-se ver uma trilha áspera que os dois seguiram cuidadosamente. Eles não encontraram ninguém. À medida que se aproximavam da noite de pinheiros negros, a massa da velha mansão começou a surgir diante deles, sinistra e ameaçadora.

Instintivamente, ambos estremeceram. O silêncio do lugar era completo e de uma qualidade estranhamente tangível. Nervosos, eles olharam em volta.

"Você gostou, Skip?" As palavras dos lábios anteriormente silenciosos de Perry romperam o silêncio como um trovão. O outro começou.

“Eu odiaria morrer nele,” Handlon respondeu solenemente. “Aposto que a velha espelunca é assombrada. Ninguém além de um lunático jamais viveria nele.

“Eu mesmo tenho a mesma impressão”, disse Perry. “Não me surpreende que Bland tenha enviado dois de nós para cobrir o trabalho.”

Enquanto falava, ele subiu um lance de escadas até uma varanda em ruínas. Não havia sinal de campainha no portal castigado pelo tempo, mas uma antiga aldrava de bronze pendurada desamparadamente diante dele parecia sugerir um meio de atrair a atenção. Ele levantou e bateu com inteligência.

NENHUMA resposta.

Possuindo todos os atributos do repórter convencional e alguns adicionais, Perry não se permitiu desanimar, mas apenas repetiu sua convocação, desta vez com mais vigor.

“Bem, Horace”, sorriu Handlon, “parece que não fomos muito bem-vindos aqui. No entanto, parece-me que se você pegasse aquele pedaço de galho morto e batesse de verdade com ele... O querido professor pode ser surdo, sabe, ou talvez ele seja...

“Skip, meu rapaz, afinal não sei se devemos entrar agora. Você percebe que logo vai escurecer?

“Para dizer a verdade, Horace, também não estou preso a esta tarefa. E sinto que depois de escurecer eu gostaria ainda menos, de alguma forma. Mas, caramba, o Velho...”

“Ah, não estou pensando em largar o emprego. Não fazemos isso no Journal. Perry sorriu paternalmente para o fotógrafo. Será que ele havia aumentado propositalmente as esperanças do outro para zombar dele um pouco mais? “Mas eu estava pensando que seria uma boa ideia dar uma olhada nas dependências enquanto temos um pouco de luz do dia. Eh?"

Handlon pareceu desapontado, mas assentiu corajosamente. Ele demorou apenas o tempo suficiente para depositar sua câmera e armadilhas atrás de uma hortênsia grosseiramente crescida nos degraus, então, com um ar resignado, declarou-se pronto para seguir onde quer que o outro o levasse.

Perry decidiu explorar o celeiro primeiro. Era uma pilha velha e deprimente, sem pintura há anos, com o que antes eram portas robustas agora balançando e batendo na brisa leve. À medida que os dois homens se aproximavam, esta brisa – que 355pareciam suspirar pelo lugar à vontade - traziam odores fétidos que lhes diziam que o lugar pelo menos não era inquilino. Com alguma apreensão, eles entraram e ficaram piscando na meia-escuridão.

“Linda Polly!”

"Bom Deus! O que é que foi isso?" Handlon sussurrou. Ele sabia que não era a voz de um papagaio. Este era um som muito mais profundo do que aquele, um som mais alto do que qualquer coisa que a garganta de um papagaio pudesse produzir. Veio da direção de uma barraca em ruínas perto de uma janela com teias de aranha. Enquanto Perry avançava temeroso em sua direção, ouviu-se um curioso som de raspagem, seguido por uma queda que sacudiu o chão e um bater de cascos. Agora a grande voz podia ser ouvida novamente, desta vez proferindo o que soava estranhamente como juramentos rugidos em uma língua estrangeira. No entanto, quando os jornalistas chegaram à barraca, encontraram-na ocupada apenas por uma grande mula.

O animal estava deitado de lado, as patas raspando debilmente contra a lateral do estábulo. O corpo arfante e salpicado de espuma era uma massa de hematomas horríveis, alguns dos quais sangravam profusamente. A criatura parecia estar no último estágio de exaustão, deitada com os lábios repuxados e os olhos fechados. Abaixo dele e espalhado por todo o chão da baia havia uma espessa camada de algumas sementes esbranquiçadas.

“Isso é—porque isso é semente de girassol, Horace!” Handlon quase choramingou. "E olhe! Olhe naquele berço! Está cheio das mesmas coisas! Onde está o feno, Horace? Será que essa coisa--”

Ele foi interrompido por um poderoso movimento da besta - uma debulha que quase cegou os homens na nuvem de sementes manchadas de sangue que levantou. Com algo entre um xingamento e um soluço, a mula se lançou contra o berço como se tentasse entrar nele. Mas não: estava apenas tentando se empoleirar em sua borda! Agora tinha conseguido. A besta desajeitada ficou pendurada ali um segundo, dois, três. De sua garganta erguida saiu aquela frase geralmente inócua, uma frase agora uma coisa delirante horror:

“Linda Polly!”

Com um estrondo, a criatura torturada caiu no chão, ficando ali ofegante e gemendo.

Skip Handlon deixou aquele celeiro. Perry reteve a sagacidade apenas o suficiente para fazer o que deveria ter feito no instante em que viu o animal pela primeira vez. Ele sacou sua automática e disparou um tiro misericordioso. Então ele também partiu para fora. Ele chegou ao pátio talvez dez segundos atrás de Handlon.

“Deus do céu, Perry”, balbuciou Handlon. “Eu não vou ficar neste lugar nem mais um minuto. Apenas deixe-me descobrir onde deixei aquela câmera sofrida, é tudo o que peço.

“Fácil agora.” Perry pôs a mão no ombro do companheiro. “Acho que estamos enfrentando algo muito feroz aqui, mas vamos até o fim, e você sabe disso. Então, vamos parar com a conversa de voo e levantar o professor.

Handlon tentou sinceramente mostrar uma aparência de determinação. Se Perry estava decidido a ficar aqui, o mínimo que podia fazer era ficar com ele. No entanto, se Perry pudesse ter previsto os eventos que os enredariam, ele provavelmente teria liderado a corrida até o portão. Como era, ele agarrou uma vara e marchou bravamente em direção à porta da frente.

Uma comoção repentina atrás dele o fez girar bruscamente. Simultaneamente, um grito irrompeu de Handlon.

“Cuidado, Horácio!”

O que ele viu quase congelou o sangue em suas veias. De uma cocheira em ruínas saiu um enorme cão de caça que agora estava quase sobre eles, olhos flamejantes, presas brilhando horrivelmente.

O ataque foi tão inesperado que os dois homens ficaram paralisados. No momento seguinte, o bruto atacando estava sobre eles, e tinha jogado Handlon Perde o equilíbrio como se fosse uma criança. O infeliz fotógrafo fez uma tentativa desesperada de evitar ferimentos em sua preciosa câmera, que ele havia conseguido recuperar apenas um momento antes, e ao fazê-lo caiu violentamente no chão. A cada momento esperava sentir as mandíbulas poderosas esmagando sua garganta e não fez nenhum esforço para se levantar. Por vários segundos ele permaneceu assim, até que não aguentou mais o suspense. Ele olhou ao redor apenas para ver Perry, olhando boquiaberto para o animal que tanto os assustara. Aparentemente havia esquecido a presença dos dois homens.

Handlon levantou-se um tanto desajeitadamente, enquanto mantinha um olhar atento sobre a besta, de cujo temperamento incerto ele agora estava totalmente ciente. Em voz baixa, ele se dirigiu a seu companheiro.

"O que você acha disso?" ele queria saber. “O bicho te mordeu?”

"Não. Essa é a parte estranha disso. Nem ele mordeu você, se você pensasse por um minuto. Basta colocar o nariz para baixo e bater em você, de frente.

O fotógrafo ficou pasmo. Involuntariamente, seu olhar se desviou novamente na direção do bruto ofensor.

“Que diabos–” ele começou. “Ele está afiando os dentes em uma rocha em preparação para outro ataque contra nós? Ou... O que diabos ele está fazendo?

“Se você quer saber,” veio surpreendentemente do vigilante Perry, “ele está comendo grama, que é minha ideia de algo muito tolo para um cão perfeitamente normal, gênero lupo, ser – Cuidado!”

O animal, como se de repente se lembrasse da presença dos homens, de repente investiu contra eles novamente, cabeça baixa, olhos flamejantes. Como antes, não fez nenhum esforço para morder. Embora os dois homens estivessem um tanto desconcertados com o grande animal, eles se mantiveram firmes e, quando surgiu a oportunidade, o repórter mais velho deu um chute terrível no flanco que fez o animal ganir de volta para o galpão atrás dele.

“Marque um”, sussurrou Handlon. “Se nós...” Com um som súbito acima de sua cabeça, ele parou.

Ambos se viraram para encarar o cano ameaçador de um antigo bacamarte. Atrás dele havia um semblante irado, quase coberto por uma barba não aparada de uma cor cinza suja. Nos olhos que agora os encaravam malévolos através de óculos fortemente côncavos, eles liam um ódio indescritível. O cano do bacamarte balançava ligeiramente enquanto cobria alternadamente um e outro. Ambos sentiram que o dedo, mesmo agora apertando o gatilho, não hesitaria indevidamente. Sendo mais ou menos endurecidos por rejeições de todos os tipos no cumprimento de sua vocação, os repórteres não hesitaram em declarar seu propósito.

"O que?" gritou o velho. “Você se atreve a invadir meus terrenos e me perturbar em meus trabalhos por tal motivo? Repórteres! Meu trabalho de pesquisa científica não é para publicidade, senhores; e, além disso, quero que fique claro que não devo ser arrastado de meu laboratório novamente com o propósito de entreter você ou qualquer outro de sua laia. Cai fora!"

Sem mais delongas a janela foi fechada, uma persiana fechada por dentro, e mais uma vez o silêncio dos mortos desceu sobre o local. Os dois homens sorriram tristemente um para o outro, Handlon finalmente quebrando o silêncio.

“Minha ideia da conversa unilateral original do mundo. Nós simplesmente não conversamos – e ainda assim deveríamos ser repórteres. Você tem que reconhecer o Prof, Horace, pelo belo triturador de pedras que ele acabou de nos entregar.

“Você não achou que tínhamos nada fácil, não é?” disse Perry irritado. "Ele vai mudar de tom logo, quando..."

O queixo de Handlon caiu. “Você não quer dizer que vai se arriscar mais! Você o despertaria novamente depois da maneira como ele nos tratou 357com aquela arma? Além disso, o trem...”

Perry lançou um olhar mordaz para seu companheiro. “O que diabos o trem tem a ver com conseguirmos a confissão de crime do professor ou o que quer que ele tenha a oferecer? Você evidentemente não conhece muito o Bland. Deduzo que muito da minha doçura foi desperdiçada no ar do deserto. Mais uma vez, deixe-me assegurar-lhe que, se você pretende voltar sem a caneca do Proff em um daqueles pratos, pode enviar sua demissão daqui. Me pega?"

O outro murchou.

“Eu me pergunto,” Perry ruminou enquanto olhava na direção do galpão onde a monstruosidade canina havia desaparecido. “Você acha que pode tirar uma foto da cara do velho se eu conseguir levá-lo até a janela de novo? Se você pode fazer isso, deixe o resto comigo. Já lidei com esses pássaros duros antes. O quê dizer?"

“Vá até onde quiser.” O fotógrafo estava mais uma vez sorrindo enquanto tirava sua câmera do ombro e ajustava cuidadosamente uma placa no lugar. Finalmente, para sua satisfação, ele agarrou a panela e a lâmpada do flash.

“Vou fazer barulho agora”, anunciou Perry severamente. “Se Kell aparecer, trabalhe rápido. Ele pode atirar em você, mas não se empolgue. Está quase escuro, então a pontaria dele pode ser ruim.

Diante dessa sugestão, seu companheiro deu sinais de pânico, mas o outro fingiu não perceber isso. Houve um barulho ensurdecedor quando Perry bateu um tatuagem incrível na porta antiga. Seguiu-se um silêncio profundo, enquanto Perry saltava para trás para ficar na frente de Skip e sua câmera. Depois de esperar talvez um minuto completo, ele mais uma vez abriu seu bombardeio, para pular rapidamente de volta para a câmera como antes. Desta vez, ele teve melhor sucesso. A janela foi novamente aberta e a boca do bacamarte apareceu. Handlon ficou logo atrás de Perry enquanto ele silenciosamente colocava a câmera em uma posição mais favorável para a ação. O rosto na janela estava roxo de raiva.

“Seus malditos insetos! Deixe meus terrenos imediatamente ou chamarei meu cão e o colocarei em cima de você. E quando--"

RACHADURA! Instantâneo! Clique! Perry fez um súbito movimento lateral quando Handlon entrou em ação.

“Muito obrigado, professor”, disse Perry educadamente. “Sua pose com aquele velho canhão vai ser muito eficaz na primeira página. A redação, sem dúvida, também será interessante. Provavelmente a história não será tão precisa quanto seria se você mesmo a tivesse contado; mas obteremos tantos detalhes quanto pudermos dos nativos das redondezas. Bom dia para o senhor!"

Apontando para o outro, ele girou nos calcanhares e começou a descer a entrada da garagem. Era um velho truque e, por um longo momento de suspense, ele quase temeu que falhasse. Outro momento––

"Espere!" A voz trêmula do velho vilão irascível havia perdido um pouco de sua malícia. "Volte aqui um minuto."

Com relutância simulada, os dois lentamente refizeram seus passos. — Há mais alguma coisa, senhor?

“Talvez...” O velho hesitou, como se refletisse sobre suas palavras. “Talvez, se você quiser intervir, eu possa ajudá-lo, afinal. Ocorre-me que possivelmente fui muito abrupto com você.

“Estou muito feliz por você ter decidido cooperar conosco, professor Kell”, respondeu o repórter com entusiasmo, enquanto subiam os degraus. A cabeça do velho desapareceu da janela e logo o som de passos lá dentro anunciou sua aproximação. Finalmente a porta de carvalho se abriu e eles foram conduzidos silenciosamente para o corredor com cheiro de mofo. Embora aparentemente aceitasse a atitude repentinamente pacífica do professor, Perry decidiu ficar em guarda.

358

Ao entrarem no que evidentemente havia sido a sala de estar em tempos passados, um odor pesado e opressivo invadiu suas narinas, revelando tapetes antigos e cortinas que haviam se deteriorado sem serem notados. Nas paredes estavam penduradas várias gravuras antigas, um retrato mal executado a crayon de uma pessoa sem dúvida um ancestral do atual Kell, e uma ou duas pinturas feitas a óleo, agora muito rachadas e manchadas. Tudo dava a impressão de uma era há muito passada, e os dois homens se sentiam vagamente deslocados. O anfitrião os conduziu a um par de cadeiras dilapidadas, que eles aceitaram com gratidão. A viagem para Keegan depois de um árduo dia de trabalho não melhorou o ânimo deles.

“Agora vamos aos negócios.” Perry foi direto ao ponto, desejando terminar a entrevista o mais rápido possível. “Ouvimos indiretamente de vários acontecimentos nesta vizinhança que muitos pensam ter alguma conexão com seus experimentos científicos. Qualquer declaração que você queira nos fazer em relação a esses acontecimentos será muito apreciada por meu jornal. Visto que o pouco que já foi impresso é provavelmente de natureza errônea, acreditamos que será do seu interesse nos fornecer os dados mais completos possíveis.” Aqui ele se tornou um pouco histriônico. “Claro que não nos permitimos tomar as histórias contadas pelos habitantes locais muito literalmente, pois essas pessoas são muito propensas a exagerar, mas devemos assumir que algumas dessas histórias têm base parcial nos fatos. Qualquer informação relativa ao seu trabalho científico, aliás, será uma boa cópia para nós também.”

Perry olhou fixamente para o patriarca enquanto ele falava. Por um momento, uma expressão astuta passou pelo rosto do velho, mas de repente ela desapareceu. Evidentemente ele havia chegado a uma decisão.

"Venha comigo", ele ofegou.

Os dois jornalistas trocaram olhares rápidos, o mesmo pensamento na mente de cada um. Eles estavam prestes a cair em uma armadilha? Se a reputação obscura do velho fosse merecida, eles fariam bem em serem cautelosos. Perry pensou rapidamente nos recortes que havia lido e nas fofocas que ouvira, então olhou mais uma vez na direção de Handlon. Aquele digno estava sorrindo significativamente e já havia se levantado para seguir o professor. Relutantemente, Perry levantou-se e os três começaram a subir uma escada bamba até o terceiro andar. O guia virou no alto da escada e entrou em um longo corredor escuro. Aqui o chão estava coberto por um tapete grosso que, ao pisar nele, não emitia o menor ruído.

O corredor dava para várias salas, todas escuras e sombrias e dando a mesma impressão sombria de longo desuso. Como o sábio poderia suportar uma morada tão deprimente! O acúmulo de poeira e teias de aranha nessas câmaras há muito esquecidas, a evidência geral de decadência - tudo indicava possíveis horrores à frente. Eles ficaram cautelosos.

Mas eles não foram cautelosos o suficiente!

A figura grosseira à frente deles havia parado e se atrapalhava com a fechadura de uma porta antiga. Instintivamente Perry notou que era de grande espessura e de carvalho pesado. Agora o Professor a tinha aberto e fazia sinal para que entrassem. Handlon avançou ansiosamente, mas recuou apressadamente ao sentir a mão do outro repórter em seu braço.

“Volte, seu tolo!” As palavras foram sussurradas no ouvido do incauto. Então, para o professor, Perry observou: “Se você não tem nenhuma objeção, preferimos que você nos preceda.”

Um olhar de fúria insana saltou para o rosto do velho, demorou apenas um instante e se foi. Embora a expressão fosse apenas momentânea, os dois homens tinham visto, e vendo perceberam o perigo.

ELES o seguiram até a câmara, que logo foi iluminada intermitentemente por uma lamparina fumegante de querosene. Ambos 359fez um rápido levantamento do local. É concebível que possa ter sido cenário de experimentos científicos, mas seu aspecto certamente desmentia tal suposição. A imaginação média diria instantaneamente que é a morada de um maníaco ou o covil de um alquimista. Mais uma vez, que poderia ser o laboratório de um veterinário extremamente desleixado foi sugerido pelas várias gaiolas imundas que podem ser vistas encostadas na parede. Todos estes estavam desocupados, exceto um em um canto escuro, do qual saiu um som de ronronar satisfeito, evidentemente falando de algum gato bem satisfeito.

O ar era abafado e fétido, pesado com o cheiro de mofo e drogas podres. Em todos os nichos e recantos possíveis, a poeira onipresente havia se depositado em um brilho uniforme de cinza que mostrava poucos sinais de perturbação recente.

“Aqui, cavalheiros”, dizia o anfitrião, “é onde realizo meu trabalho. É bastante sombrio aqui depois de escurecer, mas não passo muito tempo aqui durante a noite. Decidi apresentar-lhe alguns dos detalhes de um ou dois de meus experimentos. Sem dúvida você os achará interessantes.

Enquanto falava, ele, mecanicamente parecia, alcançou um umidificador de vidro no qual havia talvez uma dúzia de charutos. Silenciosamente, ele selecionou um e estendeu o resto aos dois visitantes.

Depois de os três terem fumado por um momento nas ervas daninhas, o velho começou a falar, rapidamente, pareceu-lhes. Perry tomava notas de vez em quando, enquanto o velho prosseguia, uma expressão de total espanto gradualmente se espalhando por seu rosto. Handlon afastou-se satisfeito de seu charuto, e em suas feições surgiu uma expressão quase ridícula de bem-estar. O simples fotógrafo estava tão à vontade que finalmente abandonou qualquer pensamento de possível perigo?

À medida que o professor Kell falava, ele parecia se entusiasmar com o assunto. Ao fim de cinco minutos, ele começou a descobrir um aparato peculiar que repousava sob a velha e maciça mesa diante da qual estavam sentados. Os dois homens captaram o flash de luz no vidro e uma confusão de fios enrolados tornou-se visível.

O ar no laboratório estava ficando insuportavelmente próximo? Ou a estranha sensação de peso que tomara conta dos pulmões de Perry era apenas uma indicação de seu cansaço avassalador? Ele sentiu uma irritação cada vez maior, como se, por algum motivo estranho, de repente se ressentisse das palavras de seu anfitrião, que pareciam estar fluindo em um fluxo interminável. O charuto tinha, paradoxalmente, uma qualidade estranhamente reconfortante, e ele deu uma baforada em silêncio.

Por que a sala de repente assumiu um aspecto tão nebuloso? Por que Handlon sorriu daquele jeito idiota? E o Professor... estava cada vez mais longe... aquele perfecto... ou seria um El Cabbajo? Afinal, o que o velho arqui-inimigo estava fazendo com ele?... Por que ele estava rindo e olhando de soslaio para eles tão horrivelmente?... Que confusão... aquele charuto... onde estava?... Só mais uma baforada. ...

Cegamente ele tateou em busca da erva que faltava, percebendo uma gargalhada divertida por perto. O professor Kell estava parado perto do local onde ele havia caído e agora começou a cutucá-lo desdenhosamente com o dedo do pé.

“Idiotas!” ele estava dizendo. “Você pensou em interferir no meu programa. Mas você está em meu poder e não tem esperança de escapar. Sou inesperadamente fornecido com mais assuntos para meus experimentos. Você vai...” Suas palavras tornaram-se nebulosas e ininteligíveis, pois o infeliz repórter estava caindo em um esquecimento entorpecido. Ele havia perdido há muito tempo o poder de mover um músculo. Com o canto do olho, pouco antes de perder completamente a consciência, ele percebeu Handlon caído no chão ainda fumando o fatídico charuto drogado.

EONS passou.

Ao repórter veio a visão de um inferno latejante e ofuscante, onde ele foi sacudido e jogado por forças terríveis. Sua própria essência vital parecia responder a uma poderosa vibração. Agora ele era apenas uma parte de algum caos terrível. Vagamente, ele percebeu outro ser com quem deveria lutar. Agora ele estava em uma luta mortal e, para seu horror, viu-se sendo lenta mas seguramente dominado. Um sorriso demoníaco apareceu nas feições do outro enquanto ele forçava o repórter a ficar de joelhos. Era Handlon... Mais uma vez ele estava afundando em suave esquecimento, enquanto um horrível miasma assaltava suas narinas. Ele não era nada....

LENTAMENTE, e com esforço infinito, Perry sentiu-se voltando à consciência, embora não tivesse uma noção clara do que o rodeava. Seu cérebro ainda não passava de um turbilhão de sons confusos, cores e – sim, odores. Uma brecha temporária surgiu na nuvem mental que restringia suas faculdades, e as coisas começaram a tomar forma definitiva. Ele percebeu que estava deitado de costas em alguma elevação do chão. Novamente o íncubo nublado se aproximou e ele não sabia mais nada.

Quando finalmente recuperou o uso de suas faculdades, descobriu-se possuidor de uma violenta dor de cabeça. A dor era tão terrível que era quase insuportável. A lâmpada ainda crepitava fracamente onde o professor a havia deixado. No momento estava a ponto de sair completamente. O repórter notou isso, e sobre ele roubou uma sensação de pânico. E se a luz falhasse completamente, deixando-o deitado no escuro neste lugar assustador? Ainda tonto e enjoado, ele conseguiu erguer-se sobre os cotovelos o suficiente para completar um levantamento da sala. Ele ainda estava no laboratório do professor Kell, mas aquele digno havia desaparecido. De Handlon não havia sinal. O misterioso aparato, do qual ele agora tinha apenas uma vaga lembrança, também havia desaparecido.

Seus pensamentos tornaram-se confusos novamente e, cansado, ele passou a mão pela testa no esforço de reunir todas as suas faculdades. A lâmpada começou a crepitar, despertando-o para a ação. Desesperadamente, ele lutou contra a sensação de entorpecimento que estava novamente se aproximando dele. Gradualmente, ele ganhou a ascendência. Ele lutou vertiginosamente para ficar de pé e deu alguns passos hesitantes.

Onde estava Handlon? Ele decidiu que seu amigo provavelmente se recuperou da droga primeiro e foi embora, possivelmente para chamar um médico para ele, Perry. No entanto, ele deve fazer algumas pesquisas para determinar se Skip realmente deixou o local.

Ao passar pela porta aberta, a lamparina em sua mão deu uma última piscada desesperada e apagou. De lá, ele foi forçado a tatear seu caminho pelo corredor escuro até as escadas. Ele nunca conseguiu se lembrar de como chegou ao andar de baixo, pois ainda não havia passado todo o efeito da poderosa droga. Ele tinha uma vaga lembrança de ser grato ao antepassado de Kell que forneceu tapetes tão grossos nesses salões. Graças a eles, seus passos eram silenciosos, de qualquer forma.

Qual era o real objetivo de Kell ao dar a eles aqueles charutos com drogas? ele se perguntou. Há quanto tempo eles estavam sob a influência do material letal? Certamente várias horas. Ao olhar pela janela do corredor, ele descobriu que lá fora estava a escuridão da meia-noite.

Cautelosamente, ele explorou os aposentos desolados no andar térreo: a cozinha - onde podia ser claramente visto que algum tipo de cozimento havia sido feito - o celeiro e o depósito de lenha. Não conseguiu encontrar nenhum ser vivo, nem mesmo o enorme cão de caça que os atacara de maneira tão estranha naquela tarde.

A essa altura, ele estava francamente preocupado com Handlon. Naquele momento, ele poderia saber o destino real que havia ultrapassado seu companheiro, é bem provável que ele 361enlouqueceram. Ele tropeçou para trás e entrou no corredor escuro da frente, gritando o nome do amigo. A resposta foi um eco oco, e uma ou duas vezes ele pensou ter ouvido o fantasma de uma risada zombeteira.

Por fim, ele desistiu da busca e partiu para a porta, concentrado agora apenas em fugir do local amaldiçoado. Ele relataria tudo ao escritório e deixaria Bland fazer o que quisesse. Sem dúvida Handlon já havia partido. Então ele tropeçou na câmera de Handlon. Evidentemente, o Professor havia se esquecido de tomar posse dela. Isso deve ser resgatado, a todo custo. Ele o pegou e sentiu a placa exposta ainda dentro. Ele começou novamente para a porta.

A pouca luz que havia se apagou e ele sentiu uma horrível sensação de fraqueza. Novamente veio um período de agonia durante o qual ele sentiu o domínio de forças invisíveis. Mais uma vez, parecia que ele estava envolvido em uma luta mortal com Skip Handlon. Handlon malévolo olhou para ele enquanto se esforçava com todas as suas forças para vencer Perry. Desta vez, porém, este último parecia ter mais força e resistiu ao ataque por horas. Por fim, o outro afastou-se perplexo.

Com isso, o incubo mental que cercava as faculdades de Perry se quebrou. Vagamente, ele percebeu um ruído de trituração próximo e uma constante oscilação de seu corpo. Por fim, sua visão clareou o suficiente para capacitá-lo a descobrir a causa das sensações peculiares.

Ele estava em um vagão ferroviário!

Ele deu uma rápida olhada ao redor e notou um baterista sentado no assento do outro lado do corredor, olhando para ele com curiosidade. Com esforço, Perry assumiu uma expressão inescrutável e decidiu olhar fixamente para o outro. Relutantemente, o homem desviou o olhar e, após um momento, sob o olhar pétreo de Perry, levantou-se de repente e escolheu um novo assento na frente do carro. Perry pegou um cigarro para consolo e olhou para os postes telegráficos voadores. De tempos em tempos, ele notava marcos familiares. O trem evidentemente havia deixado Keegan para trás e já estava quase na cidade natal.

No restante da viagem, o repórter experimentou puro pesadelo. As peculiares sensações de vertigem, acompanhadas de espantosos períodos de insensibilidade, repetiam-se, mas agora não duravam mais de dez ou quinze minutos de cada vez. Nas horas em que estava consciente, encontrava oportunidade de se perguntar, de maneira meio abstrata, como conseguira entrar no trem e pagar a passagem, que devia ser em dinheiro, sem levantar suspeitas no condutor. A descoberta de um desconto em seu bolso provou que ele deve ter feito isso, no entanto. O negócio de sair do trem e chegar ao escritório sempre foi um capítulo desconhecido na vida de Perry.

Ele saiu de uma de suas névoas mentais para se encontrar sentado no santuário editorial privado do Journal. Evidentemente ele tinha acabado de chegar. Bland, um homem atarracado com a mandíbula de um bulldog, estava olhando para ele atentamente.

"Nós iremos! Algum relatório a fazer? A pergunta foi nítida.

O repórter passou a mão pela testa suada. "Sim, acho que sim. Eu––er––isto é––você vê––”

“Onde está Handlon? O que aconteceu com você? Você age como se estivesse bêbado. Bland não estava de bom humor.

“Me revistem”, Perry conseguiu responder. “Se Skip não está aqui, o velho Kell deve ter acabado com ele. Voltei sozinho.

"Você o quê?" o editor irado rugiu bastante, quase se levantando de sua cadeira. “Diga-me exatamente o que aconteceu e prepare-se para voltar lá no próximo trem. Ou... não, pensando bem, é melhor você ir para a cama. Você parece esgotado. Handlon pode estar morto ou morrendo neste minuto. Que Kell poderia fazer qualquer coisa. Ele apertou o botão em sua mesa.

“Johnny”, disse ele ao office-boy, 362 “traga O'Hara aqui rapidamente e diga a ele para trazer seu chapéu e casaco.”

Voltou-se novamente para Perry, que olhava nervosamente para a porta. “Agora me conte tudo o que aconteceu e seja rápido,” ele ordenou.

O repórter obedeceu, nada omitindo, exceto a pequena questão de seus lapsos mentais na casa do professor Kell e depois no trem. O incidente dos charutos drogados pareceu interessar muito ao Velho, e Perry não se esqueceu de enfatizar as façanhas de Handlon para conseguir a foto do Professor. Durante todo o recital, ele suava de medo de ter uma recorrência de um de seus ataques cerebrais e de que Bland se tornasse ciente disso. Quando o chefe terminaria e o deixaria escapar do escritório? Ele lutou desesperadamente para evitar que a sensação de entorpecimento o dominasse. Tudo o que o impediu de finalmente fugir do local em pânico foi a entrada de Jimmie O'Hara.

Esguio, magro e de aparência eficiente, esse indivíduo era um espécime do repórter perfeito do Journal. Isso diz muito, para a equipe de notícias e a força editorial do papel eram de fato um corpo de homens cuidadosamente selecionados. Bland nunca contratava um homem a menos que a experiência o tivesse dotado de alguma qualificação incomum. A maioria deles poderia escrever uma história com exatidão realista, sendo capaz, na maioria dos casos, de fornecer detalhes colhidos da experiência real em uma caminhada da vida ou outra.

Dessa tripulação formidável, provavelmente o mais esquisito era Jimmie O'Hara. Jimmie acabara de terminar uma frase na “caneta” por arrombamento de cofre quando conseguiu o emprego no Journal. Teoricamente, todos os homens deveriam evitá-lo por causa de sua mácula de prisioneiro. Não tão sem graça. O Chefe era independente em suas idéias sobre a adequação eterna das coisas e não permitia que nenhuma das convenções comuns da humanidade influenciasse suas decisões. Assim, Jimmie tornou-se um dos funcionários e trabalhou duro para justificar a contratação de Bland. Sua antiga profissão deu-lhe informações valiosas sobre histórias de crimes de todos os tipos, e ele era quase invariavelmente escolhido como o homem para escrevê-las nas colunas.

“Jimmie”, disse o chefe, “precisamos de um homem forte e experiente e de um trabalhador do segundo andar. Você é o único homem na força que paga a conta para este trabalho. O Perry acabou de voltar de Keegan, para onde o enviei para entrevistar o professor Kell. Skip Handlon foi com ele, mas não voltou. Queremos saber o que aconteceu com Skip. Esse é o seu trabalho. Pegue o Handlon! Se ele estiver morto, avise-me pelo telefone de longa distância e enviarei alguns homens do quartel-general para lá com pressa. Obtenha um bom carro rápido e não perca tempo. Isso é tudo."

O'Hara parou o tempo suficiente para fixar em sua mente a localização da casa do professor Kell e então partiu abruptamente. Bland olhou para ele pensativamente.

"O professor terá algum trabalho para colocar qualquer coisa sobre esse pássaro", disse ele sombriamente. “Pessoalmente, sinto muito pela velha alma.”

DEPOIS de deixar o escritório do Journal, Jimmie foi direto para um certo estábulo onde mantinha seu carro particular. Era um velocista longo e baixo com um motor potente e capaz de percorrer distâncias. Demorou um minuto para tocar o motor de partida e sair do quintal.

Durante a hora seguinte, ele segurou o volante severamente enquanto o carro roncava pelos setenta e tantos quilômetros até Keegan. Ele chegaria a tempo? Por fim, um poste de sinalização disse a ele que ele estava a menos de oito quilômetros do cruzamento da ferrovia em Keegan. Agora os faróis iluminavam os contornos pretos do galpão de carga e, no momento seguinte, ele havia passado sobre os trilhos. O mostrador luminoso em seu relógio de pulso o notificou Ele sabia que estava na estrada há pouco mais de uma hora, mas seu ânimo de alguma forma se recusava a reviver com o conhecimento.

Cerca de um quilômetro e meio além da estação, ele dirigiu o carro para uma estrada de madeira escura e estacionou, apagando todas as luzes. O resto do caminho até a mansão do Professor ele fez a pé. Em vez de se aproximar pela frente do terreno, ele escalou agilmente um muro de pedra e, cruzando um ou dois campos, entrou no trecho de floresta que se estendia logo atrás da mansão. Sua lanterna de bolso entrou em uso aqui, e uma ou duas vezes ele deu um tapinha reconfortante em um bolso traseiro onde avultava uma pesada Colt automática.

O que é que foi isso? Ele havia se aproximado muito perto dos fundos da casa agora. Nenhuma luz era visível ainda, mas a menos que ele estivesse muito enganado, ele ouviu um grito abafado. Ele parou no meio do caminho e ouviu atentamente. Novamente veio, desta vez com uma cadência de gelar o sangue terminando no que ele teria jurado ser um soluço sufocado.

O pequeno trabalho de abrir a antiquada janela traseira não era nada para o experiente O'Hara, e em um momento ele estava dentro da casa. Seus pés bateram no tapete macio. Como um gato, ele deu um passo para o lado para evitar que qualquer olho oculto visse sua silhueta recortada na penumbra da janela aberta. Ele não ousava usar sua lanterna por medo de que o círculo de luz traísse sua posição, tornando-o um excelente alvo para possíveis balas. Seguindo a parede de perto, ele conseguiu circular a sala sem contratempos. Seus dedos procurando finalmente entraram em contato com o batente de uma porta, e ele deu um suspiro de alívio. Aqui não havia nada para impedir seu progresso, exceto alguns reposteiros comidos por traças. Estes ele afastou.

A sala em que ele entrou era provavelmente a mesma em que o professor havia conduzido Handlon e Perry no dia anterior. Ainda sem sinal de vida, o repórter decidiu jogar a cautela ao vento. Ele trouxe seu flash em jogo. Lançando rapidamente o feixe poderoso ao redor da câmara, ele examinou o lugar com um olhar perscrutador.

NADA.

Com um palavrão abafado, ele voltou sua atenção para os outros cômodos nas imediações. A luz brilhante não revelou o menor traço de uma pessoa, viva ou morta. O som deve ter vindo do segundo andar ou do porão. Ele decidiu no andar superior.

Febril de impaciência por causa do valioso tempo que já havia perdido, ele subiu os degraus fortemente acarpetados de dois em dois degraus. Agora, a seus ouvidos atentos chegaram certos sons fracos que lhe diziam que ele estava no caminho certo. Diante dele estendia-se um corredor longo e empoeirado, terminando em uma única porta pesada. Várias outras portas se abriram em intervalos ao longo do corredor. Um ou dois deles estavam abertos, e ele lançou o feixe de seu flash apressadamente em um após o outro. Ele viu apenas mobília empoeirada e mofada de um antigo estilo maciço.

De repente, ele aguçou as orelhas.

A porta à sua frente estava se abrindo lentamente. Instantaneamente, ele apagou a tocha e saltou para o quarto mais próximo. Quem quer que estivesse abrindo aquela porta do fundo carregava uma lamparina. E se o Professor tivesse cúmplices que pudessem descobri-lo e dominá-lo pela força dos números! O'Hara tirou a automática do bolso, extraindo uma segurança reconfortante da sensação do aço frio. Aqui estava algo que nenhum homem poderia resistir se ele pudesse colocá-lo em ação. A luz estava agora quase ao lado de sua porta, e por um instante doentio ele pensou que o ladrão estava entrando na sala. Ele prendeu a respiração. Agora a lâmpada estava na porta aberta e agora foi rapidamente retirada. Depois de um segundo ofegante, ele avançou na ponta dos pés e olhou cautelosamente para o corredor.

Por aqui foi que James O'Hara Comecei a perceber que aquela seria uma noite realmente horrível. Ele se perguntou por que o progresso da luz tinha sido tão mortalmente lento. Agora ele sabia por que, em razão do que viu - e o que viu o deixou bastante doente. O homem com a lanterna era claramente o professor Kell, dobrado quase ao meio com o peso de uma coisa grotescamente grande em suas costas, uma coisa que lançava uma sombra difusa e contorcida no teto. E aquela coisa era um homem morto.

ACORPSE foi – a atitude provou isso. Com um alívio entorpecido, O'Hara percebeu que não era o corpo de Skip Handlon. Este era um homem muito maior do que Skip, e as roupas eram diferentes de qualquer coisa que Handlon tivesse usado.

A luz agora estava desaparecendo escada abaixo. Por um momento, O'Hara sentiu-se indeciso quanto ao próximo passo. Ele deveria seguir Kell e seu fardo, ou não deveria aproveitar esta bela oportunidade para continuar sua busca pelo andar superior? Aquele grito ainda ecoava em seus ouvidos; havia nela uma qualidade feminina muito evidente, e a lembrança desse fato o reprovava. Teria sido culpado de se envolver delicadamente nesta velha casa enquanto uma mulher estava sendo morta debaixo de seu nariz, quando uma ação um pouco mais ousada de sua parte poderia tê-la salvado?

Pisando mais uma vez no corredor, ele avançou para a porta fechada atrás do Professor e tentou, apenas para encontrá-la trancada. De um bolso saíram vários artigos mais conhecidos da “profissão” – um pedaço de arame rígido, uma chave mestra e outras parafernálias calculadas para reduzir o obstinado mecanismo à submissão. Por um minuto, dois, três, ele trabalhou na fechadura antiga; então, sem um rangido, a porta se abriu. Um toque de óleo nas dobradiças garantira seu silêncio. Jimmie O'Hara acreditava em ser artístico em seu trabalho, especialmente quando se tratava de pontos delicados, e ele era.

Ele se viu na mesma sala onde os charutos com drogas provaram ser a ruína de Handlon e Perry. A fim de não alarmar indevidamente o professor com ruídos casuais e talvez convidar um ataque surpresa sobre si mesmo, O'Hara fechou a porta do laboratório atrás de si e abriu a fechadura novamente. Apressadamente, ele fez uma busca no local. Nenhum vestígio do repórter desaparecido ele conseguiu encontrar, exceto dois charutos meio consumidos em um canto de onde o professor os chutou impacientemente.

Na grande mesa no centro da sala, entretanto, havia um objeto que despertou seu interesse. Aparentemente, era nada mais nada menos que um tubo gigante de Crookes, conectado de alguma forma a um complicado mecanismo contido em um armário de madeira sob a mesa. Provavelmente este aparato estava envolvido nos estranhos experimentos do professor que tanto despertaram o campo. Ele o estudou com curiosidade, seus olhos fechados em pensamento por um momento, até que um leve som em algum lugar próximo o fez abri-los bem. O Kell estava voltando?

Rapidamente ele apagou a lâmpada e deslizou para uma porta próxima, pensando em se esconder aqui, e pegar Kell de surpresa. Para sua consternação, a porta se abriu ao toque. Ele se preparou instintivamente para a batalha contra qualquer inimigo que pudesse se apresentar. Por um momento, ele se manteve tenso; então, nada de alarmante tendo acontecido, ele deu um rápido suspiro de alívio e acendeu sua lanterna. Ele deu vazão a uma exclamação baixa. A flecha da tocha, que disparava rapidamente, revelara a figura de uma garota, amarrada e amordaçada.

A garota estava tremendo em uma cama miserável em um canto da velha câmara em ruínas. O'Hara atravessou a sala e se curvou sobre ela. Ainda desconfiado de uma armadilha, ele olhou para trás na direção da porta do laboratório: todos estavam seguros ali. Jimmie apressou-se em tirar a cruel mordaça de sua boca.

365

“Coragem,” ele sussurrou. “Meio minuto e você estará livre.”

Ele produziu uma faca com uma lâmina suspeitamente longa e cortou suas amarras. Ele então a ajudou a se levantar, onde ela cambaleou vertiginosamente. Percebendo a necessidade de uma ação rápida, ele a fez sentar enquanto massageava os braços e tornozelos machucados, que estavam muito inchados pelas cordas apertadas. A garota aparentemente estava sob o domínio de um medo tão terrível que perdeu temporariamente a fala. Mentalmente, ele marcou outro placar contra o professor enquanto a garota fazia várias tentativas ineficazes de falar.

“Calma, garoto,” Jimmie sussurrou. “Apenas fique quieto, e quando você se sentir capaz, você pode me contar tudo sobre isso. Vou pegá-lo bem por isso, pode apostar nisso.”

Ela agradeceu com um leve sorriso e, de repente, recuperou a voz.

"Quem é Você? Onde está o pai? Ah, diga-me, por favor! Receio que aquele homem horrível o tenha assassinado. Você é um servo aqui? Ah, não sei em quem confiar.

“Meu nome é Jimmie O'Hara”, respondeu brevemente o repórter; “e espero que não se preocupe comigo. Eu mesmo estou mirando no Proff. Diga-me o mais rápido que puder o que sabe sobre ele. Ele ainda mantinha um olho na porta do laboratório adjacente. A qualquer momento esperava ouvir o som da aproximação do velho. A sala seria um lugar ideal para emboscar o maníaco, ele decidiu rapidamente.

“Eu sou Norma Manion. Por favor, não demore, mas veja se consegue localizar o pai. A voz da garota era agonizante. “Eu o ouvi gemer meia hora atrás, e um pouco depois veio um estrondo terrível. Oh, receio que ele esteja morto!

Com relutância, Jimmie desistiu da ideia de emboscar o professor.

“Espere aqui,” ele ordenou secamente. “Se você ouvir um tiro, junte-se a mim assim que puder. Quero pegá-lo vivo, se puder, mas...” Com essa dica de despedida, ele desapareceu pela porta do laboratório. Pelo corredor acarpetado, ele rastejou até a escada. Aqui ele parou e escutou, mas para seus ouvidos sensíveis nenhum som veio de baixo.

“Deve ter descido ao porão com o corpo,” ele murmurou. “Aqui vai para uma exploração geral.”

Com mais ousadia do que a ocasião talvez realmente justificasse, ele desceu as escadas e passou a examinar minuciosamente os quartos do andar térreo. A primeira era a sala pela qual ele entrara na casa. Era apenas um depósito que não continha nada de interessante, e ele logo decidiu não perder mais tempo com isso.

A câmara adjacente, no entanto, rendeu alguns achados surpreendentes. Ele havia empurrado para trás um portiere empoeirado para se encontrar no que poderia ser nada menos que o quarto de dormir do Professor. No momento, a cama estava desocupada, embora mostrasse sinais de uso recente. A lanterna elétrica passou rapidamente por todos os cantos possíveis que poderiam constituir um esconderijo para um assassino, sem revelar nada. Agora, o raio sempre perscrutador caiu sobre uma cômoda antiquada, sobre a qual estava empilhada uma miscelânea de artigos. Ali estavam pentes, escovas, uma peruca, uma enorme lupa e um relógio de ouro. Com uma exclamação mal reprimida, Jimmie se lançou sobre o relógio de ouro.

de Handlon! Ele conhecia tão bem o desenho particular de seu relógio que poderia reconhecê-lo no escuro apenas pelo tato. Então o velho não era avesso ao roubo entre suas outras atividades! O ex-homem de dois andares pensou rápido. Handlon provavelmente foi morto e o corpo foi eliminado de alguma maneira estranha. A única coisa que restava a ser feita, uma vez que o azarado fotógrafo estava evidentemente sem ajuda humana, era abreviar a lista de assassinatos do professor.

366

Com a intenção de não perder nenhum detalhe essencial, O'Hara varreu o raio do holofote ao redor da câmara mais uma vez, mas não descobriu nada mais importante. Decidindo que a câmara de dormir não poderia fornecer mais nenhuma pista, ele desligou o raio revelador e voltou silenciosamente para a próxima sala. Aqui ele tateou até encontrar uma porta, que estava aberta. Um momento de exploração cautelosa com o pé estendido revelou o degrau mais alto de uma escada descendente. Nenhum vislumbre de luz era visível, mas sons abafados vindos das profundezas lhe diziam que alguém estava lá embaixo.

Com cuidado infinito, tateando cuidadosamente os velhos degraus frágeis e temeroso de que um rangido inesperado de uma das tábuas antigas pudesse a qualquer momento provar sua ruína, ele começou a descida. Certa vez, uma prancha gemeu baixinho, fazendo-o parar no meio do caminho e ficar parado com a respiração suspensa. Ele ouviu algum sinal de movimento abaixo, enquanto seu coração batia alto uma dúzia de batidas. Furtivamente, ele continuou seu progresso, até que finalmente a terra macia sob seus pés lhe disse que havia chegado ao fundo do porão.

Agora seus olhos tensos perceberam um pouquinho de luz e, simultaneamente, ele se tornou consciente de um fedor mortal. A terra úmida acolchoando seus passos, ele avançou rapidamente em direção à fonte de luz, que agora parecia estar em listras em sua linha de visão. Ele logo viu que a escada dava para uma pequena seção fechada com tábuas do porão propriamente dito, e a luz se infiltrava entre as tábuas. Ah, e aqui estava uma porta frágil, fortuitamente equipada com um grande buraco no nó. O'Hara aplicou um olho para isso - e o que ele viu quase arruinou até mesmo seus nervos de aço.

O professor trabalhava ao lado de um pesado barril de madeira, de onde exalava um fedor horrível. De vez em quando, um baque encharcado dizia que ele estava cortando algo em pedaços com um machado. De vez em quando ele se esforçava fortemente em uma coisa escura e volumosa que jazia no chão, uma coisa que exigia uma força considerável para levantar. Parecia estar ficando mais leve após cada espasmo de corte frenético. Por um segundo, a sombra de Kell se afastou da coisa, e o enervado jornalista viu claramente. Seus sentidos quase o abandonaram quando ele percebeu que estava testemunhando o desmembramento de um corpo humano.

Enquanto cortava os fragmentos de tecido do torso, o demônio cuidadosamente depositava cada um no enorme barril. Em tais ocasiões, um leve som de fervura era ouvido e surgia um eflúvio que prometia vencer até mesmo o monstro engajado no trabalho sujo. Por fim, os membros e a cabeça foram totalmente removidos. O professor evidentemente decidiu que o baú deveria ser deixado inteiro e colocou todas as suas forças no trabalho de colocá-lo no barril. Era quase mais do que ele poderia negociar, mas finalmente um respingo abafado disse que ele havia conseguido.

Nesse momento, Jimmie O'Hara saiu de seu transe. O horrível procedimento o deixou fraco e abalado, e ele desejou sinceramente poder deixar aquele lugar nojento o mais rápido que suas pernas pudessem levá-lo. Mas ainda havia trabalho a ser feito e ele resolveu acabar com isso.

A lanterna! Primeiro ele deve colocar isso fora de serviço. O maníaco estaria então à sua mercê. Lentamente, com firmeza, ele passou furtivamente pela porta, os olhos grudados nas costas do professor. Agora ele estava a menos de um metro da lanterna e recuou o pé para o chute.

No momento seguinte, Jimmie se viu olhando nos olhos brilhantes de sua vítima pretendida. Instintivamente, ele golpeou com a arma de fogo automática, mas o golpe deve ter falhado, ou então o Professor desenvolveu uma agilidade incrível. Agora, para seu horror, ele viu a lâmina brilhante do machado manchado de sangue erguida no alto. Ele não teve tempo de desviar do golpe. Ele apertou o gatilho do Colt da posição em que o segurava.

367

A bala raspou o braço erguido. O machado caiu em direção a O'Hara de dedos sem força para segurá-lo, e ele o agarrou pelo cabo no ar. No momento seguinte, o assassino se recompôs e saltou sobre ele. Silenciosamente, a respiração de ambos vindo em suspiros, os dois homens lutaram, cada um agarrando desesperadamente a garganta do outro. O repórter lutou com a consciência de que se perdesse nunca mais veria a luz do dia, o outro com o medo da justiça que o julgaria.

O maníaco abraçou Jimmie com força, prendendo-o com tanta força que o repórter não conseguiu usar sua arma. Por fim, seus movimentos convulsivos aproximaram os homens da lanterna e, no instante seguinte, o porão mergulhou na escuridão. Um segundo depois, o professor tropeçou em alguma obstrução oculta e caiu, arrastando seu oponente consigo para o chão de terra. Para a surpresa de Jimmie, não houve mais nenhum movimento do corpo abaixo dele. poderia o velho vilão estar jogando gambá? Ele mudou cautelosamente seu aperto e agarrou a garganta escondida. Ele pressionou a traqueia do Professor por um momento, mas não houve luta em resposta. Lentamente, a verdade surgiu sobre ele. A queda pesada no chão deixou o homem mais velho insensível.

Ele deve trabalhar rápido. Enfiando a mão no bolso, ele tirou a sempre útil lanterna elétrica e iluminou as feições de seu prisioneiro. Kell estava respirando pesadamente. Com destreza As mãos O'Hara rapidamente vasculharam os bolsos do velho, removendo tudo o que poderia tornar aquela digna perigosa - uma pistola de aparência feia de grande calibre, um blackjack semelhante ao seu e uma pequena garrafa.

O último item Jimmie examinou com curiosidade, finalmente abrindo-o e inalando o conteúdo. Ele inalou, não sabiamente, mas muito bem. A fumaça do frasco era quase insuportável, e ele cambaleou para trás nauseado. A rolha ele recolocou apressadamente. Qual era a natureza do material poderoso, ele nunca tentou descobrir. Um conhecido era o suficiente.

Ele se levantou cambaleando e acendeu a lanterna, então sentou-se, arma na mão, esperando que seu prisioneiro voltasse a si. Isso estava se tornando cada vez mais iminente, a julgar por certas mudanças na respiração do professor. Por fim, houve uma série de movimentos trêmulos enquanto o homem tentava levantar o corpo espancado.

“Levante-se, maldito açougueiro”, ordenou Jimmie, “e suba as escadas. E lembre-se de que eu cuido de você; não faça nenhum movimento em falso.” Ele cutucou a forma prostrada do agora brilhante demônio diante dele. O fedor do lugar estava quase o dominando, e novamente ele sentiu um desejo irresistível de sair correndo loucamente daquele covil do mal e mais uma vez respirar o ar fresco de Deus. Sob o estímulo de vários empurrões, o professor finalmente se levantou e tropeçou escada acima. Jimmie não queria correr riscos e manteve a arma de fogo cravada nas costelas de seu prisioneiro. A luta, no entanto, parecia ter sido temporariamente eliminada do velho, e ele não ofereceu resistência quando o repórter o levou até o laboratório.

O quarto que ele encontrou exatamente como o deixou. A uma palavra dele, Norma Manion saiu de seu esconderijo no horrível quarto onde fora mantida prisioneira.

Com um grito histérico, ela caiu inerte no chão. A visão do assassino de seu pai foi demais para ela. Esquecendo seu prisioneiro por um momento, Jimmie saltou para o lado da garota.

Kell escolheu este momento para correr para a liberdade. Seus passos, no entanto, não eram tão silenciosos quanto pretendia, e O'Hara girou bem a tempo de ver sua presa prestes a escancarar a porta do corredor. Jimmie mergulhou para pegar sua arma, apenas para encontrar o misterioso frasco do Professor, que, embora 368esquecido, ainda estava em seu bolso. Sem tempo para pensar, ele agiu puramente por instinto. Seu braço recuou e a garrafa voou direto para a cabeça do professor.

POR um milagre, o míssil errou o alvo. Houve um estrondo trêmulo, quando a garrafa atingiu uma viga na porta maciça. De repente, lembrando-se da terrível potência do conteúdo daquela garrafa em particular, Jimmie engasgou de desânimo. A segurança de Norma Manion afastou todos os outros pensamentos de sua mente. A qualquer custo, ele deve removê-la da proximidade daquelas fumaças letais.

Apressadamente e sem olhar para trás, ele pegou a garota em seus braços e correu para a sala onde a havia encontrado pela primeira vez. Certificando-se de que ela havia desmaiado, ele a colocou gentilmente na cama. Em alguma perplexidade quanto ao seu próximo movimento, ele olhou para o belo rosto agora tão pálido e pálido. Que estranho que ele não tivesse notado o fato antes – ela era linda. Ele até deu uma segunda olhada, então notando uma ausência contínua de todos os sons do laboratório decidiu investigar.

Cautelosamente, ele empurrou a porta, farejando o ar cautelosamente enquanto avançava. Aos poucos, chegou às suas narinas um leve cheiro que, embora quase imperceptível, fez seus sentidos vacilarem. Ao se aproximar da porta do vestíbulo, encontrou a atmosfera pesada com os vapores soporíficos do frasco quebrado e cambaleou como um bêbado.

Ele deu um salto de surpresa. No chão, deitado em um amontoado grotesco que sugeria uma possibilidade muito desagradável, estava o corpo inerte do professor Kell.

JIMMIE curvou-se sobre o corpo e colocou um ouvido experiente no coração. Sim, ali como uma batida fraca – muito fraca. Mesmo enquanto ouvia, percebeu um leve aumento na respiração. Agora a respiração começou a sair em grandes suspiros sufocantes, apenas para morrer de repente para quase nada. Por fim, com um suspiro pesaroso, Jimmie levou a mão ao quadril e tirou a jarra privada O'Hara. Ele se curvou sobre a forma do Professor mais uma vez e por meio de muita intromissão nas mandíbulas cerradas conseguiu forçar uma carga considerável de líquido ardente na garganta do velho. Jimmie tinha apenas começado a nutrir uma forte esperança de que este último esforço traria o Professor à vida, quando seu ouvido aguçado detectou sinais de comoção abaixo.

Ele saltou de sua posição sobre o Kell lentamente revivendo e saltou para um ponto privilegiado ao lado da porta. Um blackjack apareceu milagrosamente de alguma parte oculta de sua anatomia e o sempre confiável Colt também ficou em evidência. Agora veio o bater de uma porta, vozes abafadas, um estrondo como de uma cadeira virada no escuro. Até rolou um juramento horrível, e o mesmo foi proferido em uma voz docemente familiar para Jimmie. Ouviu-se o som de passos na escada e de várias pessoas vindo pelo corredor.

“Onde diabos está Jimmie?” rugiu uma voz perversa. “Se ele se deparar com algum negócio de macaco neste buraco do inferno, vou fazer com que o maldito lugar queime até o chão antes de deixá-lo!”

ENCANTADAMENTE, Jimmie abriu a porta.

“Ainda vivo, chefe,” ele gorjeou quando o Velho entrou no laboratório. Bland foi seguido por Perry, que parecia estar meio atordoado. Fechando a retaguarda estavam dois homens à paisana que Jimmie conhecia muito bem - quase bem demais. Um desses cavalheiros carregava uma lanterna que lembrou Jimmie fortemente de alguém que ele tinha visto naquela noite guardando uma vala aberta na via pública.

O professor havia recobrado totalmente a consciência e lutava para se levantar. Quanto a Norma Manion, ela apareceu de repente, apoiando-se fracamente contra o batente da porta e examinando o grupo em grande alarme.

Depois de O'Hara garantir que eles eram seus amigos, ela sorriu fracamente. Para Bland e os outros ela era, 369é claro, um fator inesperado nos acontecimentos da noite estranha, e por vários momentos eles a olharam com curiosidade.

Por fim, Jimmie, sentindo a pergunta nos olhos do Velho, decidiu oferecer algumas palavras de explicação.

“A senhorita Manion acabou de passar por uma experiência terrível”, disse ele. “Ela e o pai estão há algum tempo à mercê desse monstro” – indicando Kell – “e seus nervos estão completamente abalados. É melhor tirá-la disso o mais rápido possível.

"Mike!" Hard Boiled Bland olhou para um dos policiais. “Não fique aí parado com os dentes na gengiva desse jeito. Leve essa garota para o meu carro e deixe-a deitar. Ela também precisa de um estimulante. Se você procurar no meu carro e encontrar qualquer bebida vermelha no bolso esquerdo da porta traseira, não sei nada sobre isso. E fique com ela para que ela não tenha medo de dormir.

Ela sorriu em gratidão silenciosa e permitiu que o à paisana a conduzisse para longe daquela câmara de horror.

O repórter não perdeu tempo em contar a Bland sobre seu fracasso em encontrar Skip Handlon. Ele passou a informar seu chefe com os fatos de tudo o que havia ocorrido enquanto ele estava na casa do professor.

O velho companheiro de fogo ouviu severamente. Quando Jimmie chegou à história do cadáver e do barril, o editor murmurou uma palavra: "Manion!"

Jimmie assentiu tristemente. Todos os olhos se voltaram para o amontoado abatido no chão que era o professor Kell. Finalmente, Bland não pôde esperar mais, mas fixou um olhar terrível no assassino e perguntou asperamente: "Onde está Handlon?"

Agora o Professor explodiu em uma gargalhada insana, uma gargalhada que gelou o sangue dos ouvintes.

“Você me pergunta isso! É quase bom demais. Hee-hee! Você enviou seus dois preciosos repórteres à minha casa para bisbilhotar meus segredos e pensou em exibir meu nome em toda a sua folha amarela; mas você esqueceu que estava lidando com o professor Anton Kell, não é? O último ele gritou. “Muitas pessoas tentaram me invadir antes, mas nenhuma escapou de mim!”

“Sabemos disso”, interrompeu Jimmie, pois estava ficando impaciente e as jactâncias do velho pareciam fora de lugar. "Você está programado para a corda de qualquer maneira, depois do que descobri no porão." Ele empurrou seus olhos na direção da porta significativamente. “Agora propomos encontrar Handlon, e será melhor para você se nos contar o que fez com ele. Por outro lado...."

"Você pode ir para o inferno!" gritou o maníaco. “Se vocês são tão espertos, descubram por si mesmos. Ele não está tão longe que você não poderia tocá-lo estendendo a mão. Na verdade, ele está com você há um bom tempo. Hee-hee-hee! Bem, se você quer saber... aí está ele! Com uma risada insana, ele apontou para Horace Perry. E Perry fez uma coisa estranha.

“Sim, seu demônio, aqui estou eu!” De quem era aquela voz? Era Perry falando ou era Skip Handlon? Certamente Perry estava diante deles, mas a voz, de maneira sutil, lembrou fortemente ao grupo o pobre e velho Skip.

Enquanto ele falava, Perry se lançou na garganta do professor e teve que ser contido pelos outros. Com selvageria, ele lutou contra eles, mas lenta e seguramente eles superaram sua luta e o colocaram, contorcendo-se, em uma cadeira.

De repente, Bland inclinou-se para a frente e examinou o rosto de Perry com atenção. O repórter também enlouqueceu? As pupilas dos olhos adquiriram uma espécie de estranha contração, uma qualidade fixa que era quase ridícula. Ele parecia um homem sob hipnose. Ele havia ficado mole em suas mãos, mas agora, de repente, ele enrijeceu. Os olhos sofreram outra mudança surpreendente, desta vez brilhando sem dúvida com o olhar da razão. Bland ficou perplexo e esperou que Perry explicasse sua estranha conduta. Este último pareceu finalmente acordar. Simultaneamente, ele percebeu que seu lapso peculiar de A consciência havia sido observada pelos outros.

"Acho que devo admitir isso", disse ele com um sorriso irônico. “Desde que voltei de minha missão com Kell, tenho passado por momentos infernais. Metade do tempo estive atordoado e não tinha a menor ideia do que estava fazendo. A parte engraçada disso é que eu parecia continuar fazendo as coisas mesmo quando estava fora de mim.” Ele contou brevemente sobre as visões que teve nas quais parecia lutar com seu irmão repórter, as sensações horríveis quando se sentiu dominado, o esquecimento negro em que se encontrou e a maneira misteriosa como deixou Keegan. naquela missão malfadada.

“O que você fez com Handlon?” A voz de Jimmie interrompeu. Ele estava de pé sobre a forma do maníaco, rígido e ameaçador. "Você tem exatamente dois minutos para ir."

"Descubra por si mesmo!" rosnou o demônio machucado e maltratado.

“Eu vou,” foi a resposta, e no instante um grito horrível rasgou o ar. Jimmie tinha agarrado rapidamente os dois braços do Professor pelos pulsos e os estava torcendo lentamente em um aperto de ferro. O rosto de Kell ficou branco, os lábios retorcidos sobre as gengivas desdentadas, os olhos fechados no esforço supremo para suportar a dor excruciante. Então--

“Chega, chega!” ele gritou.

O'HARA aliviou um pouco a pressão, mas manteve o controle sobre as mãos em forma de garra. “Fale rápido,” ele ordenou.

O velho lutou inutilmente nas mãos do poderoso repórter, finalmente olhando na direção dos outros. Mostrariam sinais de piedade? Certamente não Hard Boiled Bland. O chefe observava a luta da vítima através de uma nuvem de fumaça de tabaco que exalava lentamente pelo nariz. O homem à paisana não demonstrou nenhum sinal de interesse. O jogo acabou!

“Muito bem,” ele disse mal-humorado. “Handlon e Perry estão ambos ocupando o mesmo corpo.”

“O que é?” rugiu Bland. “Jimmie, acho que você vai ter que colocar mais parafusos nele. Ele está tentando nos fazer de bobos no último minuto!

"Não não!" gritou o professor. “O que eu digo é verdade. Venho trabalhando há anos em meu sistema de des-astralização. No ano passado aperfeiçoei finalmente meu desestralizador elétrico, que amplifica e exerce a quinta influência da descoesão.”

Todo o grupo começou a parecer inquieto e olhou apreensivo para o enorme tubo de Crookes que ainda estava em sua estrutura de suporte sobre a mesa.

“Na maior parte do tempo, fui forçado a fazer experimentos em animais”, continuou o professor. “Consegui desestralizar um cachorro e um touro e os fiz trocar de corpo. Os corpos continuaram a funcionar. Eu estava entusiasmado. Outras experiências aconteceram, das quais não vou contar. Por fim, comecei a desejar um sujeito humano no qual pudesse experimentar minha quinta influência.”

“Apenas vá direto aos casos, se não se importa, Kell.” O chefe queria ação. “Suponha que você nos diga exatamente o que você fez com Handlon e onde podemos encontrá-lo. Posso também mencionar que sua vida depende disso. Se descobrirmos que você fez por ele, algo pior do que a morte pode acontecer com você. O tom era ameaçador. Embora Handlon tenha sido uma aquisição relativamente tardia para a equipe do antigo chefe, ele ainda era leal ao jornal.

“Quando seus dois malditos repórteres entraram na minha garagem,” Kell retomou. “Eu os vi chegando através de um vidro poderoso que sempre tenho à mão. Eu não tinha desejo de vê-los, mas eles se impuseram a mim. Por fim, determinei que eles deveriam fornecer material para meus experimentos.

“SE seus homens tivessem olhado para o bosque atrás do celeiro, teriam encontrado o automóvel que fornecia mais dois súditos que eu estava guardando. 371em mãos em um quarto no andar de cima. O velho Manion e sua filha me causaram muitos problemas, mas eu os mantive drogados a maior parte do tempo. Ele saiu do quarto esta noite, porém, e eu tive que matá-lo. Foi legítima defesa — acrescentou ele maliciosamente.

“De qualquer forma, descobri que era possível fazer dois astrais trocarem de corpo. Mas também queria ver se era possível fazer com que dois astrais ocupassem o mesmo corpo ao mesmo tempo e, em caso afirmativo, qual seria o resultado. Eu descobri. Era um esporte raro assistir seu repórter famoso sair de minha casa. Ele ficou muito feliz em partir, creio eu...” De novo veio a gargalhada insana.

“Acho que temos que acreditar nele, quer queiramos ou não.” O detetive ganhou vida. — Que tal fazê-lo liberar o... como é que você chama?... astral... de Handlon do corpo de Perry?

"Um momento." A voz agora era inconfundivelmente de Handlon, embora saísse da garganta de Perry. “No minuto que tenho em consciência, deixe-me sugerir que, antes de fazer qualquer des-astralização, você localize meu corpo. Até então, se eu for libertado deste, sou um homem morto”.

As palavras deixaram o grupo mudo. Onde estava o corpo de Handlon? O Professor poderia produzi-lo?

Aquele digno parecia bastante assombrado naquele momento, e eles começaram a ver o medo da morte vindo sobre ele.

“Misericórdia, misericórdia!” ele implorou quando os quatro homens começaram a avançar sobre ele. “Assim que destralizei Handlon, destruí seu corpo em meu porão de barris de decapagem. Mas há outra maneira...” Ele fez uma pausa, sem saber como suas próximas palavras seriam recebidas. “Saia e pegue a garota de Manion. Ela pode ser des-astralizada e o amigo Handlon pode ficar com o corpo dela.”

Diante dessa sugestão, avançada de forma tão ingênua, os quatro homens recuaram horrorizados. Era demais até mesmo para Hard Boiled Bland, e ele mal pôde se conter para não aplicar o punho editorial no rosto malicioso à sua frente. Sem dúvida, o professor Kell era um louco irremediável e, por isso, mantinha-se sob controle.

“Kell, você está escalado para realizar mais uma façanha,” Jimmie se dirigiu ao grupo encolhido. "Você sabe o que é isso. Ficar ocupado. E lembre-se de que estou parado aqui” – ele indicou um canto bem separado do resto – “com este canhão apontado em sua direção. Se as coisas não forem apenas de acordo com Hoyle, você fica conectado. Me pega?"

“E aí, homens?” Bland falou. “Será que tratar bem Handlon é desestralizá-lo agora? Será sua última chance de ter um corpo nesta terra.”

“Infelizmente esse corpo nunca pertenceu a Handlon”, disse O'Hara. “Portanto, não consigo ver por que Perry deveria ser incomodado pelo equilíbrio de sua vida com um companheiro astral. Perry tem claramente direito a seu próprio corpo, livre e desimpedido. O amigo Skip está sem sorte, a menos que... Bem, não me importo em dizer a você, Kell, que você acabou de me dar uma ideia. Encaixe-se agora!”

O Professor levantou-se e, sob a ameaça da automática, tateou debaixo da mesa até localizar o intrincado aparato antes mencionado.

“Agora, se o Sr. Perry – ou Handlon – fizer a gentileza de se reclinar de corpo inteiro nesta mesa”, disse ele com um olhar obsceno, “o experimento começará.”

“Apenas lembre-se, Kell, isso não é um experimento”, aconselhou Bland, fixando o professor com um olhar feio. “Você faz o que mandam.”

O outro não respondeu, mas acionou um interruptor oculto. Perry, deitado de costas na mesa antiga, de repente se viu banhado pelo que parecia ser um raio de luz, mas não era um raio de luz. O que foi isso? Certamente não era visível, mas era tangível. Uma força terrível emanava daquele globo diabólico acima dele, puxando-o para fora de si mesmo – ou – não – ele estava se expandindo? Mais uma vez seus ouvidos se encheram de sons confusos e horríveis, os contornos da sala se desvaneceram. Fora da vista, ele sentiu uma estranha sensação de inflação... de leveza... esquecimento!

De onde os outros estavam sentados, um suspiro de admiração surgiu. Ao primeiro toque do interruptor, houve um lampejo momentâneo de luz esverdeada dentro da lâmpada e, em seguida, uma rápida transição para uma bela cor laranja. Em seguida, desapareceu completamente, deixando o vidro aparentemente inerte e inativo.

Mas não foi assim! A forma sob a lâmpada estava evidentemente sendo atormentada por incalculáveis torturas. O rosto tornou-se uma coisa de horror. Agora tinha se contorcido em uma aparência grotesca de Handlon - agora novamente se parecia com Perry. O Professor silenciosamente aumentou a pressão da corrente. Da lâmpada emanava uma exalação cinza-aço do que deve ser chamado de luz e, no entanto, tão real que parecia material. Certamente não era um raio de luz como entendemos a luz. Veio em grandes pulsações, nas quais as vibrações reais eram inteiramente visíveis. A cada impacto, o corpo de Perry parecia mudar, primeiro devagar, depois com velocidade crescente. O corpo agora estava inchado em um tamanho enorme. Bland estendeu a mão para tocá-lo.

“Essa influência descoerente”, murmurava o professor, quase em êxtase, “faz com que os átomos que compõem um corpo vivo se repulsem. Quando o corpo está suficientemente nebulizado, a alma –– De volta! Para trás, seu tolo! ele gritou de repente, agarrando Bland pelo braço. “Você quer matá-lo?”

Bland recuou apressadamente, forçosamente convencido de que o alarme de Kell era genuíno. Os dedos editoriais penetraram sem resistência nas vestes do sujeito e penetraram no corpo tão facilmente como se fossem sabonetes macios!

O corpo continuou a se expandir até que, por fim, até mesmo o cabeça-dura à paisana percebeu que havia sido reduzido a um mero vapor. Dentro desse horrível corpo vaporizado, que quase enchia a sala e que agora havia perdido toda a aparência de um homem, podiam ser discernidas duas formas tênues. Rapidamente o Professor apagou a lanterna. As formas, por mais vagas que fossem, podiam ser reconhecidas como as de Horace Perry e Skip Handlon. E eles estavam em conflito!

Todos os olhos estavam agora concentrou-se no professor Kell, que evidentemente esperava que algo acontecesse. As duas aparições dentro da nuvem-corpo estavam à beira da morte. Um havia sido vencido e estava temporariamente indefeso. Era o de Handlon. E então, novamente, o astral de Perry expulsou à força o de Handlon do cisto de nuvens. E naquele instante o professor Kell desligou o tubo de influência.

Imediatamente ocorreu uma terrível metamorfose. Houve um som agudo quase como o de um trovão, com a pequena exceção de que foi causado exatamente pelo efeito inverso. Em vez de ser uma explosão, poderia ser mais apropriadamente denominado uma inplosão, pois a nuvem de névoa desapareceu repentinamente. Tendo sido removida a influência descoerente, a nuvem se condensou na forma de Perry. Aparentemente nada pior, ele estava começando a recuperar a consciência. O astral de Handlon não era mais visível, embora pairasse nas proximidades.

O corpo de Perry era novamente dele.

Nessa época, Jimmie O'Hara decidiu começar algo novo, acertando o professor com um golpe profissional na nuca com a coronha de sua automática. A próxima coisa que Bland ou qualquer outra pessoa presente soube que o corpo inconsciente do professor estava sobre a mesa e Jimmie estava tateando em busca do interruptor oculto. Por fim, ele o encontrou, e o flash de luz verde apareceu na lâmpada, seguido pela brilhante manifestação laranja.

"O que diabos você está fazendo?" engasgou Bland.

“Desastralizando o professor”, respondeu O'Hara alegremente. “Você ainda não entendeu? Ver!"

373

Fascinados, os quatro homens viram a terrível emanação assumir seu efeito nefasto. Como antes, o corpo começou a se expandir e gradualmente assumiu um contorno nebuloso. Cresceu cada vez mais, até que finalmente se tornou uma vasta nuvem de nada intangível que encheu a sala como uma nebulosa maligna.

Um grito de consternação do detetive despertou Jimmie. O astral de Skip Handlon apareceu dentro do campo da nebulosa para lutar pela posse. Seguiu-se o que talvez tenha sido o encontro mais estranho já testemunhado. Embora estivesse em má forma física, o Professor parecia ter um astral extremamente poderoso; e por algum tempo os espectadores se desesperaram com a vitória de Handlon. Certa vez, este último, evidentemente percebendo que o poderoso tubo de influência o tornara visível, olhou rapidamente na direção de Jimmie. O'Hara ficou consideravelmente intrigado com isso, mas observou o progresso da luta tenso. Por fim pareceu chegar o momento que o astral do repórter tanto esperava. Ele deu meia-volta e fugiu do astral do Professor, desaparecendo além dos limites externos da nebulosa.

Jimmie de repente adivinhou o propósito do outro e mergulhou para o interruptor escondido. Como havia previsto, Handlon finalmente desistiu da tentativa de dominar o astral de Kell pela força e decidiu realizar seu objetivo por meio de estratégia. Quase no instante em que a mão de Jimmie fechou o interruptor, o astral do repórter saltou novamente para o campo da nebulosa. Ferozmente, sinalizou ao ex-homem do segundo andar para desligar a corrente, mas a advertência era desnecessária, pois Jimmie já o havia feito.

RAPIDAMENTE o cisto de nuvens desapareceu. Mesmo quando o grupo teve uma visão fugaz de Skip Handlon, a última vez que os olhos mortais o veriam como ele realmente era, houve uma violenta perturbação na borda da nebulosa encolhendo. A velocidade de condensação dos átomos que compunham o corpo do professor Kell serviria para bloquear o astral perseguidor de Kell?

Até Bland prendeu a respiração!

A nuvem perdeu sua qualidade luminosa, a ação da condensação aumentou de velocidade. Era pouco visível na escuridão envolvente. Um astral há muito havia sido envolvido pela substância que se acumulava rapidamente. Ouviu-se um som súbito como antes, e o ato final de resolução foi realizado. Se o Professor conseguiu recuperar uma posição dentro do cisto de nuvens antes do segundo crucial, ninguém poderia dizer.

Jimmie reacendeu a lanterna. Aparentemente, o efeito do golpe de amor administrado por sua automática foi mais ou menos duradouro, e os homens fizeram algum esforço para restaurar a consciência do corpo de Kell. Por fim, seus esforços começaram a dar frutos, e tornou-se conveniente remover o paciente para o sofá mais macio da sala de estar abaixo. Enquanto avançavam para agarrar o corpo flácido, uma figura apareceu na porta do corredor. Era o homem à paisana, Riley.

“Que tal partir para a cidade?”, ele quis saber. “O velho partido já acabou? A senhorita Manion passou por momentos difíceis e diz que não vai ficar perto desta casa nem mais um minuto. Eu também não gosto deste lugar. Você sabia que acabei de ser chutado por um papagaio de votação? Vamos embora daqui.

"Espere, Riley, do que você está falando?" rosnou Bland. “Chutado por um papagaio de votação! Você é--"

“Tudo bem, chefe”, interrompeu Perry, agora totalmente alegre. “Aquele idiota que atirei provavelmente poderia ter nos contado tudo sobre isso. Eu sei positivamente que a besta poderia falar.

"Humph!" bufou Bland, “Bem, se um burro pode falar, e um touro pode morder, e um cão pode fisgar, por que um papagaio não deveria – Judas Priest, estou ficando tão louco quanto vocês! Apresse-se e pegue Kell lá embaixo para que possamos ver 374quem ele é. Lá vou eu de novo! Oh, vá se deitar, Riley.

“Mas olhe, Bland, olhe!” Riley estava apontando um dedo desmoralizado para uma gaiola no canto. Ele puxou freneticamente a manga do casaco de Bland. “Veja o que tem lá dentro, não é? Eu... bem, encontrei um pouco de bebida em seu carro, e a Srta. Manion me fez beber. Eu -- eu não sabia que isso faria isso comigo. Olhe lá dentro; por favor, Sr. Bland!

BLAND deu a Riley um olhar sombrio, mas mesmo assim pegou a lanterna de O'Hara. Na gaiola, dois olhos amarelos piscavam sonolentos para ele. Perry começou a rir.

“Ora, não há nada lá além de um gato. Skip e eu o ouvimos ronronar quando chegamos aqui esta tarde. Acho que Riley––”

“Grande Deus, Jimmie, me dê sua arma!” Hard Boiled Bland no momento falhou em merecer seu apelido. A tocha em sua mão lançou um feixe trêmulo para dentro da jaula. “É uma cobra! E lá! Está fazendo de novo!”

Uma cobra era, indubitavelmente, um enorme espécime preto com listras amarelas brilhantes. O grito frenético de Bland parecia não tê-lo excitado de forma alguma, pois agora o sujeito elegante havia arqueado seu corpo com perfeição e lambia calmamente seus lados com uma longa língua bifurcada. Depois de um momento, ele interrompeu a operação por tempo suficiente para esfregar a mandíbula contra uma barra de sua gaiola e soltou um miado sociável!

Mesmo isso não poderia acabar com o ânimo de Horace Perry. Ele riu deliciado de novo enquanto colocava Bland pelo braço.

“Essa criatura é perfeitamente inofensiva, chefe”, disse ele ao editor. “Em algum lugar, suponho que haja um gatinho poderoso e perigoso à solta, mas não faz sentido descontar neste pobre réptil. Vamos viver e deixar viver.”

Com uma demonstração de relutância, Bland devolveu a automática de Jimmie e caminhou até onde estava a forma de Kell. Perry e O'Hara permaneceram na gaiola por tempo suficiente para traçar um plano para deixar a cobra sair de casa assim que a oportunidade se apresentasse, após o que eles se juntaram ao chefe. Riley saiu para retomar sua vigília no carro de Bland, enquanto seu colega detetive se preparava para iluminar o caminho escada abaixo. Sob sua orientação, o homem doente foi carregado para baixo sem problemas.

No andar de baixo, a forma agora consciente do venerável professor foi colocada no antigo sofá até que seus sentidos pudessem clarear um pouco. Logo as pálpebras se abriram e uma voz fraca perguntou: "Onde diabos estou e como todos vocês chegaram aqui?"

AJOYOUS suspirou. Aquela voz! Embora pronunciado com a mesma qualidade vocal de Kell, a entonação e os sotaques foram estranhamente alterados. O'Hara inclinou-se ansiosamente sobre a figura no sofá. A pergunta que ele fez foi surpreendente em sua incongruência:

“Como você está se sentindo, Skip!”

Podre,” foi a resposta dos lábios de Kell. “O que me atingiu com tanta rachadura na cúpula? Sinto-me como se tivesse sido arrastado por um buraco nodoso. Deixe-me levantar.

“Fique quieto”, ordenou O'Hara, gentilmente, mas com firmeza. “Você não está apto para se mover ainda. Você fará uma longa viagem e precisará de sua força. Não fale também.

Meia hora depois, eles saíram de casa. No jardim da frente, o editor convocou um conclave apressado que incluiu todo o partido. Hard Boiled Bland nunca foi conhecido por falar tanto em um trecho, antes ou depois.

“Antes de voltarmos”, começou ele, “é melhor chegarmos a um acordo. Em primeiro lugar... Skip, venha aqui um minuto.

Norma Manion soltou um grito involuntário de medo quando a forma envelhecida de Kell passou por ela. A resposta instantânea de Skip ao seu nome, é claro, foi perfeitamente natural para ele. Mas teve um efeito estranho sobre os outros.

“Senhorita Manion, e cavalheiros,” Bland continuou, com uma reverência de falsa cerimônia, “quero que conheçam o senhor... er, senhor... oh inferno, chame-o de Saunders. Este é o Sr. Kenneth Saunders, 375senhoras e senhores. Quando ele fizer a barba e tiver seu novo rosto remendado, acredito que você vai gostar muito mais da aparência dele do que agora.

“Sério, pessoal, espero que, com um pouco de conserto, o cavalheiro dificilmente se pareça com o professor Anton Kell. Kell está morto. Obviamente, porém, este cavalheiro dificilmente pode continuar sua existência como Skip Handlon. Daí... bem, daí o Sr. Saunders. E não se esqueça do nome.

“Agora, outro pequeno assunto. Esta casa provou ser uma maldição para a humanidade. O que aconteceu aqui nunca precisa ser conhecido. Não seria mais sensato eliminar todos os vestígios dos acontecimentos desta noite? Há uma maneira." Ele olhou significativamente para os outros.

“VOCÊ quer dizer…” começou Perry.

“Que destruamos todos os vestígios da vilania do professor Kell. Embora ele não exista mais, ainda assim alguém pode notar que seu corpo permanece ativamente. E ninguém quer dar nenhuma explicação.

“É a única maneira de proteger Handlon,” um dos detetives ruminou, meio para si mesmo. “Nenhum juiz jamais acreditaria em uma palavra sobre esse negócio de des-astralização. As chances são de que todos nós iríamos para a escotilha e Handlon iria para a prisão pelos crimes de Kell.

“Havia quatro de nós que testemunhamos o fato da—a transfusão de alma, entretanto,” Perry objetou. “Isso não seria suficiente para inocentar Skip? Além disso, não seria possível para nós liderar um júri aqui e duplicar o experimento?

“Muita publicidade indesejável”, rosnou Bland, que pela primeira vez na vida encontrou motivos para manter algo bom fora das manchetes. "O que você diz, pessoal?"

“Eu me mexo, nós nos movemos”, do detetive que teve o incômodo trabalho de cuidar de Norma Manion.

“Cavalheiro, acredito que nos entendemos”, disse Jimmie calmamente. “Agora vou para o celeiro” – significativamente – – “para ver se está tudo bem. Enquanto eu estiver lá, algo pode acontecer. Você entende?"

Os outros assentiram silenciosamente.

No assento confortável do velocista de Jimmie, Norma Manion estremeceu ao seguir a direção indicada pelo dedo de seu companheiro. Foi aquela hora mais escura que vem pouco antes do amanhecer.

A oeste podia ser percebido um brilho vermelho opaco, que, mesmo enquanto observavam com olhos fascinados, evoluiu para um clarão intenso. Gradualmente, as estrelas desbotadas tornaram-se eclipsadas na maior glória.

Três carros, com os motores pulsando como se estivessem ansiosos para ir embora, estavam separados por um espaço na estrada principal. O carro atrás do de O'Hara era a máquina Manion, agora ocupada por Bland e Riley. O restante era um carro de turismo e continha o restante da festa. Perry estava ao volante e ao lado dele estava a combinação Handlon-Kell-Saunders.

“Assim passa um antro de horror”, sussurrou Jimmie para seu companheiro.

“É a pira funerária de meu pai”, a garota respondeu simplesmente. Ela há muito se recuperou de sua explosão inicial de tristeza por sua perda e agora observava o progresso da conflagração com os olhos secos. Por fim, Jimmie deslizou um braço protetoramente sobre os ombros trêmulos.

"Você já viu o suficiente", disse ele. Enquanto os três carros fugiam da cena do holocausto, tênues flâmulas no leste indicavam o orbe do dia nascente.

“Adeus, Keegan, para sempre,” murmurou Norma.

“Amém,” O'Hara concordou devotamente.

Sobre a série de livros HackerNoon: trazemos a você os livros técnicos, científicos e de domínio público mais importantes. Este livro faz parte do domínio público.

Histórias Surpreendentes. 2009. Astounding Stories of Super-Science, março de 1930. Urbana, Illinois: Projeto Gutenberg. Recuperado em maio de 2022 dehttps://www.gutenberg.org/files/29607/29607-h/29607-h.htm#THE_SOUL_MASTER

Este eBook é para uso de qualquer pessoa em qualquer lugar, sem nenhum custo e quase sem restrições. Você pode copiá-lo, doá-lo ou reutilizá-lo sob os termos da Licença do Project Gutenberg incluída neste eBook ou online em www.gutenberg.org , localizado em https://www.gutenberg.org/policy/license. . _

HISTÓRIAS RELACIONADAS

L O A D I N G
. . . comments & more!
Hackernoon hq - po box 2206, edwards, colorado 81632, usa