paint-brush
O culpado perfeito: as criptomoedas ou o sistema bancário estão financiando o terror?por@mehdireza
2,715 leituras
2,715 leituras

O culpado perfeito: as criptomoedas ou o sistema bancário estão financiando o terror?

por Mehdi Reza2022/05/04
Read on Terminal Reader
Read this story w/o Javascript

Muito longo; Para ler

O Wall Street Journal expôs surpreendentemente a rede financeira secreta do Irã usada para contornar as sanções lideradas pelos EUA. Revelações recentes sobre o regime iraniano provaram o quanto isso é verdade. A rede clandestina de comércio e finanças permitiu ao Irã obter uma influência substancial nas negociações com os Estados Unidos, já que a principal ferramenta que o Ocidente usou para influenciar o comportamento iraniano foi prejudicada por muito tempo. Concentrar-se na criptografia como o principal problema de finanças ilícitas às custas de monitorar de perto as redes tradicionais pode ser perigoso para a integridade das finanças globais.

Companies Mentioned

Mention Thumbnail
Mention Thumbnail
featured image - O culpado perfeito: as criptomoedas ou o sistema bancário estão financiando o terror?
Mehdi Reza HackerNoon profile picture

Desde que a tendência criptográfica começou a ganhar força, as instituições têm apontado para essas moedas alternativas como uma grande ameaça à segurança global. De acordo com esses oponentes criptográficos, o anonimato e os canais alternativos fora das finanças tradicionais fornecidos pelo dinheiro digital permitem que os piores criminosos do mundo financiem seu trabalho.


Do ponto de vista dos fatos puros, é difícil negar que as criptomoedas são amplamente utilizadas por organizações ilícitas. Organizações terroristas, por exemplo, usam criptomoedas para comercializar drogas, armas e outros itens no mercado negro.


Quase uma década atrás, sites como 'Financiar a luta islâmica sem deixar vestígios' começaram a aparecer na dark web, facilitando a transferência de bitcoins para jihadistas. Ainda hoje, a falta de regulamentação no domínio cibernético abriu as portas para muitas organizações criminosas e terroristas usarem a criptografia como uma fonte vital de financiamento.


Essa tendência é especialmente verdadeira na Ásia e no Indo-Pacífico, onde a adoção de criptomoedas está superando a supervisão do governo.


Mas a noção de que a criptografia é a ferramenta definitiva de financiamento do terrorismo não é tão simples quanto parece.


Em primeiro lugar, a criptografia não é imune à supervisão e até mesmo às regras instituídas pelo estado. Como muitos pesquisadores têm destacado pelo menos nos últimos três anos, a cooperação policial em domínios de segurança cibernética e mercados de criptomoeda tornou a desanonimização e o rastreamento de fundos possibilidades reais.


Além disso, as tendências atuais apontam os sistemas de criptomoedas mais regulamentados e integrados ao sistema global como sendo os mais utilizados e adotados. As plataformas incompatíveis são abandonadas ou permanecem marginais devido à falta de apoio, o que significa que grupos terroristas e outros atores ilícitos podem descobrir que o mundo digital está atendendo cada vez menos às suas necessidades.


Mais fundamentalmente, no entanto, focar na criptografia como o principal problema de finanças ilícitas às custas de monitorar de perto as redes tradicionais pode ser perigoso para a integridade das finanças globais.


Revelações recentes sobre o regime iraniano provaram o quanto isso é verdade.


Em um artigo recente, o Wall Street Journal fez uma exposição surpreendente da rede financeira secreta do Irã usada para contornar as sanções americanas.


De acordo com documentos oficiais e relatórios de inteligência obtidos pelo WSJ, nos últimos anos, Teerã conseguiu estabelecer um sistema bancário e financeiro clandestino para lidar com dezenas de bilhões de dólares em comércio anual banido pelas sanções lideradas pelos EUA.


As implicações dessas descobertas são vastas, especialmente no contexto das negociações em andamento entre os Estados Unidos e o Irã em Viena, na tentativa de reviver o Plano de Ação Conjunto Abrangente (JCPOA) de 2015 assinado pelo governo Obama, comumente conhecido como o Plano Nuclear do Irã. acordo.


A rede clandestina de comércio e finanças permitiu que o Irã ganhasse influência substancial nas negociações com os Estados Unidos, já que a principal ferramenta que o Ocidente usou para influenciar o comportamento iraniano foi amplamente prejudicada por um longo tempo.


Os principais relatórios sobre o estado sombrio da moeda do Irã e sua economia em geral estão refletindo uma falsa realidade.

Qual é a verdadeira posição econômica do Irã, parece ser muito diferente.


De acordo com evidências autenticadas por diplomatas ocidentais e oficiais de inteligência, o Irã construiu uma ampla gama de empresas de proxy fora das fronteiras do Irã para esconder sua conexão com o regime, uma técnica há muito conhecida por ser empregada pelos aiatolás para orquestrar finanças ilícitas.


Por meio dessas corporações de fachada, o Irã foi lentamente capaz de reconstruir seu comércio exterior e exportar mercadorias - incluindo o petróleo iraniano. De acordo com o artigo do WSJ , dezenas de bilhões em comércio foram conduzidos por meio dessas entidades falsas apenas no ano passado.


O que tudo isso significa, na prática, é que o Irã conseguiu aumentar seu comércio para aproximadamente os níveis anteriores à sanção, o que aliviou a pressão doméstica sobre o regime e também deu a Teerã mais capacidade de manobra no cenário global.


O que é importante ressaltar nesta história é que a conspiração internacional altamente bem-sucedida do Irã foi realizada por meio de instituições financeiras herdadas e explorando buracos no sistema comercial tradicional. A criptografia simplesmente não desempenhou um papel importante, se é que teve, nesse esquema.


A lição dessas descobertas sobre o Irã: não há bala de prata para contornar o sistema internacional em sua totalidade. Qualquer grande esforço para lavar grandes quantias de capital e conduzir financiamento ilícito terá que, em algum momento, alavancar instituições legadas. Concentrar-se na identificação e fechamento dessas lacunas continua sendo a maior prioridade na proteção das finanças globais