paint-brush
Fantasmas da Realidadepor@astoundingstories
823 leituras
823 leituras

Fantasmas da Realidade

por Astounding Stories6m2022/08/15
Read on Terminal Reader
Read this story w/o Javascript

Muito longo; Para ler

Quando eu tinha cerca de quinze anos, certa vez fiz a observação: "Ora, isso é impossível". O homem com quem falei era um cientista. Ele respondeu gentilmente: "Meu filho, quando você for mais velho e mais sábio, perceberá que nada é impossível."

People Mentioned

Mention Thumbnail

Companies Mentioned

Mention Thumbnail
Mention Thumbnail
featured image - Fantasmas da Realidade
Astounding Stories HackerNoon profile picture

Astounding Stories of Super-Science, janeiro de 1930, por Astounding Stories faz parte da série de postagens de blogs de livros de HackerNoon. Você pode pular para qualquer capítulo deste livro aqui . Fantasmas da Realidade - Capítulo I: Wall Street — ou a Estrada Aberta?

Fantasmas da Realidade

UMA NOVELA COMPLETA

Por Ray Cummings

A sala do escritório desapareceu... Eu estava deitado em outro andar... Novas paredes surgiram ao meu redor.

CAPÍTULO I. Wall Street — ou a Estrada Aberta?

Quando eu tinha cerca de quinze anos, certa vez fiz a observação: "Ora, isso é impossível".

O homem com quem falei era um cientista. Ele respondeu gentilmente: "Meu filho, quando você for mais velho e mais sábio, perceberá que nada é impossível."

De alguma forma, essa afirmação ficou comigo. Em nosso mundo maravilhoso e veloz, já vi isso comprovado muitas vezes. Eles já pensaram que era impossível dizer o que havia além do amplo e desconhecido Oceano Atlântico. Eles pensavam que a abóbada dos céus girava em torno da terra. Era impossível para ele fazer qualquer outra coisa, porque eles podiam vê-lo girar. Era impossível, também, que alguma coisa estivesse viva e ainda assim fosse tão pequena que não se pudesse vê-la. Mas o microscópio provou o contrário. Ou ainda, falar além do alcance normal da voz humana era impossível, até que o telefone veio para mostrar como isso pode ser feito de maneira simples e fácil.

Nunca esqueci a observação daquele médico. E isso foi repetido para mim cerca de dez anos depois por meu amigo, o capitão Derek Mason, naquela memorável noite de junho de 1929.

Meu nome é Carlos Wilson. Eu tinha 25 anos naquele junho de 1929. Embora tivesse vivido toda a minha vida adulta na cidade de Nova York, não tinha parentes lá e poucos amigos.

Eu conhecia o capitão Mason há vários anos. Como eu, ele parecia alguém que caminhava sozinho na vida. Ele era um cavalheiro inglês, talvez com trinta anos. Ele estava servindo nas Bermudas, pelo que entendi, embora raramente falasse sobre isso.

Sempre senti que nunca tinha visto uma figura de homem tão atraente quanto esse Derek Mason. Ele era um aristocrata inglês, ereto, alto e moreno, e um tanto libertino, com uma arrogância militar. Ele fingiu um pequeno bigode preto. Um sujeito bonito e jovial, com maneiras fáceis e graciosas: um D'Artagnan moderno. Em uma época anterior, menos civilizada, ele teria sido hábil com a espada e o bastão, não tenho dúvidas. Um homem que poderia capturar os corações das mulheres com um olhar. Ele sempre foi para mim uma figura romântica, e um mistério que parecia envolvê-lo não o tornava menos.

Uma amizade surgiu entre Derek Mason e eu, talvez porque éramos tipos tão opostos! Sou americano, de estatura mediana e constituição mediana. Corado, com cabelos cor de areia. Derek Mason era tão meticuloso com suas roupas, seus uniformes arrogantes, quanto o mais perfeito Beau Brummel. Eu não. Eu sou descuidado com roupas e palavras.

Fazia pelo menos um mês que não via Derek Mason quando, numa tarde de junho, recebi um bilhete dele. Fui ao apartamento dele às oito horas da mesma noite. Mesmo sobre sua casa parecia um mistério. Ele vivia sozinho com um servo. Ele havia se alojado em um prédio de apartamentos de solteiro de classe alta perto da parte baixa da Quinta Avenida, nos limites de Greenwich Village.

Tudo isso sem dúvida era racional o suficiente, mas neste edifício ele havia escolhido o apartamento inferior no andar térreo. Contígua ao porão. Foi construído para o zelador, mas Derek o pegou e o arrumou de maneira luxuosa. Perto dela, em um canto do porão, ele havia transformado um espaço quadrado em uma sala. Entendi vagamente que era um laboratório químico. Ele nunca havia discutido isso, nem eu nunca tinha sido mostrado dentro dele. Incomum, misterioso o suficiente, e que um capitão do exército britânico fosse um cientista experimental era ainda mais incomum. No entanto, sempre acreditei que por um ou dois anos Derek estivera envolvido em algum tipo de experimento químico ou físico. Com toda a sua arrogância militar, ele tinha o modo de pensamento preciso e cuidadoso característico do homem de mente científica.

Lembro-me de que, quando recebi seu bilhete com poucas frases convidando-me a visitá-lo, tive a premonição de que aquilo marcava o início de algo estranho. Como se os portais de um mistério se abrissem para mim!

Nada é impossível! No entanto, registro esses eventos nos quais mergulhei naquela noite de junho com uma relutância muito natural. Não espero credibilidade. Se estivéssemos no ano 2000, minha narrativa sem dúvida seria insípida o suficiente. No entanto, em 1929, isso só pode ser chamado de fantasia. Deixe para lá. A fantasia de hoje é a verdade sóbria de amanhã. E no dia seguinte, é um mero lugar-comum. Nosso mundo se move rapidamente.

Derek me recebeu em sua sala de estar. Ele mesmo me admitiu. Ele me disse que seu servo estava fora. Era uma pequena sala, com poltronas forradas de couro, tapetes no chão de madeira e sóbrios reposteiros marrons nas portas e janelas. Uma sombra de pergaminho marrom cobria o eletrolier sobre a mesa. Era a única luz na sala. Lançava seu brilho suave sobre a figura esguia e graciosa de Derek enquanto ele se jogava para baixo e pegava cigarros.

Ele disse: "Charlie, quero conversar um pouco com você. Tenho algo a lhe dizer - algo a lhe oferecer".

Ele estendeu o isqueiro para mim, com sua pequena chama azul de álcool sob meu cigarro. E vi que sua mão tremia.

"Mas eu não entendo o que você quer dizer," eu protestei.

Ele retrucou: "Estou sugerindo que você pode estar cansado de ser um funcionário de uma corretora. Cansado deste mundo enfadonho que chamamos de civilização. Cansado de Wall Street."

— Estou, Derek. Céus, isso é verdade.

Seus olhos me prenderam. Ele estava sorrindo meio caprichosamente: sua voz era só meio séria. No entanto, eu podia ver, nas profundezas ardentes daqueles luminosos olhos escuros, uma seriedade mortal que desmentia seus lábios sorridentes e seu tom alegre.

Ele me interrompeu com: "E eu ofereço a você uma chance de grandes aventuras. O romance do perigo, de colocar sua inteligência contra a vilania para fazer o certo triunfar sobre o errado e ganhar para si mesmo poder e riquezas - e talvez uma bela dama ...."

"Derek, você fala como um fanfarrão da idade média."

Achei que ele fosse sorrir, mas de repente ele ficou solene.

"Estou me oferecendo para torná-lo capanga de um rei, Charlie."

"Rei de quê? Onde?"

Ele abriu as mãos magras e morenas com um gesto. Ele encolheu os ombros. "O que importa? Se você procura aventura, você pode encontrá-la - em algum lugar. Se você sentir a atração do romance - ele virá até você."

Eu disse: "Assassino de um rei?"

Mas ainda assim ele não sorria. "Sim. Se eu fosse rei. Estou falando sério. Absolutamente. Em todo este mundo não há ninguém que se importe comigo. Não neste mundo, mas..."

Ele se controlou. Ele continuou: "Você é o mesmo. Você não tem parentes?"

"Não. Ninguém que pense em mim."

"Nem um amor. Ou você?"

"Não." Eu sorri. "Ainda não. Talvez nunca."

"Mas você está interessado demais em Wall Street para deixá-lo na estrada?" Ele estava sarcástico agora. "Ou você tem medo de atos de ousadia? Você quer corrigir um grande erro? Resgatar um povo oprimido, derrubar a tirania de um monarca perverso e colocar seu amigo e a garota que ele ama no trono? Ou você quer ir embora? para trabalhar como sempre no metrô amanhã de manhã? Você tem medo de que, neste processo de se tornar capanga de um rei, você possa ser morto?

Eu combinei com seu tom cáustico. "Vamos ouvi-lo, Derek."

Sobre a série de livros HackerNoon: trazemos a você os livros técnicos, científicos e de domínio público mais importantes. Este livro faz parte do domínio público.

Vários. 2012. Astounding Stories of Super-Science, janeiro de 1930. Urbana, Illinois: Projeto Gutenberg. Recuperado em maio de 2022 de https://www.gutenberg.org/files/41481/41481-h/41481-h.htm#Phantoms_of_Reality

Este eBook é para uso de qualquer pessoa em qualquer lugar, sem nenhum custo e quase sem restrições. Você pode copiá-lo, doá-lo ou reutilizá-lo sob os termos da Licença do Project Gutenberg incluída neste eBook ou online em www.gutenberg.org , localizado em https://www.gutenberg.org/policy/license. . _