paint-brush
A lista de verificação definitiva para o desenvolvimento de negócios B2B SaaSpor@ezagum
18,095 leituras
18,095 leituras

A lista de verificação definitiva para o desenvolvimento de negócios B2B SaaS

por Evgeny Zagumennov14m2023/06/28
Read on Terminal Reader

Muito longo; Para ler

Uma empresa B2B SaaS de sucesso não nasce do nada. É um produto de pesquisa de mercado séria. Compreender seus concorrentes, clientes em potencial e o cenário mais amplo da indústria ajudará você a juntar as arestas. Compreender os pontos problemáticos, fluxos de trabalho organizacionais, orçamentos e seus ambientes regulatórios é fundamental.
featured image - A lista de verificação definitiva para o desenvolvimento de negócios B2B SaaS
Evgeny Zagumennov HackerNoon profile picture

A imagem principal deste artigo foi gerada peloAI Image Generator do HackerNoon por meio do prompt "aplicativo de negócios"


Então você decidiu mergulhar no mundo do B2B Software as a Service . Primeiro, parece montar um quebra-cabeça.


Você começa com uma ideia - sua peça central. Essa ideia deve abordar um desafio específico enfrentado pelos negócios, como automatizar tarefas de rotina ou otimizar a eficiência do fluxo de trabalho. Pense no que o Slack faz na colaboração em equipe ou no Quickbooks — na contabilidade de pequenas empresas.


Em seguida, vem a pesquisa de mercado - estudando a capa da caixa do seu quebra-cabeça em busca de pistas. Compreender seus concorrentes, clientes em potencial e o cenário mais amplo da indústria ajudará você a juntar as arestas. Por exemplo, se você deseja criar um software de CRM, precisa entender os meandros das plataformas de sucesso existentes, como o Salesforce.


Estabelecer o ajuste do produto ao mercado é como encontrar aquelas peças intermediárias complicadas. Você precisará desenvolver uma compreensão de seus clientes em potencial e de como seu produto os atenderá. Pense no modelo SaaS da Adobe Creative Cloud. Eles encontraram seu público principal e criativos e desenvolveram um produto que atende exatamente às suas necessidades.


À medida que avança, você terá que abordar aspectos técnicos mais complexos, como escolher sua pilha de tecnologia, criar uma metodologia de desenvolvimento de software e planejar segurança e escalabilidade. Lembra como o Spotify cresceu de um simples aplicativo de streaming de música para uma plataforma de áudio global? Por trás desse crescimento estava um plano estratégico de escalabilidade.


Manter tudo isso em mente pode parecer difícil, mas fica mais difícil se você planejar seu progresso passo a passo. Vamos dar uma olhada mais de perto no mais importante deles. O que exatamente você precisa fazer para lançar seu inovador SaaS?

1. Defina seu conceito

Primeiro, você precisa de uma ideia clara. Não apenas uma ideia, mas uma que resolva um problema real que as empresas estão enfrentando.


Pense no Jira da Atlassian, uma ferramenta de gerenciamento popular. Nasceu de um problema genuíno: a necessidade de as equipes de software gerenciarem e rastrearem bugs e tarefas com facilidade. Os criadores do Jira encontraram um problema específico e forneceram uma solução adequada.


A chave para sua oferta de SaaS é identificar um problema específico do mundo real. Digamos que uma empresa de logística se esforce para gerenciar sua frota com eficiência. Os sistemas ERP regulares podem não funcionar, mas uma solução SaaS com rastreamento em tempo real, otimização de rotas e manutenção preditiva pode ser exatamente o que eles precisam.


Definir seu conceito é entender os desafios de negócios exclusivos e criar uma solução prática para eles. Mas certifique-se de que seja tecnicamente possível e compatível com o mercado.

2. Realize pesquisas de mercado

Uma empresa B2B SaaS de sucesso não nasce do nada. É um produto de pesquisa de mercado séria. Você precisa entender a dinâmica do mercado, a concorrência, os clientes em potencial e suas necessidades.


Suponha que você esteja planejando desenvolver uma solução SaaS para visualização de dados em e-commerce. É essencial entender seus concorrentes, como Tableau e Looker. Quais recursos eles oferecem? Como eles precificam seus serviços? Você consegue identificar alguma lacuna que seu software poderia preencher?

Compreender seus clientes em potencial é igualmente importante. Que tipo de dados eles estão manipulando? Quais desafios eles enfrentam ao visualizar esses dados? Sua solução deve ser adaptada para atender a essas necessidades específicas.


No comércio eletrônico, as empresas lidam com grandes volumes de dados em tempo real. Sua solução pode lidar com isso? Você está considerando o uso de tecnologias como arquiteturas nativas da nuvem ou plataformas de streaming de dados como o Apache Kafka? É essencial que seu produto SaaS esteja alinhado com as pilhas de tecnologia e fluxos de trabalho que seus clientes em potencial já estão usando.

3. Estabeleça o Product-Market Fit

Primeiro, você precisa de uma imagem nítida do seu cliente em potencial . Digamos, por exemplo, que você esteja desenvolvendo um software de RH baseado em nuvem. Seus clientes-alvo podem ser empresas de médio a grande porte com forças de trabalho remotas. Compreender seus pontos problemáticos, seus fluxos de trabalho organizacionais, seus orçamentos e seus ambientes regulatórios é fundamental.


Depois de pintar o retrato do cliente, você precisa examinar como seu produto se encaixa na imagem. No caso do software de RH, seu produto simplifica o processo de recrutamento? Isso torna a gestão da folha de pagamento mais eficiente? Ele lida com questões de conformidade regulatória que são uma dor de cabeça para seus clientes? Você precisará responder a todas essas perguntas.


Em seguida, você precisa apresentar seu produto para testadores beta de seu mercado-alvo. Eles vão te ajudar a entender se o seu produto realmente se encaixa no mercado ou se há pontos que precisam ser melhorados.

4. Crie um MVP

Depois de entender o mercado e suas necessidades, você pode ficar tentado a lançar um grande processo de desenvolvimento. Mas , na maioria dos casos, é melhor começar pequeno e criar um Mínimo Produto Viável (MVP) . Essencialmente, é uma versão simplificada do seu software que resolve o problema central que você identificou e nada mais.


Digamos que você esteja criando uma nova plataforma de CRM, projetada para gerenciar e analisar dados e interações com clientes. Para o estágio MVP, você pode se concentrar apenas nos recursos principais, como gerenciamento de contatos, rastreamento de leads e previsão de vendas. Mesmo sem outros recursos, como marketing por e-mail ou integração de mídia social, seu software de CRM ainda fornecerá valor, resolvendo os principais problemas enfrentados pelas empresas.


Adotar uma metodologia enxuta para o desenvolvimento de MVP pode economizar tempo e diminuir os custos iniciais. Utilizar estruturas ágeis, como Scrum, ou usar ferramentas de prototipagem rápida, como Sketch ou Figma para UI/UX, também pode simplificar seu processo de desenvolvimento. Ao tomar decisões, seja optar por uma arquitetura monolítica ou de microsserviços, ou escolher entre bancos de dados SQL ou NoSQL, você precisa ter em mente a visão de longo prazo, mas começar com o que é essencial para o MVP.


O feedback que você receberá de seus primeiros usuários MVP também é inestimável. Ele orientará suas próximas etapas e ajudará você a evitar o investimento de tempo e recursos em recursos desnecessários para seus clientes.

5. Configure sua infraestrutura técnica

A infraestrutura técnica é a base do seu negócio SaaS. Aqui, você se depara com decisões importantes sobre linguagens de programação, estruturas de desenvolvimento, bancos de dados e ambientes de hospedagem, juntamente com várias outras ferramentas.


Escolher uma linguagem de programação é uma etapa crítica que pode fazer ou quebrar o seu negócio. Você precisa pensar nas habilidades de sua equipe e nas demandas do projeto. Se o seu produto depende muito do processamento de dados, o Python, com sua variedade de bibliotecas centradas em dados, pode ser a escolha certa. Por outro lado, se você estiver desenvolvendo um aplicativo em tempo real de alta velocidade, considere o Node.js ou o Go.


Depois de escolher um idioma, a seguir vem a escolha de uma estrutura de desenvolvimento adequada . Essa escolha dependerá das necessidades do seu projeto e do idioma escolhido. Os usuários de JavaScript podem achar o Express.js adequado para desenvolvimento de back-end e React.js ou Vue.js — para front-end. Aqueles acostumados com Python podem usar Flask ou Django para estruturas de back-end.


Então, você precisa selecionar o banco de dados correto . Se seus dados estiverem estruturados e você precisar estar pronto para consultas complexas, os bancos de dados relacionais, como MySQL ou PostgreSQL, provavelmente serão a melhor escolha. Se seus dados estiverem um tanto desestruturados ou se a escalabilidade rápida for sua principal preocupação, talvez você queira consultar bancos de dados NoSQL como Apache Cassandra ou MongoDB .


Como provedor de SaaS, você precisará de hospedagem baseada em nuvem . Isso otimizará sua escalabilidade, mas também aumentará a eficiência. Você pode escolher entre os principais fornecedores, como AWS, Google Cloud e Microsoft Azure, dependendo do custo, disponibilidade regional, ofertas específicas e familiaridade da sua equipe com a plataforma.

6. Escolha sua metodologia de desenvolvimento de software

Se você deseja que sua empresa de SaaS prospere, precisará de uma estratégia bem organizada para desenvolver, avaliar e aprimorar o software . Portanto, você precisa selecionar a metodologia de desenvolvimento correta.


O método Agile , por exemplo, possui uma série de recursos fortes, como adaptabilidade e colaboração com o cliente. Ele promove ciclos de desenvolvimento curtos e iterativos, geralmente chamados de sprints. Agile é uma escolha sólida se você espera que os requisitos do seu projeto evoluam com o tempo e precisa de flexibilidade para se adaptar. Se você está desenvolvendo um produto SaaS em um setor como o marketing digital, que está mudando rapidamente, a natureza dinâmica do Agile pode ser exatamente o que você precisa.


Uma variante específica do Agile, chamada Scrum , poderia ser outra opção. O Scrum é separado por seus sprints de duração fixa (geralmente de 2 a 4 semanas) e papéis como o Scrum Master e o Product Owner. O Scrum é especialmente eficaz quando você tem uma equipe multifuncional onde os membros podem desempenhar papéis diferentes. Se sua startup de SaaS desenvolver uma ferramenta de suporte ao cliente baseada em IA, o Scrum poderá fornecer o equilíbrio necessário em seu projeto, provavelmente muito complexo.


Se você se concentra na estreita colaboração entre desenvolvimento e operações, pode considerar a metodologia DevOps . Uma abordagem de DevOps pode ser ideal para um projeto que requer atualizações rápidas e frequentes junto com monitoramento automatizado e lançamentos frequentes. Portanto, se você estiver trabalhando em um produto orientado para a nuvem que exige tempos de resposta rápidos e atualizações constantes, o DevOps pode ser sua melhor aposta.

7. Tome medidas de segurança

Ao lançar um projeto B2B SaaS, você não é apenas um provedor de serviços, mas também um guardião dos dados do usuário . Cada medida de segurança protege seus usuários e sua reputação.


Um dos primeiros passos aqui é a criptografia . Ele transforma dados legíveis em uma versão codificada que só pode ser decifrada com uma chave. Se sua ideia de SaaS envolve a criação de um sistema de armazenamento em nuvem, é crucial que os dados sejam criptografados quando armazenados e transferidos. Você pode usar tecnologias como AES-256 para criptografar dados em repouso e Transport Layer Security (TLS) para dados em trânsito.


Obviamente, a autenticação do usuário também é importante. Adicionar uma camada de segurança com autenticação multifator (MFA) pode reforçar as defesas do seu sistema. Empregue mecanismos de autenticação seguros, como OAuth ou OpenID Connect, para evitar o acesso não autorizado.


Também é crucial regular as ações do usuário em seu sistema . Quem pode ver o quê e executar quais ações? Um método que você pode usar aqui é o controle de acesso baseado em função (RBAC), que determina as permissões com base na função de uma pessoa na organização.


Naturalmente, se sua empresa lida com dados pessoais, você deve cumprir as leis de proteção de dados . Leia e estude regulamentos como o Regulamento Geral de Proteção de Dados ( GDPR ) da União Europeia ou a Lei de Privacidade do Consumidor da Califórnia (CCPA) nos Estados Unidos. Eles determinam como você pode coletar, armazenar e usar as informações do cliente. Caso contrário, você pode enfrentar consequências, incluindo multas pesadas.

8. Invista em UX Design

Sejamos realistas: a tecnologia de ponta é incrível, mas não necessariamente faz você se destacar no mundo do SaaS. Às vezes, o design da experiência do usuário (UX) faz toda a diferença . Encontre o equilíbrio perfeito entre a funcionalidade do software e as necessidades do usuário — e você transformará um produto decente em um excelente.


Uma interface intuitiva é essencial para projetos SaaS, como ferramentas de gerenciamento de tarefas nas quais os usuários atribuem prazos, gerenciam e aceitam tarefas e acompanham seu progresso. Um design simples e amigável impulsiona processos de trabalho eficientes, enquanto um design confuso e desordenado leva à frustração do usuário, retarda o progresso e diminui sua satisfação no trabalho.


Você precisará entender o fluxo de trabalho, os desafios e as necessidades do usuário para criar uma UX satisfatória . Ferramentas de design centradas no usuário como personas, jornadas do usuário e mapas de empatia podem ajudar muito nesse processo.


Depois de ter esse entendimento, você pode projetar sua interface do usuário para corresponder. Aqui, os detalhes importam. O tamanho e a cor dos botões, o layout dos menus e o posicionamento de informações importantes contribuem para o UX geral. Empregar princípios de bom design, como consistência, visibilidade e feedback, pode aprimorar significativamente o UX.


Sou B2B SaaS, seus clientes costumam usar seu software todos os dias, como parte de seu trabalho. Um bom UX não apenas torna seu trabalho mais fácil, mas também agradável. Portanto, seja sábio e invista em um design intuitivo e fácil de usar.

9. Plano de escalabilidade

Quando você está construindo um produto SaaS B2B, o sonho é crescer — de um punhado de usuários para centenas, milhares ou mesmo milhões. Porém, se sua arquitetura de software não estiver pronta para isso, o sonho pode rapidamente se tornar um pesadelo. Portanto, planeje sua escalabilidade e prepare seu software para o futuro.


Aqui, você precisa ter certeza de que seu software pode lidar com uma carga crescente , seja mais usuários, mais dados ou ambos. Suponha que você esteja desenvolvendo uma plataforma SaaS de videoconferência em tempo real. À medida que sua contagem de usuários aumenta, o volume de dados em seu sistema pode aumentar exponencialmente. Se o seu software não for desenvolvido para escalar adequadamente, você poderá enfrentar qualidade de vídeo degradada, problemas de latência ou até mesmo falhas do sistema.


É aqui que as estratégias de arquitetura modernas, como microsserviços e conteinerização, podem ser úteis. Os microsserviços dividem seu aplicativo em serviços menores e implantáveis de forma independente, cada um executando uma função específica. Portanto, em nosso exemplo de videoconferência, você pode ter serviços separados para gerenciamento de usuários, streaming de vídeo, bate-papo e compartilhamento de tela. Essa separação permite dimensionar diferentes partes de seu aplicativo de forma independente com base na demanda.


Os contêineres , por sua vez, empacotam seu software com todas as suas dependências, facilitando a movimentação e a implantação em diferentes ambientes. Isso aumenta a escalabilidade, pois novas instâncias de um serviço podem ser rapidamente criadas dentro de contêineres quando a demanda aumenta. Você pode usar ferramentas populares como Docker para conteinerização e Kubernetes para orquestração de contêineres.


Plataformas de nuvem populares como AWS, Google Cloud ou Azure também podem ajudar na escalabilidade. Eles oferecem recursos de dimensionamento automático em que os recursos de computação podem ser aumentados ou diminuídos automaticamente com base na demanda, garantindo desempenho ideal em todos os momentos.

10. Projetar APIs e integrar

O isolamento é um luxo que a maioria dos produtos SaaS não pode pagar. A integração tornou-se a norma, seja extraindo dados de outro serviço ou permitindo que outros aproveitem suas funcionalidades. Você pode torná-lo real usando a Application Programming Interface, mais conhecida como API.

Uma API é como um menu em um restaurante. Ele mostra o que está disponível e como fazer o pedido. Para um produto SaaS, a API descreve quais funções estão disponíveis e como outro software pode solicitar essas funções. Por exemplo, um sistema CRM SaaS precisa importar dados de vendas de um sistema ERP externo. Uma API bem projetada pode facilitar esse fluxo de dados de maneira suave e eficiente.


Ao projetar uma API, você pode considerar o estilo arquitetônico REST (Representational State Transfer). As APIs REST usam métodos HTTP padrão, como GET, POST e DELETE, o que os torna fáceis de entender e usar. Um produto SaaS que oferece serviços de aprendizado de máquina pode expor uma API REST que permite aos usuários fazer upload de conjuntos de dados (solicitação POST), treinar modelos (outra solicitação POST) e recuperar previsões (solicitação GET).


No entanto, REST não é a única opção. Dependendo de suas necessidades, você pode escolher GraphQL , que permite ao cliente especificar exatamente quais dados ele precisa, reduzindo problemas de busca excessiva e insuficiente. Ou você pode optar pelo gRPC para cenários de alto desempenho e baixa latência, especialmente úteis na arquitetura de microsserviços.


As APIs também são usadas para incorporar serviços de terceiros: processadores de pagamento, provedores de e-mail ou plataformas de mídia social. Digamos que você esteja construindo uma solução de comércio eletrônico SaaS. Nesse caso, você provavelmente precisará de integração com Stripe para lidar com transações ou SendGrid para enviar e-mails transacionais.

11. Configure um pipeline de CI/CD

Desnecessário dizer que manter seu produto atualizado e livre de bugs também é fundamental. Quando seu software cresce, a complexidade do gerenciamento e implantação de alterações também ocorre. É aqui que entram a Integração Contínua e a Implantação Contínua (CI/CD).


CI/CD é como o sistema nervoso central do seu processo de desenvolvimento de software . Ele gerencia testes, construções e implantações, reduzindo a necessidade de intervenção manual e aumentando a produtividade.


A Integração Contínua (CI) é a prática de mesclar as alterações dos desenvolvedores em uma ramificação de código principal com frequência, idealmente várias vezes ao dia. Cada mesclagem é verificada por construção e teste automatizados, ajudando a detectar e corrigir bugs rapidamente. Imagine que você está desenvolvendo uma ferramenta de análise SaaS.


Um desenvolvedor pode estar trabalhando em um novo recurso de visualização de dados, enquanto outro está otimizando um algoritmo de processamento de dados. A CI garante que suas alterações de código possam coexistir sem interromper o aplicativo.


A implantação contínua (CD) concentra-se em fornecer essas atualizações aos seus usuários da maneira mais eficiente e rápida. Uma vez aprovadas as alterações na etapa de CI, elas são automaticamente implantadas no ambiente de produção. Portanto, se você encontrou e corrigiu um bug em seu sistema SaaS CRM, seus usuários não precisam esperar semanas ou meses para se beneficiar da correção: ela estará disponível para eles assim que for finalizada.


Existem muitas ferramentas para configurar um pipeline de CI/CD . Jenkins é uma opção de código aberto que suporta uma vasta gama de plug-ins e se integra a praticamente todas as ferramentas que podem ser usadas durante o desenvolvimento. Ou você pode procurar serviços centrados na nuvem, como Travis CI ou CircleCI, ou soluções específicas de plataforma, como AWS CodePipeline ou Google Cloud Build.

12. Desenvolva um Sistema de Suporte ao Cliente

O suporte ao cliente não trata apenas de solucionar problemas; trata-se de construir confiança e lealdade com sua base de clientes, demonstrando que você se preocupa com o sucesso deles. Um bom sistema de suporte ao cliente pode ser uma grande vantagem para o seu produto SaaS.


Oferecer uma variedade de canais de suporte pode atender às diversas preferências de seus usuários . Por exemplo, faça um bate-papo ao vivo - conveniente, pessoal e em tempo real. Se você estiver gerenciando uma plataforma de comércio eletrônico SaaS, um usuário pode precisar de orientação sobre como adicionar uma nova listagem de produtos. Com um bate-papo ao vivo, eles podem obter ajuda instantânea quando precisam. Ferramentas como Intercom ou LiveChat podem ajudá-lo a adicionar esse recurso ao seu produto.


Por sua vez, o suporte por e-mail é ótimo para problemas não urgentes ou consultas complexas que precisam de uma resposta detalhada. Além disso, é um canal com o qual quase todos os usuários se sentem confortáveis. Se o seu produto SaaS for um sistema CRM, um usuário pode enviar uma pergunta sobre a sincronização do aplicativo de marketing por e-mail. Em resposta, sua equipe de suporte pode fornecer um tutorial passo a passo.


Você também pode criar uma base de conhecimento para seu sistema de suporte — uma biblioteca de autoatendimento com informações sobre seu produto, desde guias de instruções e perguntas frequentes até dicas de solução de problemas. Digamos que você esteja oferecendo uma ferramenta de gerenciamento de projetos SaaS. Os usuários podem consultar a base de conhecimento para obter instruções sobre como configurar um novo projeto, adicionar membros à equipe ou usar recursos avançados.

13. Lance seu produto

Lançar o seu produto é como abrir as portas da sua loja digital pela primeira vez . Tanto a expectativa quanto as apostas são altas. Seus primeiros usuários não são apenas clientes; eles são pioneiros que podem fornecer um feedback inestimável para a evolução do seu produto.


Por exemplo, você está lançando uma ferramenta SaaS para gerenciamento de recursos humanos. No primeiro dia, você tem um conjunto de funções como integração de funcionários, processamento de folha de pagamento e acompanhamento de desempenho. No entanto, você rapidamente percebe que muitos clientes estão solicitando um recurso para rastrear as horas de trabalho remoto. Portanto, considere adicionar esse recurso em uma atualização futura.


Uma estratégia de lançamento bem planejada também pode ajudar a criar um burburinho e atrair clientes em potencial. Você pode executar um programa beta para os primeiros usuários, oferecer descontos promocionais ou hospedar um evento de lançamento virtual.


Não se esqueça de coletar e analisar o feedback do usuário . Pesquisas, formulários de feedback, entrevistas com usuários e ferramentas de análise podem fornecer algumas informações sobre como seu produto está sendo usado e onde pode ser melhorado. Ferramentas como Google Analytics, Hotjar ou UserTesting podem ser úteis nesse processo.


Lançar seu produto é apenas o começo. Em seguida, vem a iteração, refinamento e melhoria com base no feedback do usuário. Sua capacidade de adaptação e inovação pode fazer toda a diferença.

14. Comprometa-se com a Melhoria

A jornada de um produto SaaS B2B de sucesso não é uma linha reta do conceito ao sucesso; é uma espiral, dando voltas sobre si mesma várias vezes. Cada rodada de feedback e cada pepita de dados de uso moldam seu produto, refinam seus recursos e aperfeiçoam a experiência do usuário.


Considere uma ferramenta SaaS hipotética para gerenciamento da cadeia de suprimentos. Você inicia com um conjunto de recursos como rastreamento de estoque, gerenciamento de pedidos e otimização de logística. Mas quando os usuários começam a trabalhar com a ferramenta, eles podem descobrir que alguns recursos não são tão fáceis de usar quanto poderiam ser, ou podem precisar de coisas novas, como uma integração com uma plataforma de comércio eletrônico popular.


O molho secreto da iteração bem-sucedida é uma mistura de feedback do usuário e análise de uso . Vários canais de feedback, como pesquisas de clientes e consultas de suporte, podem fornecer dados qualitativos sobre preferências, desafios e desejos do usuário.


Por outro lado, a análise do comportamento do usuário fornece informações quantitativas sobre a utilização do seu produto. Instrumentos como Mixpanel ou Amplitude são úteis para monitorar o número de usuários ativos, adoção de recursos, duração da sessão e taxa de retenção de usuários.


No reino do B2B SaaS, ficar parado não é uma opção. A indústria se move em alta velocidade, assim como as expectativas do usuário. A iteração e a melhoria contínuas não são apenas uma estratégia para o sucesso — é uma habilidade de sobrevivência.

Conclusão

Às vezes, sua jornada no mundo do SaaS pode ser difícil e até frustrante. Mas Roma não foi construída em um dia, nem o seu negócio de SaaS.

Lembre-se de fazer uma pausa e comemorar cada marco, por menor que seja. Afinal, cada passo leva você um passo mais perto de seu destino - tornando-se um arquiteto de uma futura revisão digital de negócios.