A humanidade pode sobreviver como uma espécie interplanetária?por@allan-grain
304 leituras

A humanidade pode sobreviver como uma espécie interplanetária?

2022/10/19
4 min
por @allan-grain 304 leituras
tldt arrow
PT
Read on Terminal Reader

Muito longo; Para ler

O homem se aventurou pela primeira vez no espaço em 1961, quando o cosmonauta soviético Yuri Gagarin orbitou a Terra. Em 1969, o astronauta Neil Armstrong se tornou o primeiro homem a pisar na Lua. Temos máquinas vagando pela superfície de Marte, aprendendo sobre o planeta para possibilitar uma possível presença humana lá no futuro. Mas temos a tecnologia para pousar em Marte e sustentar a vida lá, talvez indefinidamente? Precisamos encontrar uma solução para cultivar plantas em Marte com a ajuda da tecnologia.
featured image - A humanidade pode sobreviver como uma espécie interplanetária?
Allan Grain HackerNoon profile picture

@allan-grain

Allan Grain

Avid reader of all things interesting to mankind. Futurist, pianist,...

Aprender mais
LEARN MORE ABOUT @ALLAN-GRAIN'S EXPERTISE AND PLACE ON THE INTERNET.

Credibility

react to story with heart

Não há como a humanidade realmente construir outro planeta habitável que se pareça com a Terra, portanto, se a mudança climática, a guerra nuclear ou alguma outra catástrofe afetar nosso meio ambiente a ponto de se tornar inabitável, todos precisaremos de um lugar alternativo para viver e sobreviver.

É aqui que a ideia de se tornar uma espécie interplanetária se torna valiosa. Claro, sem tecnologia, isso seria impossível. Portanto, é importante entender onde estamos hoje - em termos de tecnologia que já temos e do que ainda precisaríamos para ter uma chance de sobreviver em outro planeta que não nos fornece as mesmas proteções que a Terra.

Em primeiro lugar, é importante reconhecer as grandes distâncias que as viagens aéreas percorreram desde o seu início em uma praia da Carolina do Norte em 1903. O homem se aventurou no espaço pela primeira vez em 1961, quando o cosmonauta soviético Yuri Gagarin orbitou a Terra, e apenas oito anos depois , em 1969, o astronauta Neil Armstrong tornou-se o primeiro homem a pisar na Lua.

Agora, quase 120 anos depois, temos máquinas vagando pela superfície de Marte, aprendendo sobre o planeta para averiguar as possibilidades de habitação humana lá no futuro.

É claro que temos a tecnologia para enviar máquinas para outros planetas e realizar uma ampla gama de experimentos. Mas temos a tecnologia para pousar em Marte e sustentar a vida lá, talvez indefinidamente?

Vamos supor que já tenhamos resolvido a questão de viajar 39 milhões de milhas pelo espaço durante nove meses apenas para chegar a Marte em sua órbita mais próxima da Terra (chamada Mars Close Approach) e pousar com segurança na superfície.

Como a atmosfera de Marte contém 96% de dióxido de carbono, o primeiro desafio é garantir um suprimento seguro e duradouro de oxigênio sem o qual morreríamos em cerca de 15 segundos, congelando ou asfixiando; nosso sangue ferve e nossos pulmões se rompem.

Portanto, o oxigênio é nossa necessidade número um.

O rover Perseverance Mars da NASA, que continua a perseverar em sua busca para explorar o planeta vermelho, tem a bordo um instrumento do tamanho de uma lancheira chamado MOXIE, que converteu com sucesso o dióxido de carbono em oxigênio. Os cientistas acreditam que uma versão muito maior do MOXIE poderia ser usada para produzir oxigênio em quantidades suficientes para a sobrevivência humana no planeta.

O segundo desafio é garantir um abastecimento de água duradouro. Marte tem duas calotas polares feitas de nuvens de gelo de água, nuvens de gelo de CO2 e gelo de água sólido. A água também existe como permafrost no solo do planeta em latitudes médias a altas em todo o planeta. Neva em Marte ocasionalmente, mas os minúsculos flocos de neve marcianos são feitos de dióxido de carbono em vez de água.

A NASA está desenvolvendo um dispositivo de escavadeira chamado RASSOR (Regolith Advanced Surface Systems Operations Robot) projetado para extrair água, combustível e gelo do solo planetário de Marte. Um extrator de água será usado para aquecer o solo e capturar a água evaporada, que pode ser condensada e armazenada para uso futuro.

A alimentação é o terceiro desafio. Os astronautas são limitados quanto ao quanto podem trazer com eles para Marte. A resposta óbvia é encontrar uma solução para cultivar plantas em Marte com a ajuda da tecnologia. A Smithsonian Magazine publicou um artigo em 2019 detalhando alguns dos desafios, incluindo quanta terra poderia ser usada na prática. “…quando você pensa em terreno, na verdade está falando em construir uma estrutura fechada. Você precisa pressurizá-lo, aquecê-lo e acendê-lo para protegê-lo do ambiente marciano. Quase não há atmosfera. Está muito frio. Assim, a terra acaba por ser o driver mais importante. Quanto mais terra você tiver para cultivar alimentos, mais construção, mais energia etc.

O autor do artigo observa que os humanos em Marte provavelmente precisarão viver de carne cultivada em laboratório, produtos feitos com proteína de insetos e vegetais cultivados em Marte. Isso nos leva ao quarto desafio. Sem um campo magnético, Marte é bombardeado por radiação, o que o torna altamente perigoso para os humanos. Todos os aspectos técnicos de viajar para Marte e sobreviver com comida e água são irrelevantes se não pudermos nos proteger da radiação mortal. Os raios cósmicos galácticos danificam o DNA e aumentam nosso risco de câncer. Portanto, sem um escudo magnético protetor e uma atmosfera densa como a que temos na Terra, somos carne morta em Marte.

O rover Curiosity da NASA, que pousou em Marte em 2012 , carregava um instrumento chamado Radiation Assessment Detector (RAD). Seu objetivo era aprender sobre a radiação no planeta e preparar cientistas para futuras visitas humanas e habitação lá. O RAD ajudou os cientistas a determinar que existem maneiras de reduzir o risco de exposição à radiação. A ideia central a partir de agora é cavar 15 a 20 pés no solo e construir abrigos lá.

Esses abrigos protegerão os habitantes da radiação extrema, bem como do frio extremo que permeia Marte. As temperaturas médias são de -81 F, mas podem chegar a -220 F. Independentemente de onde passam a maior parte do tempo e dormem, os habitantes de Marte precisarão se aventurar pelo menos ocasionalmente, então a necessidade de trajes espaciais e coletes à prova de radiação é fundamental .

Claro que existem muitos outros desafios e serão necessárias muitas camadas de contingência para emergências, mas a maioria das pessoas parece concordar que o desafio é superável e Marte é habitável.

Um dia e esse dia chegará, a humanidade se tornará uma espécie interplanetária. Os famosos escritores de ficção científica Júlio Verne e HG Wells, entre outros, ficarão orgulhosos.

A próxima Mars Close Approach ocorrerá em breve, em 8 de dezembro de 2022. Olhe para o céu. Pode muito bem ser o futuro lar dos seus bisnetos.

HISTÓRIAS RELACIONADAS

L O A D I N G
. . . comments & more!
Hackernoon hq - po box 2206, edwards, colorado 81632, usa