paint-brush
IA e o problema do “colapso do conhecimento”por@mikeyoung44
2,002 leituras
2,002 leituras

IA e o problema do “colapso do conhecimento”

por Mike Young6m2024/04/09
Read on Terminal Reader

Muito longo; Para ler

A IA e o problema do “colapso do conhecimento” - O artigo investiga o conceito de “colapso do conhecimento”, sugerindo que a nossa crescente dependência da IA pode restringir o nosso acesso a ideias não convencionais, sufocando a inovação. A pesquisa de Andrew J. Peterson explora esse fenômeno, destacando os riscos e propondo soluções para manter uma gama diversificada de conhecimento em uma cultura impulsionada pela IA
featured image - IA e o problema do “colapso do conhecimento”
Mike Young HackerNoon profile picture
0-item

A IA é frequentemente aclamada ( por mim, nada menos !) como uma ferramenta poderosa para aumentar a inteligência e a criatividade humanas. Mas e se confiar na IA realmente nos tornar menos capazes de formular ideias e inovações revolucionárias ao longo do tempo? Esse é o argumento alarmante apresentado por um novo artigo de pesquisa que se tornou viral no Reddit e no Hacker News esta semana.


A afirmação central do artigo é que o nosso uso crescente de sistemas de IA, como modelos de linguagem e bases de conhecimento, poderia levar a uma ameaça ao nível da civilização que o autor chama de “colapso do conhecimento”. À medida que passamos a depender de IAs treinadas em fontes de informação convencionais, corremos o risco de perder contacto com as ideias selvagens e pouco ortodoxas à margem do conhecimento – as mesmas ideias que muitas vezes alimentam descobertas e invenções transformadoras.


Você pode encontrar minha análise completa do artigo, algumas questões de contraponto e o detalhamento técnico abaixo. Mas primeiro, vamos nos aprofundar no que realmente significa “colapso do conhecimento” e por que isso é tão importante…


IA e o problema do colapso do conhecimento

O papel , de autoria de Andrew J. Peterson na Universidade de Poitiers, introduz o conceito de colapso do conhecimento como o “estreitamento progressivo ao longo do tempo do conjunto de informações disponíveis aos seres humanos, juntamente com um estreitamento concomitante na disponibilidade e utilidade percebidas de diferentes conjuntos de informações”.


Em termos simples, o colapso do conhecimento é o que acontece quando a IA torna o conhecimento convencional e as ideias comuns tão fáceis de aceder que o conhecimento não convencional, esotérico e de “cauda longa” é negligenciado e esquecido. Não se trata de nos tornar mais burros como indivíduos, mas sim de erodir a diversidade saudável do pensamento humano.

Figura 3 do artigo, ilustrando o conceito central de colapso do conhecimento.

Peterson argumenta que esta é uma ameaça existencial à inovação porque interagindo com uma ampla variedade de ideias, especialmente as não convencionais, é como fazemos novas conexões conceituais e saltos mentais. Os avanços mais impactantes na ciência, tecnologia, arte e cultura muitas vezes resultam da síntese de conceitos totalmente diferentes ou da aplicação de estruturas de um domínio a outro. Mas se a IA nos faz recorrer a uma fatia cada vez mais estreita do conhecimento “normal”, essas faíscas criativas tornam-se cada vez mais improváveis. A nossa inteligência colectiva fica presa numa câmara de eco conformista e estagna. A longo prazo, o âmbito da imaginação humana diminui para se adaptar à dieta de informação limitada optimizada pelas nossas ferramentas de IA.


Para ilustrar isso, imagine se todas as sugestões de livros viessem de uma IA treinada apenas nos títulos mais populares do mercado. Géneros marginais e temas de nicho desapareceriam com o tempo, e o mundo literário ficaria preso num ciclo de obras derivadas e repetitivas. Chega de ideias revolucionárias resultantes da mistura de influências totalmente diferentes.


Ou imagine um cenário onde cientistas e inventores obtêm todo o seu conhecimento a partir de uma IA treinada num corpus de investigação existente. As linhas de investigação mais convencionais e bem trilhadas são reforçadas (sendo altamente representadas nos dados de treinamento), enquanto as abordagens pouco ortodoxas que levam a verdadeiras mudanças de paradigma desaparecem. Fronteiras inteiras de descoberta permanecem inexploradas porque nossos antolhos de IA nos fazem ignorá-los.

Esse é o risco insidioso que Peterson vê ao terceirizar cada vez mais o nosso fornecimento de informações e curadoria de conhecimento para sistemas de IA que valorizam os dados convencionais. A própria diversidade de pensamento necessária para que a humanidade continue a dar grandes saltos criativos desaparece gradualmente, engolida pela atração gravitacional do convencional e do quantitativamente popular.


O modelo de Peterson de colapso do conhecimento

Para investigar mais a fundo a dinâmica do colapso do conhecimento, Peterson apresenta um modelo matemático de como o estreitamento das fontes de informação impulsionado pela IA poderia agravar-se ao longo das gerações.


O modelo imagina uma comunidade de “aprendizes” que podem optar por adquirir conhecimento por amostragem de 1) a verdadeira distribuição completa de informações usando métodos tradicionais ou 2) um processo descontado baseado em IA que faz amostras de uma distribuição mais restrita centrada na informação principal.

Na verdade, este é um screencap do vídeo do Primer sobre sistemas de votação, mas imaginei que os “alunos” simulados em sua “comunidade” pareciam assim ao ler o jornal, e agora você também ficará.

Peterson então simula como a “distribuição do conhecimento público” global evolui ao longo de múltiplas gerações sob diferentes cenários e suposições.


Algumas descobertas importantes:

  • Quando a IA proporciona aos alunos uma redução de 20% nos custos da informação convencional, a distribuição do conhecimento público acaba por ser 2,3 vezes mais distorcida em comparação com uma linha de base sem IA. O conhecimento marginal é rapidamente superado.

  • A interdependência recursiva entre sistemas de IA (por exemplo, uma IA que aprende com os resultados de outra IA e assim por diante) acelera dramaticamente o colapso do conhecimento ao longo de gerações. Erros e preconceitos em relação às convenções se acumulam em cada etapa.

  • Compensar o colapso requer incentivos muito fortes para que os alunos procurem ativamente conhecimentos marginais. Eles devem não apenas reconhecer o valor da informação rara, mas também fazer de tudo para adquiri-la a custo pessoal.


Peterson também liga o seu modelo a conceitos como “cascatas de informação” na teoria da aprendizagem social e aos incentivos económicos para que as empresas de IA priorizem os dados mais comercialmente aplicáveis. Tudo isto sugere fortes pressões em direção ao convencional num ecossistema de conhecimento impulsionado pela IA.


Perspectiva Crítica e Questões Abertas

Os argumentos de Peterson sobre o colapso do conhecimento são filosoficamente provocativos e tecnicamente coerentes. O modelo formal do documento fornece uma estrutura útil para analisar o problema e prever soluções.


No entanto, eu teria gostado de ver evidências mais diretas e reais dessas dinâmicas em ação, além de apenas uma simulação matemática. Métricas empíricas para acompanhar a diversidade de conhecimento ao longo do tempo podem ajudar a testar e quantificar as principais afirmações. O artigo também é leve ao abordar possíveis contra-argumentos.


Algumas questões importantes em aberto em minha mente:

  • O acesso expandido da IA ao conhecimento ainda não pode ser um resultado positivo em termos de inovação, mesmo que distorça um pouco as coisas em direção às convenções? Reduzir as barreiras à aprendizagem não é mais importante?

  • Que políticas colectivas, incentivos ou arquitecturas de escolha poderiam ajudar a compensar o colapso do conhecimento, preservando ao mesmo tempo os ganhos de eficiência das ferramentas de conhecimento da IA? Como podemos mesclar inteligência de máquina com informações abrangentes?

  • Será que os incentivos económicos das empresas de IA poderão mudar ao longo do tempo para atribuir mais valor a dados raros e a casos extremos, à medida que o conhecimento convencional se torna comoditizador? Poderia a dinâmica do mercado realmente encorajar a diversidade?


As soluções propostas, como a reserva de dados de treinamento de IA e o compromisso individual de buscar conhecimento adicional, parecem apenas parcialmente eficazes para mim. Resolver isto parece exigir coordenação a nível social e institucional, e não apenas escolhas individuais. Precisamos de mecanismos partilhados para valorizar e preservar ativamente o não convencional.


Também estou curioso sobre o papel que as bases de conhecimento abertas e descentralizadas podem desempenhar como contrapeso ao estreitamento impulsionado pela IA. Poderiam iniciativas como o Wikidata, arXiv , ou IPFS fornecer um baluarte contra o colapso do conhecimento, tornando a informação marginal mais acessível? Há muito espaço para mais trabalho aqui.


As apostas para o nosso futuro criativo

Em última análise, o artigo de Peterson é um alerta poderoso sobre os perigos ocultos que espreitam na nossa pressa em tornar a IA o mediador do conhecimento humano, mesmo para pessoas como eu, que são muito pró-IA. Num mundo remodelado pela inteligência mecânica, preservar a diversidade caótica e indisciplinada do pensamento é um imperativo para a criatividade e o progresso contínuos da humanidade.


Poderíamos ser inteligentes em projetar proativamente nossas ferramentas de conhecimento de IA para nutrir o não convencional, bem como entregar com eficiência o convencional. Precisamos de salvaguardas e incentivos fortes para nos mantermos ligados à estranheza à margem. Se não o fizermos, corremos o risco de prender a nossa mente colectiva numa bolha conformista da nossa própria concepção.

Uma bolha conformista de nossa autoria!


Então, o que você acha – você está preocupado com o colapso do conhecimento em uma cultura impulsionada pela IA? Que estratégias você proporia para evitá-lo? Deixe-me saber sua opinião nos comentários!


E se esta introdução despertou seu interesse, considere se tornar um assinante pago para obter a análise completa e apoiar meu trabalho esclarecendo questões críticas de IA. Se você compartilha minha convicção de que lidar com essas ideias é essencial para nosso futuro criativo, compartilhe este artigo e convide outras pessoas para a discussão.


A diversidade do conhecimento humano não é algo abstrato e agradável de se ter – é o catalisador essencial para os avanços e saltos criativos mais significativos da humanidade. Preservar essa gama vibrante de ideias face à curadoria de conhecimento hipereficiente da IA é um desafio definidor para o nosso futuro como espécie inovadora!


AIModels.fyi é uma publicação suportada pelo leitor. Para receber novas postagens e apoiar meu trabalho se inscrever e não deixe de me seguir Twitter !